COTAÇÃO DE 22/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3030

VENDA: R$5,3040

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4600

EURO

COMPRA: R$6,1939

VENDA: R$6,1967

OURO NY

U$1.768,10

OURO BM&F (g)

R$301,58 (g)

BOVESPA

+1,84

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Greve dos caminhoneiros: CNT se manifesta contrária a protesto previsto para dia 1º

COMPARTILHE

Crédito: Secom/PF
Crédito: Secom/PF

São Paulo – A Confederação Nacional do Transporte (CNT) afirmou ontem que não apoia o movimento de caminhoneiros autônomos que tenta articular uma greve da categoria no País a partir da próxima segunda-feira.

“Se houver algum movimento dessa natureza, as transportadoras garantem o abastecimento do País, desde que seja garantida a segurança nas rodovias”, afirmou a entidade em curto comunicado à imprensa.

PUBLICIDADE

A instituição afirma que reúne 26 federações e quatro sindicatos nacionais, abrangendo 155 mil empresas.

Na quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro apelou aos caminhoneiros para que não levem adiante a greve do setor e afirmou que o governo estuda alternativas para reduzir o PIS/Cofins para reduzir o preço do diesel, mas que a solução não é fácil.

Porém, ontem, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, afirmou que a ameaça de paralisação dos caminhoneiros, que conta com apoio dos petroleiros, não é problema da estatal, que segue praticando preços de paridade internacional. O preço do diesel é um dos principais pontos de queixa dos motoristas.

O chamado de greve, feito já há algumas semanas por entidades menores de caminhoneiros, ganhou adesão da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL), uma das principais entidades da categoria no País.

Mas o movimento se mostra dividido, com a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) afirmando que o momento escolhido para a paralisação não é o melhor diante dos impactos da pandemia de Covid-19 pelo País e do cenário demandante de transporte gerado pela safra de grãos nacional. A CNTA, porém, afirma que “apoiará a decisão da maioria”.

Em 2018, uma greve de caminhoneiros, que contou com apoio de empresários do setor de transportes, paralisou o País por 11 dias em maio, gerando impactos na economia que perduraram ao longo de todo aquele ano.

O movimento foi encerrado após o governo do presidente Michel Temer ceder à pressão dos motoristas e aceitar criar uma tabela de frete mínimo, que passou a enfrentar oposição do setor produtivo, com a disputa em torno da legalidade da criação da tabela ficando parada no Supremo Tribunal Federal desde então. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!