Lítio é insumo para a produção de baterias de veículos elétricos | Crédito: Pixabay

A Sigma Mineração fechou contrato de financiamento de US$ 45 milhões com o banco Société Générale para a implantação e operação do projeto de lítio Grota do Cirilo, no Vale do Jequitinhonha.

O montante se somará aos US$ 27 milhões obtidos pela venda antecipada para a japonesa Mitsui, além do capital de US$ 10 milhões para reforçar o capital da empresa. A estimativa é que a construção da unidade consuma US$ 74 milhões.

As informações são de Ana Cabral, membro do Conselho de Administração da Sigma. Segundo ela, o início das obras está previsto para agosto – com um ciclo de quatro meses de pré-construção, validação de orçamentos e engenharia detalhada – para, entre novembro e dezembro, começar, de fato a mobilização em larga escala. Já o primeiro embarque comercial está previsto para dezembro de 2021.

O contrato com o Société Générale é para um período de cinco anos, com dois anos de carência e uma taxa Libor mais 5%, caindo para Libor mais 4.5% após a conclusão do projeto.

E, segundo a executiva, as boas condições para o financiamento foram obtidas graças ao selo de melhores práticas ambientais, sociais e de governança (ESG) da operação, que utilizará energia limpa, tem projeto de reflorestamento, reutilizará 90% a água e terá processo e empilhamento de rejeitos a seco.

“Este contrato é, na verdade, uma validação do nosso projeto e significa também, uma mudança de paradigma para a mineração no Brasil. É uma maneira de mostrar que é possível fazer mineração de forma sustentável e com projetos verdes, inclusive em Minas Gerais. Além disso, pode indicar a trilha para outras empresas do setor que desenvolvam projetos com características semelhantes e técnicas avançadas de gestão ambiental em benefícios práticos”, explicou.

Ana Cabral completou que o projeto introduzirá o Brasil e Minas Gerais num mercado promissor e de alto valor agregado, o de fabricação de baterias de lítio para veículos elétricos, e no armazenamento de energia limpa, das usinas eólicas e solares.
As minas da Sigma em Itinga, entre elas a principal reserva, batizada de Xuxa, estão localizadas na região conhecida como Grota do Cirilo e são consideradas reservas de classe mundial.

O financiamento diz respeito à primeira fase do projeto e prevê a produção de 220 mil toneladas de concentrado de lítio grau bateria ao ano, a partir das minas localizadas nos municípios de Itinga e Araçuaí, e planta em Itinga, no Jequitinhonha.

A planta inicial vai produzir 220 mil toneladas de concentrado de lítio/ano. Já a segunda etapa vai elevar a produção em mais 220 mil toneladas anuais, com os investimentos sendo realizados em 2022 e início das operações em 2023.

Conforme já publicado, todo o planejamento está sendo feito com cuidado e em alinhamento com o mercado de veículos elétricos e consumidor de baterias para armazenamento de carga, já que o óxido de lítio é uma das principais matérias-primas para o setor.