Dólar cai no dia, mas acumula alta de 1,45% na semana com foco no Fed

Na B3, às 17:20 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,03%, a R$ 4,9355

19 de janeiro de 2024 às 18h42

img
Crédito: Adobe Stock

São Paulo – O dólar à vista fechou a sexta-feira em leve baixa ante o real, mas ainda assim acumulou ganho consistente na semana, em meio ao movimento global de redução das apostas de que o Federal Reserve começará a cortar juros já em março.

O dólar à vista fechou o dia cotado a R$ 4,9273 na venda, em baixa de 0,10%. Na semana, a moeda norte-americana acumulou alta de 1,45%. Em janeiro até agora, a moeda acumula elevação de 1,56%. Na B3, às 17:20 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento caía 0,03%, a R$ 4,9355.

A divisa dos EUA novamente oscilou em margens estreitas nesta sexta-feira, sob influência do cenário externo. No início do dia, quando os rendimentos dos Treasuries chegaram a operar no território negativo, o dólar demonstrava fraqueza ante várias divisas, incluindo o real. Às 10h21, a moeda norte-americana à vista marcou a cotação mínima de R$ 4,9030 (-0,59%).

No fim da manhã, porém, o rendimento do Treasury de dez anos – referência global de investimentos – escalou patamares mais elevados, com investidores ainda repercutindo falas de autoridades e dados econômicos recentes que indicam possibilidade maior de o Fed não cortar juros em março.

A alta dos rendimentos dos títulos norte-americanos deu força ao dólar, que no Brasil marcou a máxima de R$ 4,9402 (+0,16%) no segmento à vista às 12h06.

Ao longo da tarde, no entanto, o dólar voltou a oscilar perto da estabilidade, em leve baixa na maior parte do tempo, em sintonia com o exterior, onde a moeda cedia ante uma cesta de divisas fortes e em relação a boa parte das moedas de exportadores de commodities.

Às 17:20 (de Brasília), o índice do dólar – que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas – caía 0,08%, a 103,280.

No Brasil, as atenções seguiam voltadas para as negociações em Brasília em torno da medida provisória de reoneração da folha de pagamentos das empresas.

Pela manhã, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que há acordo com o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para revogar a MP, mas a informação não foi confirmada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Também pela manhã, o Banco Central informou que seu Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) teve variação positiva de 0,01% em novembro, na comparação com o mês anterior, segundo dado dessazonalizado. O resultado do mês ficou bem abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters, de avanço de 0,10%, mas interrompe três meses seguidos em território negativo.

O BC vendeu na sessão desta sexta-feira todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de março.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail