COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Refis estadual dá desconto para dívidas de ICMS

COMPARTILHE

Cidade Administrativa de Minas Gerais
Crédito: Gil Leonardi/Secom MG

Publicado ontem no Diário Oficial pelo Governo de Minas Gerais, o Decreto 48.195, que trata das regras do programa de regularização tributária (Refis), foi bem recebido entre os entrevistados pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO. No entanto, também houve o alerta de que a medida, sozinha, não é capaz de resolver todos os desafios enfrentados pelo empresariado atualmente, diante da pandemia da Covid-19.

Com o Refis, os contribuintes mineiros poderão quitar as dívidas relacionadas ao ICMS, à vista, com desconto de 90%, ou em parcelas, com descontos que variam de 50% (até 84 parcelas) a 85% (até 12 parcelas) sobre juros e multas. O benefício engloba todos os débitos do imposto que estão em aberto ou parcelados referentes aos fatos geradores até o mês de dezembro do ano passado.

PUBLICIDADE

“Não estamos beneficiando o mau pagador, mas oferecendo uma oportunidade àqueles que, por algum motivo, tiveram dificuldade de honrar débitos tributários. Entendemos também o contexto da pandemia da Covid-19, que pode ter prejudicado muitas empresas”, destacou o subsecretário da Receita Estadual, Osvaldo Scavazza, de acordo com a Agência Minas.

Repercussão do Refis

Presidente da Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas), José Anchieta destaca que o Refis é importante, mas não suficiente.

“Não dá para não reconhecer que da parte do Estado, isso significa uma sinalização de boa vontade do governo Zema”, diz ele. “Mas isso é pouco, é insuficiente, isso tem que vir seguido de projetos de capitalização do comerciante, capitalização do industrial”, afirma ele.

Anchieta salienta que, como a pandemia da Covid-19 não vai terminar “no mês que vem”, outras medidas desse tipo também são necessárias.

“O Estado conceder benefícios para o empresário nessa hora não é um favor. É parceria. É exercício de sobrevivência: do empresário, do empregado e do próprio Estado. O Estado vive sem contribuinte? Não. O contribuinte descapitalizado é um contribuinte? É do ponto de vista nominal, mas não tem dinheiro para pagar o imposto”, destaca.

Consultor jurídico tributário e legislativo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Minas Gerais (Fecomércio MG), Marcelo Morais também salienta a importância dos Refis.

“Hoje, quando a gente fala da crise que as empresas estão vivendo, a gente está falando de uma coisa muito ampla. A questão do parcelamento do ICMS é uma das hipóteses de ajudar. Com certeza não é a única e nem tem de ser a que vai ajudar tudo, mas com certeza ela traz uma ajuda importante com relação a esse tributo que é, no caso dos tributos estaduais, o tributo mais importante”, diz ele.

Morais também salienta que o Refis é uma medida que a Fecomércio MG, em conjunto com várias outras entidades, por meio do Colégio de Representantes dos Contribuintes Mineiros, vem debatendo com o Estado desde o início da pandemia.

“Entendemos que é uma medida muito importante, mas que não é única. A gente sabe que hoje as empresas possuem diversas obrigações. Com relação ao ICMS, é uma medida que, sim, pode auxiliar muito as empresas”, afirma ele.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!