Volume de atrasos e cancelamentos de voos aumentam em 2023

O volume de atrasos superiores a duas horas e cancelamentos registrado em agosto já supera os níveis pré-pandemia

18 de setembro de 2023 às 18h39

img
O volume de cancelamentos de voos registrados até agosto é de um a cada 38 passageiro | Crédito: Pedro Vilela / Agencia i7

Nos primeiros oito meses de 2023, cerca de 2 milhões de passageiros já foram afetados por atrasos de voos superiores a duas horas nos aeroportos brasileiros. Esse volume é 25,8% superior ao registrado no mesmo período de 2019, na pré-pandemia, quando o número de afetados foi de 1,108 milhão de pessoas.

De acordo com dados do levantamento realizado pela empresa especializada em direitos dos passageiros aéreos, AirHelp, a quantidade registrada neste ano é o equivalente a um em cada 30 passageiros no Brasil. Já entre os meses de janeiro e agosto de 2019, era de um a cada 44.

A AirHelp ressalta que caso esse tipo de ocorrência não seja provocado por questões meteorológicas ou de força maior, pode originar pedidos de indenização às companhias aéreas.

O volume de cancelamentos de voos registrados até agosto também aumentou. Durante o período, cerca de 1,57 milhão de passageiros foram afetados por cancelamentos nos aeroportos brasileiros. Isso representa que um a cada 38 passageiros foi prejudicado por esse tipo de ocorrência.

O índice é superior ao verificado no mesmo período de 2019, quando 1,1 milhão tiveram seus voos cancelados. Na época, isso era o equivalente a um em cada 64 passageiros.

Quanto ao número de pessoas transportadas pelas companhias aéreas brasileiras, a pesquisa da AirHelp revela que até o mês de agosto, o setor registrou um volume de 59,5 milhões de passageiros. A quantidade ainda é inferior ao verificado no mesmo período de 2019, quando 70,7 milhões de passageiros foram transportados nos aeroportos brasileiros.

Dicas para reivindicar uma indenização

A AirHelp dá algumas dicas para os passageiros que pretendem reivindicar uma indenização. A primeira é verificar se o atraso ou cancelamento realmente causou sofrimento, estresse ou lesão ao usuário.

Acontecimentos como faltar a uma consulta médica importante, cancelamento de contrato, demissão, afastamento de um acontecimento de grande relevância emocional, são situações que podem dar lugar a um pedido de indenização perante a companhia aérea.

O passageiro tem mais chance de obter uma compensação financeira se a companhia aérea for a responsável direta pela interrupção do voo, por problemas técnicos ou falta de tripulação, por exemplo.

A interrupção do serviço devido a condições climáticas extremas pode ser usada como justificativa e aceita pelos tribunais, como estando fora do controle da companhia aérea. No entanto, nesta situação, os passageiros continuam a ter direito ao serviço e à informação.

O diretor-geral da AirHelp no Brasil, Luciano Barreto, ressalta que apesar de ser orientado para o cliente, o conjunto de direitos dos passageiros aéreos no Brasil ainda é muito vago quando se trata de critérios de compensação.

Ele ainda ressalta que isso pode se tornar um desafio para aquelas pessoas que não possuem conhecimento especializado para interpretar a lei corretamente. “Entre os principais motivos pelos quais os passageiros brasileiros não reivindicam seus direitos em caso de problemas de voo, podemos encontrar: falta de conhecimento sobre como fazer uma reclamação, mas também falta de consciência dos direitos dos passageiros”, relata.

Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail