COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Produção das indústrias registra queda de 14,2% em Minas Gerais

COMPARTILHE

A indústria extrativa mineral do Estado sofreu retração de 11,61% em janeiro com o impacto da tragédia da Vale em Brumadinho | Crédito: REUTERS/Washington Alves

Apesar de a produção industrial em Minas Gerais ter avançado 1,9% em janeiro, frente a dezembro, na comparação com o mesmo intervalo do ano passado, houve uma retração de 14,2% no desempenho do setor.

Queda também foi observada na produção da indústria nos últimos 12 meses, 6,8%. O rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, e as fortes chuvas que atingiram o Estado no primeiro mês do ano são fatores que prejudicaram o desempenho da indústria mineira. Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

PUBLICIDADE

O levantamento do IBGE mostrou que na comparação de janeiro com igual mês do ano passado, a produção industrial do Estado caiu 14,2%. O gerente da pesquisa industrial do IBGE, Bernardo Almeida, explica que o resultado mineiro foi a maior influência negativa para a composição do índice nacional, que recuou 0,9%.

“A indústria mineira foi a maior influência negativa. A redução da produção industrial do Estado é a 11ª consecutiva e a mais intensa desde junho 2016, quando atingia uma variação negativa de 17,8%”, explicou Almeida.

Na comparação de janeiro de 2020, com igual mês de 2019, a maior queda na produção foi apurada na indústria extrativa, que recuou 11,61%. A produção da indústria metalúrgica caiu 1,91%, seguida pela indústria de veículos automotores, reboques e carrocerias, com queda de 0,73%.

A produção de minerais não metálicos recuou 0,49%. A produção da indústria de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis ficou 0,29% menor.
Dentre as altas, a produção na indústria de alimentícios subiu 0,96%, produtos têxteis, 0,36%, e máquinas e equipamentos 0,13%.

A gerente de economia da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Daniela Britto, explica que as chuvas prejudicaram ainda mais a produção da indústria.

“Além dos problemas de queda da produção, que já vem ocorrendo desde janeiro do ano passado, em função de paralisações, o primeiro mês do ano foi marcado por grandes volumes de chuvas e, isso, prejudica muito a atividade industrial de extração mineral.

Obviamente, como a indústria extrativa puxa outros setores – por ter uma cadeia produtiva intensa – a indústria de transformação sentiu isso também”.

Ainda conforme Daniela, por outro lado, segmentos industriais importantes apresentaram alta e contribuíram para que a queda na produção geral não fosse maior. “O setor de alimentos, que é importante e tem peso grande na indústria mineira, apresentou crescimento”, explicou.

De acordo com o gerente da pesquisa industrial do IBGE, Bernardo Almeida, em janeiro, frente a dezembro, a indústria de Minas apresentou avanço de 1,9% sendo a quinta influência positiva para o resultado nacional, que apresentou alta de 0,9% no período.

“A alta de 1,9% registrada em Minas Gerais é a mais intensa desde setembro de 2019, quando a evolução da indústria foi de 2,3%. Porém, a indústria mineira ainda acumula perdas nas demais comparações”.

Acumulado – Em relação aos últimos 12 meses, a produção industrial no Estado ficou 6,8% menor. No período, a indústria extrativa caiu 7,26%. Queda também foi verificada em outros produtos químicos (0,61%), coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (0,23%), minerais não metálicos e metalurgia com redução de 0,08% em cada.

A produção das indústrias de alimentícios cresceu 0,86%, seguida por indústrias de bebidas, 0,19%, veículos automotores, reboques e carrocerias (0,14%) e produtos têxteis com alta de 0,12%.

Resultado é positivo em 13 dos 15 locais pesquisados

Rio – A produção da indústria nacional cresceu em 13 dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na passagem de dezembro para janeiro, quando o setor registrou alta de 0,9% depois de dois meses de quedas consecutivas.

As taxas positivas, divulgadas ontem na Pesquisa Industrial Mensal Regional, são as maiores desde junho de 2018, quando a indústria começou a se recuperar da greve dos caminhoneiros, iniciada em maio daquele ano.

O destaque no mês foi o estado de São Paulo, maior parque industrial do País, que cresceu 2,3% e puxou a alta do indicador. “A indústria paulista vem de dois meses negativos, em que acumulou queda de 3,7%. O resultado de janeiro foi o mais alto desde agosto de 2019 (3,2%). Essa alta foi impulsionada pelos setores de veículos automotores, máquinas e equipamentos e metalurgia”, disse, em nota, o analista responsável pela pesquisa, Bernardo Almeida.

Segundo o IBGE, o Rio de Janeiro teve a segunda maior influência positiva sobre o índice, com alta de 3,9%, impulsionada pelos setores de veículos e derivados de petróleo. “Com isso, a indústria fluminense eliminou o recuo registrado em dezembro (-3,9%)”, afirmou Almeida, acrescentando que o resultado foi o maior desde julho do ano passado.

Em contrapartida, as indústrias do Pará (-4,2%) e de Mato Grosso (-2,3%) recuaram em janeiro. “No Pará, a queda foi a mais intensa desde setembro de 2019, devido ao setor extrativo, e eliminou o crescimento de 2,7% em dezembro. Já Mato Grosso registrou a segunda taxa negativa consecutiva, acumulando nesse período perda de 7,2%”, informa o IBGE. (ABr)

 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!