Vale cria Agera para ampliar produção de areia sustentável

Com aposta, companhia busca estratégia de promover a mineração circular para atender sete segmentos produtivos

17 de outubro de 2023 às 16h16

img
Pátio de estocagem de areia na mina de Brucutu, localizada na cidade mineira de São Gonçalo do Rio Abaixo | Crédito: Vale/Divulgação

A Vale anuncia o lançamento da Agera, empresa do grupo dedicada à produção de areia sustentável proveniente do tratamento dos rejeitos gerados pelas operações de minério de ferro da companhia.

Segundo a empresa, desde o início da produção em 2021, cerca de 900 mil toneladas de areia sustentável já foram destinadas à construção civil e projetos de pavimentação rodoviária. A expectativa com a criação da Agera é de que este volume ultrapasse 1 milhão de toneladas nesta reta final de 2023, e que chegue a 2,1 milhões em 2024.

“Criamos a Agera com o objetivo de escalar um negócio que está nos ajudando a reduzir o uso de barragens e pilhas em Minas Gerais, além de contribuir para substituir a areia natural, que muitas vezes é extraída de forma predatória do leito dos rios”, informa o diretor de Negócios da Vale, Fabiano Carvalho Filho.

Economia circular é estratégia da companhia

Segundo o executivo, o lançamento está fortemente ligado à estratégia de promover a mineração circular. “Isso significa fortalecer na mineração os conceitos da economia circular, de associar o desenvolvimento econômico a um melhor aproveitamento dos recursos naturais”, explica.

Atualmente, a Agera conta com pontos de atendimento ao cliente e estoque em Minas Gerais e no Espírito Santo, e também de parcerias com transportadoras rodoviárias e fornecedores de frete ferroviário. Em números, a empresa já atende 80 unidades fabris de sete segmentos produtivos e está investindo em pesquisa para expandir sua atuação em outras aplicações, como cerâmica vermelha.

Recentemente, testes em laboratório indicaram um aumento de cerca de 50% na vida útil de malhas rodoviárias e uma redução de custos de até 20% em comparação com materiais convencionais. Cada quilômetro de pavimento pode consumir até 7 mil toneladas de rejeito. Os testes estão sendo realizados em uma estrada de 425 metros em Itabira, na região Central do Estado.

“Estamos estruturados para acelerar o desenvolvimento de produtos e materiais sustentáveis, atendendo às especificidades que o mercado exige. Além disso, nossas soluções logísticas permitem uma eficiência de ponta a ponta para garantir a agilidade no fornecimento da areia sustentável”, diz o CEO da Agera, Fábio Cerqueira.

Saiba mais sobre a areia sustentável

Cerqueira pontua que a areia sustentável também é produzida a partir do processamento a úmido do minério de ferro, gerando rejeitos compostos de sílica e óxidos de ferro. Esse material, no entanto, é submetido apenas a processos físicos, sendo não tóxico.

“A produção da areia sustentável contribui para mitigar problemas ambientais, como a extração predatória de areia e a geração de rejeitos de mineração. Seu uso na construção civil e nas indústrias oferece benefícios como maior controle e qualidade do produto final, evitando desperdícios e refações durante as obras”, afirma o CEO.

Desde a retomada da pandemia, a areia é produzida na mina de Brucutu, em São Gonçalo do Rio Abaixo, na região Central. Já no ano passado, a empresa começou a produzir em pequena escala na mina de Viga, em Congonhas. Contudo, a expectativa é que a mina de Cauê, em Itabira também passe a iniciar a produção do insumo no Estado como forma de ampliação da produção em escala industrial.

Tags: ,
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail