COTAÇÃO DE 17/01/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5260

VENDA: R$5,5270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5470

VENDA: R$5,6800

EURO

COMPRA: R$6,2770

VENDA: R$6,2799

OURO NY

U$1.819,25

OURO BM&F (g)

R$321,94 (g)

BOVESPA

-0,52

POUPANÇA

0,5751%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque
" "
Crédito: Mirna de Moura/TJMG

A Vale foi condenada a pagar indenização por dano moral no valor de R$ 8.125.000 para cinco integrantes de uma família que perdeu parentes próximos durante o rompimento da barragem de rejeito no distrito de Córrego do Feijão, em Brumadinho.

sentença é do juiz Rodrigo Heleno Chaves, da 2ª Vara Cível, Criminal e de Execuções Penais da Comarca de Brumadinho, em ação proposta por Liliana de Lourdes Zelante Ribeiro da Silva, Fernanda Maria Ribeiro da Silva, Mariana de Souza Dias Soares, Renato de Souza Dias e Daniel de Souza Dias.

PUBLICIDADE




Eles perderam os parentes Adriano Ribeiro da Silva, e seus filhos Camila e Luiz Talibert Ribeiro da Silva na tragédia que aconteceu em janeiro deste ano, matou 250 pessoas e deixou duas dezenas desaparecidas.

Liliana pede reparação por dano moral pela morte de seu filho Adriano e netos Camila e Luiz, além da gravidez de 19 semanas da nora Fernanda Damian de Almeida, que também morreu em razão do desastre. Fernanda reclama também pela morte do irmão e sobrinhos e, por sua vez, Marina, Renato e Daniel, pela perda do tio e dos primos.

Na sentença, o juiz afirma que a “ré não nega a sua responsabilidade sobre os fatos” e, portanto, “sua responsabilidade pela reparação dos danos causados aos autores é fato incontroverso nos autos”.

“É incontestável o abalo moral por uma mãe que tem o filho e seus dois netos mortos em razão da tragédia de que ora se trata, causada pela ré”, conclui.




A primeira sentença contra a mineradora foi em setembro passado, quando a Vale foi condenada a pagar R$ 1,875 milhão aos familiares de dois irmãos e uma grávida. Os valores foram destinados à mãe dos irmãos e também aos pais da mulher vítima da lama, que tomou conta de uma pousada onde a família passava o fim de semana. A decisão também é do juiz Rodrigo Chaves.

A Vale ainda pode recorrer das decisões a instâncias superiores da Justiça.

(Com informações do TJMG)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!