COTAÇÃO DE 17/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9420

VENDA: R$4,9430

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0400

VENDA: R$5,1520

EURO

COMPRA: R$5,2307

VENDA: R$5,2334

OURO NY

U$1.814,77

OURO BM&F (g)

R$290,29 (g)

BOVESPA

+0,51

POUPANÇA

0,7025%

OFERECIMENTO

Economia Juntos Por Minas Juntos por Minas

Itabira precisa diversificar sua economia em nove anos

COMPARTILHE

Prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage (PSB) | Crédito: Prefeitura de Itabira/Divulgação
Prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage (PSB) | Crédito: Prefeitura de Itabira/Divulgação
#juntosporminas

Itabira, na região Central do Estado, corre contra o tempo. A cidade de Carlos Drummond de Andrade, com cerca de 121 mil habitantes e berço da mineradora Vale, precisa fazer em apenas nove anos um dever de casa adiado, ou realizado sem sucesso por décadas: diversificar a economia local o suficiente para deixá-la independente da mineração.

Isso porque o município vive há 80 anos a dependência econômica da atividade minerária. Sua história e desenvolvimento praticamente se confundem com a da exploração mineral, cujo fim, segundo previsões da Vale, será em 2031.

PUBLICIDADE




Cerca de 10 mil empregos diretos e indiretos podem deixar de existir daqui a nove anos se nada for feito. O fim da exploração mineral em Itabira também pode significar perda de 80% na arrecadação municipal.

Muitas são as potencialidades da terra de Drummond, mas a verdade é que há pouquíssima coisa concretizada. Esse é o tema desta semana do #JuntosPorMinas, projeto do DIÁRIO DO COMÉRCIO que aborda gargalos e desafios do Estado a serem transformados em oportunidades de crescimento, inclusão e transformação social.

Na entrevista abaixo, o prefeito de Itabira, Marco Antônio Lage (PSB), detalha como anda essa corrida contra o tempo e o plano de ação municipal. Ele diz ter a exata noção do momento histórico que Itabira atravessa. “Estamos diante de uma revolução, de um legado que está sendo construído e que deverá servir de exemplo para outras tantas cidades que ainda terão anos e anos de exploração mineral”.

Sem querer se posicionar como juiz da história, Lage fala de erros do passado. “Se chegamos a 10 anos do fim da mineração sem ações concretas para a sustentabilidade no pós-exaustão, então, sim, houve erros”.

Confira a seguir

PUBLICIDADE




Qual é hoje, e qual era décadas atrás a representatividade da mineração no PIB do município?

A dependência econômica de Itabira da mineração é muito grande. Era assim há décadas e continua hoje. Pelo menos 80% do orçamento de Itabira é proveniente de receitas da mineração. Seja da Cfem, que chegou a 30% da receita total em 2021, ou das demais fontes diretamente impactadas pela atividade, como o ICMS e o ISS. Isso sem falar, claro, do quanto as atividades econômicas do município estão atreladas à mineração: comércio, indústria e outras. Temos um cenário de inegável dependência.

O que há de concreto na diversificação econômica de Itabira, que aponte independência ante a mineração?

Infelizmente, este é o maior problema que o município tem a resolver. Há anos se fala de exaustão mineral em Itabira, mas muito pouco ou quase nada foi feito para garantir a diversificação. De mais relevante, é possível citar a instalação de um campus da Universidade Federal de Itajubá (Unifei) no município. A instituição chegou à cidade em 2008 e o campus está sendo construído em uma parceria inédita entre município, Vale e governo federal. O projeto é para 10 mil estudantes, o que traria uma movimentação de renda substancial para Itabira, embora ainda muito distante do que representa a mineração para a receita da Prefeitura. Estamos correndo contra o tempo, e nem é uma força de expressão.

Quando o senhor assumiu o cargo, informou que traçaria um plano de dez anos para preparar a cidade para o fim da extração mineral. Qual é o plano?

