COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Falta aporte em novos projetos de mineração

COMPARTILHE

ABPM aponta que sem novas pesquisas o País tende a manter uma dependência do ouro e do ferro | Crédito: RICARDO TELES

Projeções do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) dão conta de um volume de US$ 38 bilhões em investimentos no setor mineral brasileiro de 2021 a 2025, dos quais, US$ 13 bilhões serão aplicados em Minas Gerais. Apesar das cifras elevadas, a Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa Mineral (ABPM) alerta para a falta de novos projetos e da consequente falta de diversificação dos negócios minerários no Brasil.

Para o presidente da ABPM, Luis Mauricio Ferraiuoli Azevedo, a combinação de alguns fatores, entre os quais a falta de regulamentação e orientação claras para a atividade e a baixa segurança jurídica, afastam investidores e prejudicam o desenvolvimento de novos projetos. Como o investidor de alto risco busca mercados de maior segurança, previsibilidade e atratividade, o País acaba ficando bem atrás dos maiores concorrentes: Austrália e Canadá.

PUBLICIDADE

“O ciclo não se completa. Devido à falta de atributos simples, não se desenvolve novos projetos, não se inicia pesquisas, não diversifica a base de commodities e ficamos num eterno depender do ouro, do ferro, do cobre e da rocha ornamental, enquanto os outros países têm uma cesta mineral muito grande”, comenta.

Para o dirigente, o setor deveria se espelhar no agronegócio nacional que, conforme ele, há alguns anos lidava com problemas semelhantes e era altamente dependente da pecuária e da soja. E que hoje abriga diversas frentes com representatividade, como o hortifruti e o cultivo de milho, por exemplo.

“A agricultura fez o dever de casa. Devemos olhar para o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) com inveja, pois a Pasta fez tudo o que a mineração deveria fazer e o setor, mesmo sendo altamente tecnológico, esbarra e não faz”, diz.

Para Azevedo, entre as transformações estariam a criação de uma agência de desenvolvimento “verdadeiramente voltada para a iniciativa privada” e de uma lei de incentivo para novos projetos. “No Brasil você pode plantar em qualquer lugar e não tem reserva de mercado. Na mineração tem que haver garantia quando já existe uma mina. Mas ela é necessária no momento do desenvolvimento do projeto”, justifica.

De toda maneira, vale dizer que os pedidos protocolizados junto à Agência Nacional de Mineração (ANM), que incluem requerimentos de pesquisa, licenciamento, lavra garimpeira e extração estão em ritmo acelerado. Apenas nos primeiros seis meses de 2021 somaram 8.831. Para se ter uma ideia, no decorrer de todo 2020 foram 10.746. Minas Gerais lidera o volume de projetos, com 1.311 documentos até o momento.

Receita da Vale deve dobrar

São Paulo – A mineradora Vale deverá registrar um aumento expressivo nas receitas trimestrais quando publicar seu balanço, em 28 de julho.

A média das estimativas de sete analistas para os resultados da empresa mostra expectativas de aumento de 123,8% em sua receita no segundo trimestre, para US$ 16,825 bilhões, acima dos US$ 7,52 bilhões vistos em igual período do ano passado, segundo dados da Refinitiv.

Conforme o levantamento, o lucro da Vale deve atingir US$ 1,50 por ação entre abril e junho, segundo a média de estimativas, ante US$ 0,23 por papel no mesmo período de 2020.

Atualmente, a avaliação média de analistas para as ações da empresa indica “compra”. São 20 recomendações de “compra forte” ou “compra”, duas de “manter” e uma de “venda” ou “venda forte.”

A média das estimativas de analistas para o lucro permaneceu inalterada nos últimos três meses.

O preço-alvo médio de 12 meses para a ação da Vale em Wall Street é de US$ 25,5, cerca de 13,9% acima do último fechamento, de US$ 21,95.

Preços – Os contratos futuros do minério de ferro negociados em Dalian e Cingapura avançaram ontem, interrompendo uma sequência de cinco dias de quedas, devido a uma recuperação nas margens do aço na China, maior compradora global da matéria-prima siderúrgica.

O contrato mais negociado do minério de ferro na bolsa de commodities de Dalian, fechou em alta de 0,9%, a 1.136,50 iuanes (US$ 175,22) por tonelada.

O minério de ferro em Dalian havia registrado na sexta-feira (23) sua maior perda semanal em 17 meses, em função de temores relacionados às restrições aplicadas pela China à produção de aço.

Na bolsa de Cingapura, o contrato mais ativo do minério de ferro avançava 0,7%, a US$ 198,75 por tonelada.

“A queda nos custos do minério de ferro e o aumento nos preços do aço resultaram em uma forte recuperação nas margens do aço”, disse Atilla Widnell, diretor-gerente da Navigate Commodities em Cingapura.

O vergalhão de aço e a bobina laminada a quente avançaram 0,4% cada na bolsa de futuros de Dalian. O aço inoxidável chegou a subir 2,9%, para uma máxima recorde de 19.755 iuanes por tonelada. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!