COTAÇÃO DE 27/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,7380

VENDA: R$4,7380

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8300

VENDA: R$4,9460

EURO

COMPRA: R$5,0781

VENDA: R$5,0797

OURO NY

U$1.853,86

OURO BM&F (g)

R$284,80 (g)

BOVESPA

+0,05

POUPANÇA

0,6462%

OFERECIMENTO

Economia zCapa

Comércio pode faturar mais de R$ 3 bilhões na Black Friday

COMPARTILHE

Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

A Black Friday de 2019 deve movimentar R$ 3,67 bilhões, segundo previsão da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) divulgada nesta terça-feira (19).

Caso a expectativa se consolide o aumento será de 10,5% em relação às vendas do ano passado, que somaram R$ 3,32 bilhões.

PUBLICIDADE




A Black Friday já é a quinta data mais importante do comércio varejista brasileiro atrás do Natal, Dia das Mães, Dia das Crianças e Dia dos Pais, respectivamente.

Os segmentos de eletroeletrônicos e de utilidades domésticas devem ser os mais procurados pelos consumidores este ano. Segundo a CNC, o faturamento neste setor deverá chegar a R$ 929,4 milhões.

Em seguida, estão os hipermercados e supermercados (R$ 899,3 milhões) e de móveis e eletrodomésticos (R$ 845,5 milhões).

Vendas por comércio eletrônico se equiparam às de lojas

As vendas por meio de comércio eletrônico (e-commerce) devem, pela primeira vez, ficar muito próximas das realizadas em lojas físicas durante a Black Friday.

PUBLICIDADE




A projeção é da Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop), que prevê para este ano, um faturamento acima de R$ 3 bilhões para o comércio durante a data.

O diretor de Relações Institucionais da entidade, Luiz Augusto Ildefonso, disse que as vendas crescem, anualmente, desde 2010 quando a promoção, muito comum nos Estados Unidos, chegou ao Brasil.

“Sempre foi uma distância muito grande. Até o ano passado, era muito mais volumoso o pedido de compras na internet do que na loja física”, disse, lembrando que, até 2017, a iniciativa era voltada, na maior parte, para o comércio eletrônico e a loja física era praticamente um apêndice da data.

A queda na taxa de juros, a liberação de saques do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e dos Programas de Integração Social e de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PIS/Pasep), além do pagamento da primeira parcela do 13º salário favorecem o cenário de otimismo.

(Agência Brasil)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!