Investimento da Gerdau no Estado depende de mina

20 de agosto de 2020 às 0h20

img
Siderúrgica busca, junto aos órgãos competentes, aval necessário para aumentar cava na região em 12,8 hectares | Crédito: Divulgação

Dos mais de R$ 6 bilhões que a Gerdau pretende investir globalmente até o fim do ano que vem, pelo menos R$ 1,5 bilhão deverá ser aportado em Minas Gerais. No entanto, a aplicação dos recursos depende da manutenção das operações do complexo Várzea do Lopes, localizado nos municípios de Itabirito e Moeda, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), cujo minério de ferro exaure-se nos próximos meses.

Visando à ampliação da vida útil da mina por mais dez anos, a siderúrgica busca, junto aos órgãos competentes, a autorização para ampliar a cava em 12,8 hectares. Como a área adicional fica dentro do Monumento Natural da Serra da Moeda (Mona), o processo depende autorização do Poder Legislativo mineiro para alterar os limites originais do empreendimento.

Neste sentido, tramita na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) desde o início do mês, o Projeto de Lei (PL) 1822 do deputado Antonio Carlos Arantes (PSDB), que altera os limites originais do Mona, excluindo a área pleiteada pela Gerdau e inclui novas que serão cedidas pela companhia.

Conforme o diretor de Mineração e Matérias-Primas da Gerdau, Wendel Gomes, o projeto já passou por debate popular e agora é analisada pelas comissões da Casa. O processo foi iniciado junto aos órgãos ambientais no ano passado, mas até mesmo em virtude das dificuldades impostas pela pandemia de Covid-19, chegou ao legislativo apenas neste mês.

“Entendemos que há tempo para que seja aprovado na ALMG ainda este ano. Depois disso, será debatido também no âmbito municipal e após uma segunda aprovação que só poderá ocorrer após as eleições, devemos iniciar o processo de licenciamento ambiental de ampliação do complexo apenas no ano que vem”, detalhou.

Até lá, segundo ele, a empresa seguirá fazendo um trabalho de conscientização junto às comunidades, ambientalistas e órgãos competentes sobre as contribuições que projeto irá trazer. Para o executivo, existe muito ruído nas informações.

“Da área a ser expandida pelo plano de operação, 3,95 hectares estão em Itabirito e 8,86 em Moeda, o que corresponde a 0,54% da área total do Mona, em uma área da Gerdau, às margens da cava, sem interferência nas áreas das cavidades ou sítios arqueológicos. Além disso, estamos nos comprometendo a fazer a doação de uma área pelo menos seis vezes maior a que vamos utilizar”, argumentou.

Desde o ano passado, quando a siderúrgica deu início aos trâmites de ampliação do prazo de vida útil da mina, o assunto vem sendo discutido por ambientalistas e comunidades locais, que criticam e tentam impedir o avanço das operações para a zona de amortecimento de áreas de proteção ambiental.

Autossuficiência – As operações da Gerdau na mina Várzea do Lopes tiveram início em 2006 e garantem a autossuficiência de abastecimento de minério de ferro nas plantas da companhia em Minas Gerais, que correspondem a 60% da produção de aço da empresa no Brasil. Por isso, responde pela geração de 5 mil empregos na região e a manutenção das demais plantas industriais da siderúrgica no Estado.

“A não possibilidade de ampliação da cava prejudica a empresa e a comunidade de inúmeras formas. A começar pela realocação dos investimentos e culminando com a extinção de postos de trabalho”, completou o Head de Comunicação Global da Gerdau, Pedro Torres.

Entre os investimentos, o diretor de Mineração e Matérias-Primas destacou as ações em processamento a seco e descaracterização da barragem. Já na usina de Ouro Branco, na região Central do Estado ele citou as manutenções dos alto-fornos, bem como a modernização tecnológica, que resultarão na melhoria da competitividade da empresa – “principal foco da continuidade das operações do complexo Várzea do Lopes, inclusive”.

Sobre os impactos diretos da pandemia nos negócios da siderúrgica, Gomes revelou que as operações foram mantidas e que todo efeito ocorreu apenas por redução de demanda por parte do mercado. “Paramos o alto-forno 2 da usina e tivemos uma redução de 30%. Mas já retomamos no início de julho e estamos operando a plena carga”, finalizou.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail