S&P: nota está com “tendência de baixa”

Prestadores de serviços e fornecedores da hidrelétrica binacional estão com pagamentos atrasados neste início de janeiro, de ambos os lados da fronteira

22 de janeiro de 2024 às 23h15

img
Itaipu Binacional está com nota “sob observação” depois de impasse entre Brasil e Paraguai | Crédito: Adobe Stock

São Paulo – A S&P Global Ratings colocou a nota de Itaipu Binacional sob observação, com tendência de rebaixamento ontem. No jargão do segmento, Itaipu agora se encontra em creditwatch negativo.

Em nota, a agência afirmou que a possível revisão da nota reflete o impasse entre Brasil e Paraguai na definição da tarifa de energia, que travou o orçamento de 2024 e está atrasando pagamentos. No limite, a agência teme que a demora na realização de um acordo possa prejudicar as operações da empresa.

Conforme foi antecipado pela Folha de S.Paulo, prestadores de serviços e fornecedores da hidrelétrica binacional de Itaipu estão com pagamentos atrasados neste início de janeiro, dos dois lados da fronteira.

Não houve o pagamento antecipado do 13º salários, que está previsto em acordo com o sindicato e também não há garantia de que os salários serão pagos no próximo dia 25.

A S&P também atribuiu nova avaliação sobre riscos de crédito associados à estrutura de administração e governança da empresa, que passou a ser considerada moderadamente negativa. “O creditwatch reflete a possibilidade de um rebaixamento caso uma possível renegociação dos termos do Anexo C afetem a estabilidade dos fluxos de caixa da empresa”, destacou a S&P.

Segundo a agência, Itaipu não tem risco de liquidez e sua nota crédito atualmente é ‘brAAA’ na Escala Nacional Brasil, um patamar confortável. Três A são atribuídos a empresas sólidas, capazes de cumprir com folga suas obrigações financeiras.

A nota reflete, por exemplo, que a usina tinha em caixa US$ 686 milhões em 30 de setembro de 2023 e havia quitado o financiamento contraído para a sua construção.

No entanto, o bloqueio das contas orçamentárias depende de uma negociação bem-sucedida entre seus controladores e a negociação não tem evoluído com agilidade.

No dia 15, após reunião com o presidente paraguaio, Santiago Peña, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que há divergências sobre a tarifa de Itaipu. O presidente brasileiro defendeu ainda a revisão do acordo com o país vizinho sobre a gestão da empresa binacional.

De acordo com a agência, além de os presidentes do Brasil e do Paraguai não terem chegado a acordo, “há a discussão acerca da revisão do Anexo C do Tratado, que determina os termos comerciais de critérios de precificação da energia comercializada por Itaipu, o que também pode ser debatido pelos governos do Brasil e do Paraguai”.

Tudo em Itaipu depende de autorização mútua dos dois sócios. O Paraguai se recusa a aprovar o orçamento de 2024 enquanto não houver definição sobre a tarifa deste ano. Enquanto o Brasil sinalizou o valor de US$ 16,71 por kW (kilowatt), o Paraguai deseja um aumento acima desse patamar.

Pelo tratado firmado entre os dois países, a tarifa de Itaipu não é negociada. O valor deve corresponder ao necessário para cobrir as despesas do chamado Cuse (Custo Unitário dos Serviços de Eletricidade).

A partir da gestão do almirante Anatalicio Risden Junior, no governo de Jair Bolsonaro (PL), o discurso oficial passou a ventilar a ideia de que a tarifa de Itaipu seria fruto de negociação entre os dois países.

Essa versão foi reforçada pela atual gestão de Enio Verri, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O novo presidente do Paraguai, Santiago Peña, do Partido Colorado, criou um impasse político a partir dessa narrativa. (Alexa Salomão)

Tags: ,
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail