Gerdau vai investir em Ouro Branco

5 de agosto de 2021 às 0h15

img
Empresa não revelou valor do investimento na usina, mas aportes podem atingir US$ 500 mi | Crédito: Divulgação

São Paulo – A Gerdau vai ampliar a capacidade de laminação de bobinas a quente e de produção de perfis estruturais em sua usina em Ouro Branco (MG), em investimentos que têm como referência um total de US$ 500 milhões, afirmou o presidente-executivo da companhia, Gustavo Werneck, ontem.

“Nosso laminador de bobinas a quente já está operando a plena capacidade…O investimento começa agora e deve ser concluído em 2024”, disse Werneck em teleconferência com jornalistas sobre o resultado recorde da Gerdau no segundo trimestre.

O prazo do laminador é o mesmo do equipamento de perfis estruturais, que produz vigas metálicas para a construção civil.

A capacidade do laminador de bobinas a quente (BQ) será de 250 mil toneladas por ano, enquanto a da máquina de perfis, produto que a Werneck afirmou que a Gerdau é o único produtor na América Latina, será de 500 mil toneladas por ano.

Os investimentos nos equipamentos não foram revelados na reunião com jornalistas, mas em teleconferência com analistas Werneck citou que “uma ordem de grandeza do (investimento em) BQ é de cerca de US$ 200 milhões e um investimento em um laminador de perfis estruturais como esse é de cerca de US$ 300 milhões “.

Segundo o vice-presidente de finanças da Gerdau, Harley Scardoelli, como o laminador de bobinas atual da empresa está operando a plena capacidade há algum tempo, a produção adicional a ser trazida pelo novo equipamento poderá ser absorvida rapidamente. Já no caso da máquina de perfis isso ocorreria mais paulatinamente.

Os executivos afirmaram que os investimentos iniciais nos dois novos equipamentos já estão incluídos no plano de orçamento de R$ 3,5 bilhões projetados para toda a empresa em 2021. Com as novas máquinas, a capacidade da usina de Ouro Branco vai subir para 1,1 milhão de toneladas de bobinas a quente por ano, mesmo volume para os perfis estruturais.

Segundo a Gerdau, dos investimentos projetados para este ano, R$ 1,1 bilhão serão dedicados para expansão e atualização tecnológica. Em 2020, o investimento da companhia foi de R$ 1,65 bilhão, após R$ 1,75 bilhão em 2019.

“Nos surpreendeu de positivamente o desempenho de construção civil em julho. O número de canteiros de obra subiu 5% entre junho e julho, isso é muito significativo. A demanda não vai diminuir ao longo dos próximos trimestres”, disse Werneck.

Segundo o executivo, a Gerdau espera que suas vendas de aços planos e longos no Brasil cresçam 20% este ano no Brasil sobre 2020. A projeção está acima do previsto pelo Instituto Aço Brasil, que espera que as vendas de aço no país este ano subam 18,5%.

Balanço – A Gerdau teve lucro líquido de R$ 3,9 bilhões no segundo trimestre, um salto frente ao resultado positivo de R$ 315 milhões de um ano antes, beneficiada pelo desempenho da construção civil nos mercados norte-americano e brasileiro, além de preços elevados de aço.

O resultado da siderúrgica também refletiu reconhecimento de créditos tributários da ordem de R$ 393 milhões relacionados à decisão do STF que excluiu o ICMS base de cálculo das contribuições Pis e Cofins. Em termos ajustados, o lucro alcançou quase R$ 3,4 bilhões, recorde trimestral.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado mais do que quadruplicou na comparação anual, para cerca de R$ 5,9 bilhões, maior valor para um trimestre. A margem Ebitda ajustada, também recorde, atingiu 30,8%, de 15,1% no mesmo período de 2020. (Reuters)

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail