COTAÇÃO DE 18/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3037

VENDA: R$5,3047

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3170

VENDA: R$5,4570

EURO

COMPRA: R$6,3724

VENDA: R$6,3747

OURO NY

U$1.837,39

OURO BM&F (g)

R$311,58 (g)

BOVESPA

+0,74

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Página Inicial » Lucro das grandes redes aumenta 7,54%

Lucro das grandes redes aumenta 7,54%

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Alta registrada pelas grandes redes de farmácia é considerada como uma frustração - CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

São Paulo – As grandes redes de varejo farmacêutico aumentaram seu faturamento em 7,54% no primeiro semestre de 2018, resultado que, embora seja de alta, significa alguma frustração para o setor. “Esperávamos que já estivesse melhor”, comenta o presidente executivo da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), Sergio Mena Barreto.

O resultado dos primeiros seis meses do ano foi uma receita de R$ 22,78 bilhões. Diferente da tendência que vinha se mantendo nos últimos anos, as vendas deixaram de ser puxadas pelos segmentos de itens de beleza e higiene. A categoria chamada de “não-medicamentos” cresceu abaixo da média, com alta nas vendas de 6,37%.

Para Barreto, o setor sente o impacto de uma crise de confiança dos brasileiros. “A eleição está incerta, o brasileiro ainda demonstra medo de consumir”, conclui.

Apesar de considerar o desempenho até aqui mais fraco do que o esperado, a Abrafarma ainda acredita que o crescimento nas vendas em 2018 deve ficar em torno de 8% a 9%. No ano passado, as vendas cresceram 8,96%.

As grandes redes de farmácia representam cerca de 45% do total do mercado farmacêutico brasileiro, conforme dados da IQVIA. Nos últimos anos, essa fatia vem crescendo, com as redes abrindo mais lojas e tomando mercado de farmácias independentes, as quais representam 30% do faturamento do setor.

Para 2018, Barreto considera que o ritmo de expansão segue forte. Nos últimos 12 meses encerrados em junho, foram inaugurados pouco mais de 600 pontos de venda, comparáveis a uma abertura de cerca de 630 lojas um ano antes. Barreto não vê desaceleração. “Não foram cancelados investimentos”, aponta o executivo. “A expansão tem se mantido.”

Oferta de serviços – O setor tem apostado ainda na oferta de serviços de saúde como exames para controle de diabetes, hipertensão e colesterol, além de fornecimento de vacinas.

Segundo a Abrafarma, hoje são 1,6 mil os postos de atendimento desse tipo em farmácias, quase o triplo do que existia há um ano A expectativa é chegar a 2 mil espaços do gênero até o fim do ano.

Esse tipo de serviço foi permitido com a edição de uma lei em 2014, mas ainda há discussões do setor com o órgão regulador, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Isso não tem impedido, no entanto, que redes já apostem nesse serviço de assistência. (AE)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!