COTAÇÃO DE 19/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5930

VENDA: R$5,5940

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,7770

EURO

COMPRA: R$6,4569

VENDA: R$6,4588

OURO NY

U$1.768,97

OURO BM&F (g)

R$315,96 (g)

BOVESPA

-3,28

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Setor de produtos de limpeza estima um crescimento de 3% neste ano

COMPARTILHE

Minas Gerais é o segundo maior mercado de produtos de limpeza no País e conta com 700 fábricas | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

Quando a pandemia da Covid-19 teve início no País, a indústria de produtos de limpeza logo viu seus números subirem. De janeiro a julho do ano passado, o setor cresceu 5,9%, impulsionado pela comercialização de itens como água sanitária, desinfetante e sabão em barra.

No entanto, com o passar do tempo e os desafios, os números começaram a cair e o segmento fechou 2020 com estabilidade. O ano de 2021, porém, não deve repetir esse mesmo cenário, pelo contrário. As perspectivas são de expansão.

PUBLICIDADE

A Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional (Abipla) planeja um avanço de 3% para este ano, em meio ao retorno de várias atividades econômicas e à própria mudança de comportamento do consumidor.

A notícia é boa para Minas Gerais. Diretor-executivo da Abipla, Paulo Engler destaca que o Estado é o segundo maior mercado de produtos de limpeza do Brasil. São cerca de 700 fábricas do setor. “Minas Gerais tem uma tradição. É o segundo maior mercado e é crescente”, salienta Engler.

Nesse cenário de boas perspectivas, as circunstâncias promissoras para o segmento podem ser vistas nas mais diferentes frentes.

Engler salienta que, a não ser que a pandemia da Covid-19 se intensifique mais, as expectativas são de que haja um retorno mais consistente ao trabalho presencial, com bares, restaurantes, entre outros, de portas abertas. Ele lembra, ainda, a volta às aulas presenciais. “Isso movimenta nosso produto profissional”, diz.

Além disso, o próprio consumidor já não é mais o mesmo. O diretor-executivo da Abipla ressalta que há uma preocupação ainda maior com a higienização – um reflexo da pandemia e da intensificação desse tipo de hábito.

“Já temos verificado novos entrantes no mercado, algum aumento de produção. Não estamos vendo fechamentos de fábricas e nem demissões”, diz ele.

Desafios – Para chegar até aqui, porém, a indústria de produtos de limpeza passou por vários desafios ao longo de 2020. Engler conta que o ano passado pode ser comparado a uma montanha russa.

Se no começo da pandemia houve uma corrida por produtos de limpeza, aos poucos isso foi mudando. O valor do auxílio emergencial, medida do governo para pessoas de baixa ou nenhuma renda, diminuiu no fim de 2020, o que contribuiu para que as vendas também fossem menores.

Além da questão da demanda, diz Engler, as indústrias do setor se viram em meio à falta de algumas embalagens e diante de um custo de matéria-prima mais elevado. “Tivemos falta de embalagem e sem embalagem o produto não sai”, ressalta.

Apesar dos entraves, a situação já está se modificando. Engler salienta que o cenário está voltando ao normal. “Compras futuras estão sendo confirmadas”, conta ele.

Além disso, pontua, a matéria-prima não aumentou mais de preço. “O preço estabilizou, em alguns casos caiu. Estamos projetando mais um dimensionamento para baixo a partir de março”, diz.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!