COTAÇÃO DE 17/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0220

VENDA: R$5,0220

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0600

VENDA: R$5,2030

EURO

COMPRA: R$5,9965

VENDA: R$5,9993

OURO NY

U$1.773,32

OURO BM&F (g)

R$287,07 (g)

BOVESPA

-0,93

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

EXPOSIBRAM 2019 | Futuro do mercado de commodities preocupa

COMPARTILHE

Will Araújo

Durante o segundo dia da EXPOSIBRAM 2019, o auditório Diamante abrigou a sessão plenária “O futuro do mercado de commodities minerais e as principais tendências atuais para a mineração”, em que Bárbara L. Mattos, vice-presidente Sênior da Moody’s Latin America, dividiu palco com Paul Fraser Robinson, diretor do CRU group, UK, e Roger Emslie, diretor de Metais & Consultoria de Mineração na Wood Mackenzie.

PUBLICIDADE

Em apresentação do ambiente oscilante proveniente das manobras de alguns países, Robinson hesitou em dizer que a atual tensão entre oferta e demanda — eixo da precificação dos commodities — poderá resultar em um período de recessão para a mineração. “Talvez, estejamos chegando ao fundo do poço dos commodities, ao fundo da curva de preço”, disse o diretor da CRU group, UK.

Entretanto, ele flertou com o otimismo ao citar as características de estabilidade de outros minerais, como alumínio e cobre, que variaram pouco durante os anos e podem continuar assim. Conforme Robinson, a aproximação de uma recessão levaria os commodities, previamente, a patamares menores do que os do ano passado, mas ainda teríamos um posicionamento positivo da indústria em relação há quatro ou cinco anos.

O diretor da CRU group, UK, ainda relatou que durante viagens e palestras sempre fazem a pergunta: “acontecerá uma recessão global?”. Ele responde em camadas e diz que para os Estados Unidos e Alemanha, há 1/3 de possibilidade de recessão, todavia, para outros países do G7 a estimativa é inferior a 20%. “Se acontecer, talvez, será na Alemanha, mas não acreditamos que ocorrerá”, afirma Robinson.

Outro assunto comum nas reuniões com o diretor da CRU group, UK, é o meio ambiente como norteador das atividades de mineração. Por isso, Robinson elenca algumas diretrizes a serem seguidas pelo setor para diminuir ainda mais a hipótese de uma crise. Entre elas, manter a disciplina e investir em metais premium e metais verdes.

No prolongamento da plenária, Emslie atribuiu a suposta futura crise à ciclicidade de recessões, que seguiriam a periodicidade de dez anos. Ressaltou que o enfrentamento precisa começar com muita antecedência e que esse olhar adiante deveria ser regra no setor.

Os metais tradicionais vêm caindo, estamos no fim de um superciclo de commodities e a demanda continuará em queda, mas acreditamos que se levarmos esse olhar precavido para o começo, no ciclo natural das minas, tudo pode mudar, disse o consultor da Wood Mackenzie.

Além disso, Emslie sugeriu que em 2028 a demanda por metais aumentará muito em algumas indústrias e o setor terá escassez de minerais, como os usados em baterias de veículos elétricos, os quais são promissores e serão, até 2040, 50% da frota global. Por isso, para atender o mercado, ele calcula que o investimento no crescimento deverá ser feito agora, com muita antecedência, e girará em torno de U$ 300 bi. Níquel e cobalto são exemplos de produtos que requerem atenção.

Para fechar a sessão, Mattos apresentou o mapeamento de crescimento em que o Brasil, México e Argentina apresentam cenários de crescimento inferiores e semelhantes na América Latina.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!