COTAÇÃO DE 01/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6700

VENDA: R$5,6710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6870

VENDA: R$5,8270

EURO

COMPRA: R$6,3654

VENDA: R$6,3672

OURO NY

U$1.779,55

OURO BM&F (g)

R$322,58 (g)

BOVESPA

-1,12

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Estado pode virar polo de produção e fornecimento de hidrogênio verde

COMPARTILHE

Marcelo Veneroso vai coordenar o Conselho de Hidrogênio formado recentemente pela associação | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo Dc

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) aposta em Minas Gerais como um promissor polo de fornecimento do chamado hidrogênio verde para o País. Também conhecido como hidrogênio renovável, o elemento desponta como alternativa a matérias-primas e combustíveis fósseis em setores de difícil descarbonização e pode ser importante aliado no desenvolvimento de uma economia com impacto neutro no clima. A entidade, porém, reforça a necessidade do aproveitamento de toda a cadeia no desenvolvimento do setor.

Para isso, criou há alguns meses o Conselho de Hidrogênio, que tem como diretor-coordenador o membro da Regional Minas Gerais, Marcelo Luiz Veneroso, que enfatiza os diferenciais do Estado para liderar a corrida pelo hidrogênio verde no País.

PUBLICIDADE

“Minas tem uma base de geração energética muito forte, além de consumidores muito próximos nas áreas de mineração, siderurgia e outros setores potenciais, fechando um ciclo de competitividade. A ideia é criar um programa chamado de “Minas do Hidrogênio”, aos moldes do famoso Vale do Silício (EUA), tão famoso por abrigar muitas empresas de tecnologia. A partir do Estado poderemos iniciar uma transformação na matriz energética do País“, afirmou.

O hidrogênio verde é produzido através da eletrólise da água, recorrendo a um processo eletroquímico que separa o átomo do hidrogênio do átomo do oxigênio. E, há alguns anos, começou a ser produzido a partir das energias renováveis solar e eólica e hídrica. Com recurso a eletricidade produzida a partir de fontes renováveis, não tem emissões associadas à sua produção. Assim, é 100% sustentável, mas também mais caro que o hidrogênio tradicional.

De toda maneira, o diretor-coordenador pondera que é economicamente viável no Brasil. “Se o hidrogênio for produzido e consumido em sua base – como propomos para Minas Gerais -, o custo logístico é quase nulo. Então, equaliza-se as demais variáveis energéticas e o preço fica competitivo, principalmente pensando-se no longo prazo e no desenvolvimento de uma matriz ambientalmente amigável”, explicou.

Ainda segundo Veneroso, o hidrogênio renovável já tem sido objeto de estudos e investimentos mundo afora. “Aqui no Brasil temos algumas empresas que já dominam a tecnologia. Vislumbrando o potencial que haverá no futuro próximo, a Abimaq decidiu formar um conselho de mercado, visando orientar esse desenvolvimento, de maneira a não permitir que esses investimentos ocorram com ‘dinheiro carimbado’, restringindo a utilização de componentes e equipamentos de outros locais. Precisamos surfar na onda do hidrogênio, mas aproveitando toda a cadeia, fabricando máquinas e equipamentos, desenvolvendo tecnologias e fornecendo mão de obra especializada“, completou.

Assim, o Conselho de Hidrogênio se propõe a desenvolver estudos e empreender ações relacionadas ao desenvolvimento da cadeia, por meio da promoção de ações e eventos em vistas da difusão do elemento como alternativa de energia renovável e ecologicamente sustentável no âmbito da matriz energética brasileira e também de parcerias estratégicas que complementem e viabilizem o fortalecimento da indústria de máquinas e equipamentos neste setor.

Desafios – Porém, Veneroso admitiu que ainda existem obstáculos a serem superados, tais como: falta de referências nas diversas aplicações; pouca divulgação entre os potenciais usuários, investidores e fornecedores; necessidade de desenvolvimento de mão de obra técnica capacitada; falta de pesquisadores e engenheiros em grande escala para desenvolver as aplicações; crédito e financiamentos para o setor; e programas de transferência de tecnologia e acordos de cooperação científica e tecnológica.

Para reverter o cenário, a entidade propõe entre outras medidas, o estímulo da entrada de veículos a hidrogênio no mercado consumidor em concorrência com os combustíveis fósseis por meio de incentivos fiscais ou creditícios; a obrigatoriedade do hidrogênio verde nos novos projetos de refino no Brasil – segundo Veneroso, atualmente, este é o setor que mais faz uso do hidrogênio no País, mas ainda em sua pior versão, a cinza -; a contratação direta de projetos de hidrogênio pelo governo; e incentivos tributários para investimentos na geração de hidrogênio para utilização em energia.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!