O primeiro, mais imediato, é nosso Plano de Metas “Itabira Agora”, construído desde os primeiros meses do governo e apresentado oficialmente à comunidade no início do último trimestre de 2021. Nele, estão listados os programas, projetos e metas associadas que trabalharemos até 2024. Depois, temos o Plano Plurianual (PPA), um instrumento legal, também com programas a serem desenvolvidos, mas que estipula as ações até 2025. E, por fim, temos o Plano Estratégico, que é construído em parceria com a Vale. Este é o que tem a visão mais a longo prazo, com metas de 30 anos, de 10 anos e também as urgentes. O Plano Estratégico ainda está sendo feito, inclusive com a participação de uma empresa de consultoria holandesa financiada pela própria Vale. Nele estão investimentos necessários nas áreas de desenvolvimento econômico, desenvolvimento social, preservação e recuperação ambiental, uso e ocupação do solo, mobilidade, patrimônio cultural e aspectos fiscais. Em breve, quando este plano estiver concluído, vamos apresentar à comunidade e provocar o debate.

Existe um modelo de cidade pós-mineração, no mundo ou em Minas, que será seguido?

O trabalho que está sendo feito tem, sim, seus benchmarkings. Claro que estamos de olho no que já foi feito no sentido da sustentabilidade no Brasil e no mundo, mas acreditamos, de verdade, que Itabira será um case inédito de uma cidade mineradora que se transformou totalmente. A busca pelos exemplos consiste em verificar o que deu certo em outras cidades, especialmente na concepção de políticas públicas e reaproveitamento de áreas mineradas. Nesse sentido, temos iniciativas de sucesso na Inglaterra, na Alemanha, Estados Unidos, Suécia, China. A própria Vale tem bons projetos de reaproveitamento do rejeito de minério em Itabirito e em Vitória. Temos também o exemplo do Vale do Ruhr, na Alemanha, que saiu de uma economia essencialmente minerária, como é Itabira, e se transformou completamente. Enfim, temos esses benchmarkings, mas Itabira é um caso muito específico. Estamos construindo algo que servirá de exemplo para outras cidades mineradoras.

Existe alguma experiência negativa de pós-mineração que não pode ser repetida de jeito nenhum em Itabira?

Acredito que o próprio Estado de Minas Gerais pode nos servir de alerta. Somos um Estado que nasceu da mineração e que por décadas e décadas se valeu desta condição, ostentando uma condição financeira favorável. Agora veja como estamos hoje: déficit fiscal, dificuldades financeiras e um passivo ambiental difícil de equalizar. Itabira não pode flertar com um cenário como esse, tem que investir agora na diversificação e aplicar uma gestão voltada para a sustentabilidade.

Houve algum tipo de erro, no passado recente ou antigo, que comprometeu de alguma forma ações positivas pensadas para o fim da mineração em Itabira?

Se chegamos a nove anos do fim da mineração sem ações concretas para a sustentabilidade no pós-exaustão, então, sim, houve erros. Acredito que o maior deles tenha sido não acreditar que este momento chegaria. Afinal, é muito cômodo para um gestor administrar uma cidade com um bom orçamento e só se preocupar com o agora. Não estou aqui para ser o juiz da história, mas o próprio cenário de hoje mostra que muito mais poderia ter sido feito lá atrás. Tivemos bons movimentos, quase sempre capitaneados pela associação empresarial da cidade, mas que não tiveram o efeito desejado. Mas eu só olho para trás para observar essas lições. Itabira precisa, urgentemente, de ações agora que reflitam no futuro.

Sabe-se que Itabira busca firmar-se, entre outras potencialidades, como um polo educacional. Nesse sentido, o que já foi concretizado e o que está sendo preparado?

A Unifei é o principal propulsor do polo educacional. É uma universidade com uma concepção diferente, voltada para a tecnologia, tem tudo a ver com o que pensamos para o futuro de Itabira e com a mudança de cultura que queremos implantar na cidade. Uma das nossas metas é ter na Unifei Itabira um curso de medicina tecnológica, já com articulações sendo feitas no Ministério da Educação. A Unifei está ligada diretamente ao gerenciamento de um Parque Científico Tecnológico, outro sustentáculo para a diversificação do município. Ela não pode, de jeito nenhum, ser um organismo isolado. Paralelo, temos em Itabira outras faculdades importantes, como um campus da Una, e a Fundação de Ensino Superior de Itabira (Funcesi), uma universidade nascida na cidade e que pode contribuir com os nossos projetos.

