COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Indenização da Samarco pode garantir reativação de Ferrovia Bahia-Minas

COMPARTILHE

Reativação da Ferrovia Bahia-Minas, desativada em 1966, prevê investimentos iniciais de ao menos R$ 3 bilhões | Crédito: Reprodução

Assim como o acordo bilionário do governo de Minas Gerais com a Vale para reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem em Brumadinho (RMBH), a indenização pelo desastre semelhante causado anos antes pela Samarco, em Bento Rodrigues, distrito de Mariana (Central), também pode viabilizar importantes projetos e obras aguardados pelos mineiros por décadas.

Um deles diz respeito à reativação da Ferrovia Bahia-Minas, desativada em 1966, sob investimentos iniciais de ao menos R$ 3 bilhões.

PUBLICIDADE

A demanda surgiu na Bahia, mas já chegou à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e foi tema de audiência pública da Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras na última terça-feira (31).

Criada em 1882, a ferrovia ligava o município de Araçuaí (Vale do Jequitinhonha) ao porto de Caravelas, no litoral sul da Bahia, e tinha uma extensão de aproximadamente 600 quilômetros.

De acordo com o presidente da Comissão Extraordinária Pró-Ferrovias Mineiras, deputado João Leite (PSDB), este é apenas o início do pleito, que depende de decisão judicial acerca de um possível novo acordo com a Samarco e também da mobilização das lideranças mineiras e baianas.

“A reivindicação é pertinente. Alguns dizem que a indenização seria maior que a de Brumadinho, o que pode garantir os recursos tanto pela parte que compete a Minas quanto a Bahia”, comentou.

Um novo acordo judicial de indenização pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco está sendo negociado em âmbito federal junto às empresas controladoras Vale e BHP Billiton, e em vias de ser homologado. O valor pode chegar a R$ 100 bilhões.

O deputado ressaltou que os estudos sobre a reativação da Ferrovia Bahia-Minas foram contemplados no Plano Estratégico Ferroviário (PEF) do governo do Estado, elaborado pela Fundação Dom Cabral (FDC) e que, durante a audiência, a superintendente de Transporte Ferroviário da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade (Seinfra), Vânia Silveira de Pádua Cardoso, detalhou a parte do PEF que compete aos estudos de pré-viabilidade do projeto, apontando um potencial de cargas estimado já para 2025, de um milhão de toneladas úteis.

Se for reativada com o investimento inicial do poder público e depois com aportes da iniciativa privada, o estudo indica o crescimento desse potencial para 1,5 milhão de toneladas úteis em 2035 e de mais de 2 milhões até 2055, isso contando também com uma alteração no traçado original passando por Teixeira de Freitas (BA), aproveitando para potencializar o transporte de cargas que hoje trafega pela BR-101.

Essa capacidade inicial de carga, segundo Vânia Silveira, representa um ponto de partida, mas ainda é insuficiente para garantir a viabilidade econômica do trecho.

“O ideal é transformar esse estudo em um mais completo e específico, de viabilidade técnico-econômica. Seria preciso levantar in loco o que ainda existe, já que muitos imóveis foram comprados pelos municípios e boa parte da faixa de domínio doada e totalmente descaracterizada”, destacou a superintendente na audiência pública.

Os próximos passos para dar continuidade ao pleito, segundo João Leite, incluem a realização de novas audiências públicas, inclusive em território baiano, e a articulação em busca de apoio do governo estadual.

Neste sentido, ele destacou que estará hoje em Brasília com o governador Romeu Zema (Novo) e com o secretário de Estado de Infraestrutura e Mobilidade, Fernando Marcato, para o lançamento da Medida Provisória (MP) que ampara o governo a permitir a construção e a operação de ferrovias pelo processo de autorização, e tratará do assunto da Ferrovia Bahia-Minas.

A reportagem procurou o governo do Estado para comentar o assunto, mas não obteve retorno até o fechamento da edição.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!