COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Partidos condenam ameaças de Bolsonaro e impeachment entra na pauta

COMPARTILHE

POR

Presidente Jair Bolsonaro discursa para apoiadores em Brasília
Presidente Jair Bolsonaro discursa para apoiadores em Brasília | Crédito: REUTERS/Adriano Machado
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

São Paulo – Um possível impeachment do presidente Jair Bolsonaro passou a ser discutido por diversos partidos que até o momento não fazem oposição sistemática ao governo, mas que condenaram os discursos de Bolsonaro no dia 7 de Setembro, nos quais o presidente elevou o tom dos ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ameaçou descumprir decisões judiciais.

Em nota, o PSD anunciou que criará uma comissão nesta quarta (08) para acompanhar as próximas manifestações de Bolsonaro e avaliar eventual apoio a um processo de impedimento contra ele.

PUBLICIDADE

“A cada dia, vemos aumentar a instabilidade e o PSD está acompanhando essa situação com muita atenção. Temos avaliações de alguns importantes juristas apontando que apenas as falas, as manifestações, seriam razões suficientes para justificar o processo. Vamos acompanhar a conduta do governo para determinar, ou não, a defesa e o apoio a um eventual processo de impeachment do presidente da República”, disse o presidente nacional da legenda, Gilberto Kassab, ainda na terça, de acordo com nota do partido.

“Tivemos hoje a temperatura mais elevada, manifestações muito duras, acima do tom. Começam a surgir indicativos importantes, que podem justificar o impeachment. A fala de que o presidente não vai acatar decisões judiciais é muito preocupante”, acrescentou.

O PSD tem uma bancada de 34 deputados federais e 11 senadores.

Também em nota na terça (07), o Cidadania — que tem sete deputados e três senadores com posição frequente contrária ao governo — defendeu o impeachment de Bolsonaro e prestou solidariedade ao ministro Alexandre de Moraes, do STF, principal alvo dos ataques desferidos pelo presidente em seus discursos da véspera.

“A resposta tem de ser política. E ela começa pelo devido processo de impeachment”, afirma a nota assinada pelo presidente nacional da legenda, Roberto Freire.

Ainda na tarde de terça, o PSDB — cuja bancada tem 33 deputados e sete senadores — anunciou que sua Executiva Nacional se reunirá nesta quarta para discutir a posição do partido sobre a abertura de um processo de impeachment contra Bolsonaro.

O governador de São Paulo, João Doria, um dos pré-candidatos da sigla à Presidência, posicionou-se favoravelmente ao impeachment e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que também disputará as prévias tucanas para o Palácio do Planalto, disse que foi um erro colocar Bolsonaro no poder e é um erro mantê-lo lá.

O presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, também defendeu o impeachment de Bolsonaro após os discursos do 7 de Setembro. A sigla tem 14 deputados federais e nenhum senador.

Em que pese a manifestação de dirigentes partidários colocando o impeachment de Bolsonaro na pauta, esse posicionamento não implica necessariamente em alinhamento das bancadas na Câmara e no Senado, embora seja um indicativo importante.

“BASTA”

Em nota conjunta, DEM e PSL — partido pelo qual Bolsonaro se elegeu em 2018 e que ainda abriga apoiadores ferrenhos do presidente mesmo após sua saída da sigla, caso do deputado Eduardo Bolsonaro (SP) — não citaram eventual apoio a um impeachment, mas defenderam dar um “basta nas tensões políticas, nos ódios, conflitos e desentendimentos que colocam em xeque a Democracia brasileira”.

“O PSL e o Democratas entendem que a liberdade é o principal instrumento democrático e não pode ser usada para fins de discórdia, disseminação de ódio, nem ameaças aos pilares da própria Democracia. Por isso, repudiamos com veemência o discurso do senhor presidente da República ao insurgir-se contra as instituições de nosso país”, afirma a nota.

Maior partido do Senado, o MDB também divulgou nota em reação às ameaças de Bolsonaro e, embora não tenha mencionado o impeachment, afirmou no documento que o “texto constitucional tem seus remédios em defesa da democracia”.

“É lamentável o presidente da República usar o Dia da Independência para afrontar os outros Poderes. Parece tentar se desviar dos problemas reais: inflação de alimentos, combustíveis, crise fiscal, hídrica, desemprego e baixo crescimento”, afirma a nota.

Cabe ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que assim como seu partido tem sido um aliado de Bolsonaro, aceitar um pedido de abertura de processo de impeachment contra o presidente. Mais de 100 pedidos neste sentido já foram protocolados e aguardam uma análise de Lira.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!