Estima-se a perda de quantos postos de trabalho ao fim da mineração? Até lá, qual é a meta de geração de emprego em outras áreas a serem desenvolvidas?

Um dos principais problemas neste período de “transição” é a falta de precisão sobre números. O que se sabe, hoje, é que a Vale é responsável por cerca de 10 mil empregos em Itabira, entre diretos e indiretos. Nós não temos essa projeção do quanto de impacto haverá na questão dos empregos, o que sabemos é que haverá com certeza, daí a importância de buscar a diversificação e propor novas alternativas aos itabiranos. O que a Vale já tornou público é de que manterá atividades em Itabira, mesmo após a exaustão de suas minas. A empresa pretende usar as plataformas de beneficiamento que tem no município, consideradas umas das mais modernas entre todas da Vale, para tratar o minério que virá de outras cidades. Já temos o anúncio, por exemplo, de uma ferrovia entre Conceição do Mato Dentro e Itabira. Então, pode ser que a empresa transfira funcionários para outras cidades. Esse impacto para Itabira ainda é incerto. O que a gente tem em mente, e trabalha para isso, é que precisamos garantir que, se houver demissões, que essas pessoas tenham outro lugar para trabalhar imediatamente.

A Vale tem respondido à altura quando se trata do assunto legado da mineração?

A Vale tem se mostrado consciente de que precisa transformar Itabira em um case de sucesso. A empresa sabe que isso é importante para sua imagem, sobretudo após os tristes episódios de Mariana e Brumadinho. Deixar a sua cidade-berço à própria sorte seria outra marca terrível para a mineradora. Então, as conversas têm sido muito boas, inclusive com o presidente Eduardo Bartolomeo, com quem já me encontrei pessoalmente em Itabira. A própria iniciativa de contratar uma consultoria para nos ajudar na elaboração do Plano Estratégico é uma boa sinalização dessa disposição. Da nossa parte, o que temos falado com a empresa é de que confiamos que o modelo de cogestão desse plano é o melhor caminho. Acreditamos, de verdade, que o diálogo franco e a divisão de responsabilidades trarão bons frutos para o presente e o futuro de Itabira. Agora, também não abriremos mão de sermos implacáveis na cobrança quando houver a necessidade.

Entre as ações concretas da mineradora nesse sentido, quais o senhor. considera mais importante?

A Vale está arcando com a construção dos três próximos prédios da Unifei, algo avaliado em R$ 100 milhões. Também assumiu a construção de uma nova Estação de Tratamento de Água (ETA) no rio Tanque, uma obra robusta e que vai contribuir para atacar um problema preocupante de Itabira, que é o abastecimento de água. Essa obra está estipulada em US$ 30 milhões. Como citei anteriormente, tivemos novas boas sinalizações da Vale. Desde as primeiras conversas já foi montado um grupo estratégico, formado por pessoas indicadas pela Prefeitura e pela Vale. Depois, a boa conversa que tive com o presidente, na qual ele demonstrou estar alinhado com o que pensamos sobre a construção de um legado pela empresa. Também tem a consultoria contratada, paga pela Vale, e que tem nos ajudado a construir o Plano Estratégico.

Itabira será vitrine. Como o senhor vislumbra o município em 2031?

Vislumbro uma cidade justa e sustentável. É o nosso norte na gestão da prefeitura. Não é fácil construir isso. Não tem sido fácil, aliás. É muito difícil enfrentar um modelo tradicional e implantar um modelo disruptivo, contrariar interesses e implantar uma nova cultura. Isso sob todos os aspectos, seja político ou econômico. Mas nós vamos fazer. Não tenho dúvidas de que teremos, daqui a alguns anos, uma cidade que se tornou um case de sucesso. Um município minerador que viverá uma nova realidade, com novas opções e novas matrizes econômicas. Estamos diante de uma revolução, de um legado que está sendo construído e que deverá servir de exemplo para outras tantas cidades que ainda terão anos e anos de exploração mineral. Queremos que prefeitos um dia olhem para Itabira e digam: o nosso futuro tem que ser assim.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!