COTAÇÃO DE 15/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3032

VENDA: R$5,3042

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3300

VENDA: R$5,4530

EURO

COMPRA: R$6,3735

VENDA: R$6,3752

OURO NY

U$1.825,72

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,27

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Produção industrial tem o pior resultado para julho em quatro anos

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

Rio e São Paulo – A produção industrial brasileira contrariou expectativas e encolheu em julho, no terceiro mês seguido de queda e no pior desempenho para o mês em quatro anos, indicando um começo de trimestre ruim para o setor. A Pesquisa Industrial Mensal foi divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Contra um ano antes, a produção recuou 2,5%. O dado de junho foi revisado para pior, passando a mostrar contração de 0,7% sobre maio, ante queda estimada anteriormente de 0,6%.

Tanto na comparação mensal quanto na anual os números de julho vieram piores que o estimado por analistas consultados pela Reuters: alta de 0,3% sobre o mês anterior e queda de 1,3% na base anual.

O recuo de 0,3% em julho é o pior para o mês desde 2015 (-1,8%), enquanto o de 2,5% é o mais forte também para o mês desde 2016 (-6,1%).

“Do jeito que anda a indústria provavelmente vai fechar o ano em queda, dado o cenário doméstico acrescido da crise da Argentina e do cenário global”, disse o economista do IBGE, André Macedo.

No acumulado de 2019, a produção acumula baixa de 1,7%. Em 12 meses, a indústria recua 1,3%, indicando perda de ritmo, já que no período até junho a contração havia sido de 0,8%.

Segundo o IBGE, a trajetória da indústria pela métrica de 12 meses tem sido “predominantemente descendente” desde julho de 2018, quando em 12 meses a produção acumulava alta de 3,2%. “A indústria hoje produz o equivalente a janeiro de 2009. São dez anos de distância. É um sinal importante”, afirmou Macedo.

A pesquisa Focus do Banco Central divulgada na véspera mostrou que analistas preveem uma atividade praticamente estagnada na indústria em 2019, com crescimento de apenas 0,08%.

Categorias – Dentre as grandes categorias econômicas, bens intermediários (-0,5%) e bens de capital (-0,3%) caíram, enquanto os setores produtores de bens de consumo semi e não-duráveis (+1,4%) e de bens de consumo duráveis (+0,5%) subiram.

Onze dos 26 ramos pesquisados mostraram quedas na produção, com outros produtos químicos (-2,6%), bebidas (-4%) e produtos alimentícios (-1,0%) exercendo as maiores influências negativas.

Já entre os 15 setores que ampliaram a produção, destaque a produção em indústrias extrativas, com alta de 6%, a terceira consecutiva.

“Essa melhora se deve à retomada de algumas plantas após um aumento na fiscalização”, disse Macedo. Segundo ele, a recuperação do setor – que mostrou a terceira alta consecutiva, período em que cresceu 18,5% – vem depois de um tombo de 24,5% entre janeiro e abril reflexo do acidente com a barragem da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em janeiro passado.

O economista do IBGE disse que os níveis gerais de estoque da indústria ainda estão acima do habitual, o que atrapalha a recuperação do setor. “Além disso, nossa demanda doméstica não está forte para absorver uma produção mais forte.”

Ele destacou ainda os efeitos do mercado de trabalho sobre o estado geral da indústria.
“E ainda tem um cenário externo desfavorável, com a crise na Argentina e menor crescimento global”, completou.

Os sinais mais recentes, contudo, indicam alguma recuperação do setor em agosto. Em agosto, o setor manufatureiro voltou a crescer e no ritmo mais rápido em cinco meses, conforme pesquisa do IHS Markit.

Alberto Ramos, diretor de pesquisas econômicas do Goldman Sachs para a América Latina, espera que a indústria tenha uma “lenta” recuperação até o fim do ano.

“(O setor) deve se beneficiar da recuperação cíclica esperada, puxada por baixos juros reais, condições financeiras acomodatícias, aumento da confiança empresarial e pela expectativa de aumento de gastos com investimento”, disse em nota. Ele frisou, porém, os efeitos negativos da crise argentina sobre a produção industrial brasileira. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!