Em meio à pandemia cotação do minério de ferro está em alta

30 de maio de 2020 às 0h14

img
Crédito: Reprodução

Na sexta-feira (29), os preços do minério de ferro dispararam 6,4% em relação aos contratos futuros na China. A valorização do produto internacionalmente vem em uma crescente, e especialistas apontam que, em médio prazo, esse incremento poderá continuar sendo uma realidade.

Essa expansão, aliás, é de muita importância para Minas Gerais, grande exportador do produto, conforme destaca o sócio-diretor e estrategista-chefe do Grupo Laatus, Jefferson Laatus. Ele frisa que para a Vale os números mais altos são muito bons – e ela poderá, inclusive, ter de intensificar a sua produção, o que reflete positivamente em Minas Gerais.

Além disso, diz ele, o dólar, que está em patamares altos e, mesmo tendo fechado em queda na sexta-feira, atingiu R$ 5,3364, também tem favorecido ainda mais os ganhos das exportadoras. Mais um ponto para o Estado.

Mas, afinal, o que tem ocasionado essa alta? Jefferson Laatus ressalta que a retomada das economias mundiais, inclusive a chinesa, tem aumentado a demanda pelo item.

“A China pega o minério de ferro e o transforma em aço e outros produtos, que são revendidos para o mundo, que, por sua vez, tem voltado a demandar os produtos chineses”, salienta ele.

O estrategista-chefe do Grupo Laatus diz que isso já era algo previsto, no entanto, a disparada dos preços do minério de ferro não deixaram de surpreender o mercado pelo momento em que veio a acontecer. “Não se imaginava que a demanda voltaria tão rapidamente”, destaca.

Porém, conforme afirma o presidente do Conselho Empresarial de Mineração e Siderurgia da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas), Adriano Espeschit, a retomada das economias mundiais não foi o único fator que influenciou o aumento do minério de ferro. Ela veio acompanhada de paralisações de unidades da Vale por motivos diversos, diz, o que impactou a cadeia de fornecimento.

De acordo com ele, houve um delay em relação aos estoques existentes, já que os impactos da paralisação podem não ser imediatos e, nesse caso, não o foram. Além disso, minas na Austrália – grande exportadora para a China – também paralisaram suas atividades, sobretudo por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e suas formas de atuação. Essa realidade também refletiu no mercado internacional do minério de ferro.

“Houve uma maior demanda e nós tivemos problemas e paralisações. Com menos oferta, os preços sobem” avalia.

Tendência – O que se sabe até agora, conforme os dados que vêm sendo divulgados internacionalmente, é que os preços do minério de ferro têm subido. Mas como eles deverão se comportar ao longo do tempo?

O economista-chefe da Nova Futura Investimentos – Macroeconomia, Pedro Paulo Silveira, ressalta que a expectativa é ainda de um aumento da demanda por minério de ferro por parte da China, o que fará com que os preços continuem a subir.

“A tendência que temos é de alta, até atingir um patamar elevado. Posteriormente, os preços vão desacelerar”, pondera ele.

Vale garante na Justiça a operação em Itabira

São Paulo – A Vale informou na sexta-feira (29) que conseguiu na Justiça a manutenção das operações do complexo de minério de ferro de Itabira (região Central), após obter decisão favorável em uma ação judicial, segundo comunicado enviado ao mercado.

A Vale disse que tomou conhecimento de um Termo de Interdição, expedido pela Superintendência Regional do Trabalho e, imediatamente, ajuizou a ação anulatória com pedido de liminar, o que foi deferido pelo juiz da 2ª Vara de Itabira, determinando a manutenção de todas as atividades da empresa no Complexo de Itabira.

A Vale disse ainda que, desde o início do surto de Covid-19, tem como “maior prioridade” a saúde e a segurança dos funcionários.

Garantias – Recentemente a Justiça deferiu parcialmente pedido de liminar contra a Vale e exigiu que a companhia apresente em prazo de dez dias garantias no valor de R$ 7,93 bilhões para assegurar eventuais pagamentos de multas, segundo fato relevante da empresa na última quarta-feira.

A decisão, sobre a qual a empresa disse ainda não ter sido intimada oficialmente, veio após ação promovida pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MP-MG), que acusou a empresa de ter dificultado atividades de fiscalização em suas operações em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, por meio de ações de seus funcionários. (Reuters)

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail