Crédito: REUTERS/Washington Alves

A produção de minério de ferro da Vale em terras mineiras atingiu 19,1 milhões de toneladas no primeiro trimestre de 2020. O volume é 39% inferior ao registrado no mesmo intervalo do ano passado, quando o total produzido nos complexos da companhia no Estado somaram 31,3 milhões de toneladas.

Sobre o último trimestre de 2019, quando a produção somou 26,9 milhões de toneladas o recuo foi de 29%.

Apenas no Sistema Sudeste, que compreende as minas de Itabira, Minas Centrais e Mariana, a companhia produziu 11,8 milhões de toneladas do insumo siderúrgico no acumulado entre janeiro e março deste ano, baixa de 39,8% na comparação com os mesmos meses do exercício passado (19,5 milhões). Em relação ao trimestre anterior (17 milhões) o recuo foi de 30,7%.

De acordo com a companhia, o volume menor observado no primeiro trimestre de 2020 ocorreu, principalmente, como resultado da suspensão da disposição de rejeitos nas barragens Norte/Laranjeiras e Itabiruçu, impactando os sites de Brucutu e Conceição, respectivamente, e como resultado de manutenções não programadas no site de Cauê e da parada da mina de Fazendão, no final de fevereiro, devido ao esgotamento da frente de lavra licenciada.

Neste sentido, a empresa informou no relatório que as usinas de Conceição utilizam filtragem de rejeitos e disposição de rejeitos nas cavas de Onça e Periquito como alternativa de curto prazo para a parada de Itabiruçu. Essas alternativas foram ampliadas, impactando a produção de Conceição, que deverá apresentar melhorias no segundo trimestre.

Já no Sistema Sul, que compreende as minas de Paraopeba e Vargem Grande, a Vale produziu 7,3 milhões de toneladas do insumo siderúrgico entre janeiro e março, 37,5% a menos do que as 11,7 milhões de toneladas produzidas em iguais meses de 2019.

Sobre os últimos meses do ano anterior (9,9 milhões) o recuo foi 26,3%.
Conforme a Vale, o resultado se deu principalmente devido a menores compras de terceiros e restrições de produção em Mutuca – pontos já considerados no plano de produção.

Coronavírus – Quanto as 59,6 milhões de toneladas de minério de ferro produzidas pela Vale no primeiro trimestre no País, a companhia relatou que, em geral, houve impacto limitado da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no decorrer do período Sobre isso, a empresa citou que interrompeu temporariamente as operações no Terminal Marítimo de Teluk Rubiah, na Malásia, sem impacto na produção.

Já para o futuro, conforme a Vale, o impacto da pandemia nas operações poderá ser mais significativo, principalmente pelo aumento da suspensão em seus sites de produção, caso haja uma escalada de contágio nas localidades em que opera; ou em razão de restrições potencialmente mais severas, impostas pelas autoridades para combater o avanço da doença, que podem restringir o contingente mínimo de mão-de-obra.

“Futuramente, o absenteísmo nos Sistemas Sul e Sudeste, relacionados à pandemia do Covid-19, pode ser mitigado por meio do uso de excesso de pessoal das minas ociosas em Minas Gerais”, disse no relatório.

Projeções – Com isso, a mineradora revisou seu guidance de produção de finos de minério de ferro em 2020, passando de 340 milhões de toneladas a 355 milhões de toneladas para algo entre 310 milhões de toneladas e 330 milhões de toneladas.

Por fim, a companhia admitiu que o volume de vendas em 2020 também poderá mudar de acordo com as condições de mercado e a estratégia de margem sobre o volume, priorizando produtos blendados em seu portfólio e a reposição de estoques em 2020, conforme necessário.