Setor de construção vê aceleração em demanda por mão de obra a partir do 2º semestre

Até 2025 número de trabalhadores no setor pode chegar a 3 milhões com carteira assinada

24 de janeiro de 2024 às 11h23

img
Crédito: Gabriel Araujo/Reuters

O setor de construção no Brasil deve ter alta significativa na demanda por trabalhadores a partir do segundo semestre, com o impulso de novos projetos orçados pelo governo para 2024, disse o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), Renato Correia.

“A gente já está vivenciando essa dificuldade de contratação de mão de obra há algum tempo e o incremento de mais recursos, seja na infraestrutura ou na própria habitação, nos traz uma preocupação” com relação à escassez de trabalhadores, afirmou Correia em entrevista à Reuters.

Com uma agenda de investimentos robustos planejados para os próximos anos, especialmente nos setores de habitação e infraestrutura, “a partir do segundo semestre, acho que já podemos ter um pouco mais de pressão (de mão de obra)”, disse.

As construtoras têm se preparado para um cenário de maior demanda por trabalhadores, capacitando funcionários, antecipando contratações, mirando a industrialização e até mesmo incentivando maior ingresso de mulheres no setor.

De acordo com dados mais recentes do Caged, o setor da construção encerrou novembro com 2,66 milhões de trabalhadores com carteira assinada. Correia estima que esse número possa chegar a 3 milhões entre o fim deste ano e início de 2025.

Para a estimativa, o presidente da Cbic considerou o incremento de 30% nos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), previsto no orçamento de 2024, uma reserva de R$13,7 bilhões para a faixa 1 do programa habitacional Minha Casa Minha Vida e os investimentos para obras de infraestrutura do novo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

“É uma expectativa possível… nós já chegamos a 3,7 milhões (de trabalhadores) em 2011, 2012, aproximadamente”, disse Correia. “A gente entende que é um teto possível de se atingir mais para o final de 2024, início de 2025, porque a aplicação desse recurso também não acontece de imediato agora no início do ano.”

O Conselho Curador do FGTS aprovou um orçamento de R$117,65 bilhões para políticas públicas de habitação, saneamento básico e infraestrutura urbana em 2024, mantendo esse orçamento para 2025, 2026 e 2027, em comparação com os R$96,96 bilhões do ano anterior.

A diretriz a ser seguida pelo setor envolve agora buscar mais mecanização, a inserção de novos funcionários no mercado, como o público feminino, e transformar “um serviço pesado em um serviço mais leve” por meio da industrialização, disse Correia.

“Com isso a gente (pode) melhorar até a questão da remuneração e atrair mais entrantes, para que no futuro a gente não sofra mais ainda com a questão da falta de mão de obra.”

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail