Crédito: REUTERS/Washington Alves

A produção de minério de ferro da Vale no primeiro trimestre somou 59,6 milhões de toneladas, queda de 18% ante o mesmo período do ano passado, ficando abaixo do guidance da empresa, entre 63 milhões de toneladas e 68 milhões de toneladas, informou a mineradora, que revisou ainda as metas de produção de seus principais minerais para o ano.

O volume menor que o esperado para os primeiros três meses do ano, segundo a companhia, foi devido a diversas causas operacionais, além de condições climáticas mais severas e concentradas do que o habitual, principalmente em março.

De acordo com a companhia as principais causas para este resultado são: perdas de 4,5 milhões de toneladas no Sistema Norte por manutenção não programada no transportador de correia de longa distância em S11D, condições climáticas mais severas e concentradas do que o habitual, especialmente, em março, e restrições operacionais em Serra Norte, relacionadas à postergação no start-up da nova frente de lavra de Morro 1; perdas de 1,8 milhão de toneladas por menores compras de terceiros, devido à menor disponibilidade causada pelas fortes chuvas no sudeste do Brasil; perdas de 2,1 milhões de toneladas por questões operacionais no Sistema Sudeste, principalmente no Complexo de Itabira

A empresa prevê agora produzir de 310 milhões a 330 milhões de toneladas de minério de ferro em 2020, ante projeção anterior de 340-355 milhões de toneladas.

De acordo com a companhia, o volume de vendas em 2020 pode mudar de acordo com as condições de mercado e a estratégia de margem sobre o volume da Vale, priorizando produtos blindados em seu portfólio e a reposição de estoques em 2020, conforme necessário.

“A companhia está avaliando continuamente o impacto da pandemia em seus negócios e divulgará imediatamente qualquer impacto material adicional em suas operações, cadeia de suprimentos ou demanda de clientes”, concluiu. (Com informações da Reuters)