COTAÇÃO DE 16-05-2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0510

VENDA: R$5,0520

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1500

VENDA: R$5,2540

EURO

COMPRA: R$5,2783

VENDA: R$5,2794

OURO NY

U$1.822,69

OURO BM&F (g)

R$297,43 (g)

BOVESPA

+1,22

POUPANÇA

0,6414%

OFERECIMENTO

Economia

Matéria-prima de papel e papelão é o grande desafio do setor em 2022

Segundo o Sinpapel, fornecimento não chegou aos níveis pré-pandemia

COMPARTILHE

Para Baggio, retomada também depende do cenário político | Crédito: Alisson J. Silva
Para Baggio, retomada também depende do cenário político | Crédito: Alisson J. Silva

Um dos indicadores de aquecimento ou arrefecimento da economia é a indústria de embalagens. A caixa de papelão é considerada um termômetro que antecede o que vai ser produzido. Em 2021, a demanda nacional por embalagens cresceu mas, em parte, não foi atendida, por falta de um insumo fundamental: o papel.

Entre 2019 e 2020, a produção de embalagens teve queda de 35% em Minas Gerais, que responde por 12% a 15% do mercado nacional. Com a pandemia, muitas fábricas desaceleraram suas operações, algumas fecharam e várias enfrentaram uma dificuldade concreta: falta de matéria-prima.

PUBLICIDADE




Cerca de 75% das embalagens de papelão ondulado são oriundas da reciclagem – Minas é um dos três principais recicladores do material, que é utilizado em caixas de embalagens para transporte de produtos.

“Os fabricantes de caixas de papelão ondulado no Estado utilizam mais de 85% de papel reciclado e, com o fechamento do comércio, os catadores não tiveram o que recolher”, conta o presidente do Sindicato das Indústria de Celulose, Papel e Papelão no Estado de Minas Gerais (Sinpapel), Antônio Baggio, que dirige a entidade há 19 anos.

Um outro segmento, o de sacos de papel, teve ainda mais dificuldades e por mais tempo. Os fabricantes de sacos e sacolas de papel no Estado utilizam 99% de papel kraft virgem produzido fora do Estado – e este sumiu do mercado. “A demanda mundial por embalagens de delivery no auge da pandemia e a valorização do dólar direcionaram praticamente toda a produção para o mercado externo”, revela Baggio.

Segundo o dirigente, a produção brasileira de papel kraft é “a conta do chá”, ou seja, é exatamente o que o mercado interno consome. Com o mundo francamente comprador, as empresas fabricantes de papel, a exemplo de outros setores da economia, optaram por exportar.

PUBLICIDADE




A quebra na cadeia produtiva provocada pelas dificuldades de fornecimento e engrossada pela queda na produção industrial brasileira como um todo, fez o setor de embalagens em Minas amargar a redução de um terço nas encomendas entre 2019 e 2020.

Um panorama que começou a se normalizar em outubro do ano passado, quando algumas indústrias de papel aumentaram a produção ou deixaram de exportar. E, com a suspensão dos lockdowns, os catadores voltaram a oferecer papelão para a reciclagem. “Mas o fornecimento não chegou ainda aos níveis pré-pandemia”, ressalta Baggio.

Da mesma maneira que a produção de embalagens, que cresceu mês a mês, mas partindo de uma base muito baixa. Baggio calcula que a recuperação, entre 2020 e 2021, foi de 25%. “Recuperou, mas não cresceu. A produção só está se igualando a 2019 agora”, observa.

De acordo com Baggio, em 2022 o grande desafio do setor, que reúne 326 empresas em Minas, continua sendo a obtenção de matéria-prima, além da redução de custos que têm contribuído para sua perda de competitividade, como os exigidos pela pandemia.

“A perspectiva é boa, vai depender da definição do cenário político e do próprio contexto da Covid. Aí a indústria volta a produzir e a crescer, mesmo enfrentando juros mais altos e inadimplência”, acredita o presidente do Sinpapel.

No chão da fábrica

O Sinpapel reúne 326 empresas no Estado, sendo que 50 delas respondem por 97% do faturamento do setor no Estado. São empresas grandes do setor de celulose, como a Cenibra. Ao todo, a atividade ocupa 15 mil funcionários diretos

Na Casa Sol Embalagens, empresa com 39 anos de mercado, Alexandre Gonçalves é fabricante de sacarias de papel para a panificação. Fabrica entre outros itens mais tradicionais, o saco delivery, de fundo quadrado que fica em pé. Ou seja, seu produto embala o pão essencial de cada dia.

Mesmo assim, em 2020, a empresa teve uma redução de 2,54% no volume produzido.  “Só em abril, tivemos um recuo de 40%”, lembra o empresário que, em 2021, viu sua produção aumentar cerca de 12%. “A demanda está aquecida, principalmente no mercado de delivery com gramaturas acima de 60 g/m2. Mas ainda existem rupturas no fornecimento”, observa.

Para Gonçalves, os principais desafios no ano passado foram o aumento abusivo dos insumos e a consequente dificuldade de manter o cliente. Para 2022, porém, ele conta com um crescimento de 15% no volume produzido.

Ele não pretende fazer investimentos, em função, segundo ele, da dificuldade de crédito. “Os pequenos e médios industriais não têm acesso fácil. No período crítico da pandemia, o governo federal fez muito; mas agora o foco noutras questões está atrapalhando o crescimento das indústrias”, completa o empresário.

Antônio Borges, da Fideli Parma, lembra que a oferta de matéria-prima só se normalizou em setembro do ano passado. Em junho e julho, os pedidos de embalagens de pizza, que fabrica há 22 anos, caíram em cerca de 40%.

Ele observa que a demanda por delivery – e por suas embalagens – aumentou muito no período em que os restaurantes estavam fechados. Mas após a abertura, ela caiu para abaixo do normal. “A impressão que tenho é que as pessoas ficaram cansadas de comer pizzas em casa e preferiram ir à pizzaria ao invés de pedir”, explica o empresário.

A empresa demitiu 20% de seus 250 funcionários e não voltou ainda a contratar. “No fechamento do ano, o faturamento aumentou cerca de 20%, mas a quantidade de itens vendidos foi menor”, revela Borges.

Ele relata que a oferta de insumos para produção no mercado interno está normal, mas os importados ainda faltam e estão mais caros. “O principal desafio de 2021 foi nos adaptarmos às condições de mercado, que mudavam com muita rapidez. Para 2022, acredito que até março a demanda vai continuar como está agora, estabilizada nos níveis do final do ano. De abril para frente, só Deus sabe”, afirma.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!