COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6890

VENDA: R$5,6900

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7130

VENDA: R$5,6900

EURO

COMPRA: R$6,4094

VENDA: R$6,4123

OURO NY

U$1.779,64

OURO BM&F (g)

R$325,16 (g)

BOVESPA

+1,70

POUPANÇA

0,4572%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Juntos Por Minas Juntos por Minas

Escassez hídrica pode inviabilizar indústrias com o custo de energia

COMPARTILHE

pexels-photo-320621
Crédito: Pexels

A escassez hídrica, que reduz fortemente a geração das hidrelétricas e impõe a utilização das termoelétricas, muito mais caras, aumenta substancialmente a conta de energia de consumidores pessoas físicas e também da indústria, reduzindo drasticamente a competitividade do setor.

Por isso, iniciativas como produzir a própria energia e a adesão ao programa de redução voluntária são defendidas por especialistas. Com a medida, o governo federal espera reduzir em 1,41% a demanda por energia elétrica no País, a um custo médio de R$ 339 milhões por mês, sendo R$ 1,3 bilhão no período de quatro meses.

PUBLICIDADE

Na verdade, mais do que um insumo essencial, a energia é estratégica para o crescimento econômico e estrutural do País. A indústria brasileira poderia estar em outro patamar caso a energia fosse tratada da maneira correta.

De acordo com a bandeira tarifária acionada em razão da escassez hídrica, por sua vez, o consumidor domiciliar vai pagar mais caro pela energia que utiliza, pelo menos até abril de 2022. Entre dezembro de 2020 e agosto de 2021, a bandeira tarifária saiu do verde, em que não há cobrança adicional, e avançou até a cor vermelha no patamar dois, a mais cara do sistema. E agora, em setembro, o consumidor foi condenado a subir mais um degrau na escalada dos preços da energia pelo menos até abril de 2022.

Confira tudo isso e muito mais em mais uma reportagem com o tema “Água” do projeto #JuntosPorMinas, do DIÁRIO DO COMÉRCIO. Por meio do #JuntosPorMinas, o DC propõe discutir grandes temas do interesse de Minas Gerais. Tratam-se de desafios e gargalos que precisam ser transformados em oportunidades de crescimento, inclusão e transformação social.

Algumas atividades podem ser inviabilizadas

Mais do que onerar a produção de energia e fazer a indústria perder competitividade, a maior crise hídrica já registrada no País, em quase um século, pode também inviabilizar diversas atividades industriais que têm maior dependência do insumo energia. Setores importantes e estratégicos podem ser afetados, como ferroligas, alumínio e gases, onde esse custo pode atingir 70% do valor final do produto. Em média, o custo da energia é de 20% do valor final do produto industrial.

A avaliação é da assessora de Energia da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Tânia Santos. Como solução para as empresas, ela explica que, como o problema é a falta de condições para gerar energia hidrelétrica, a própria indústria pode passar a produzir a energia de que precisa.

“Além de economizar, as empresas podem fornecer sobras eventuais para as concessionárias enfrentarem a crise. As concessionárias retribuem a energia recebida, da chamada geração distribuída, concedendo créditos na fatura de quem opta pela autoprodução”, afirma a especialista.

“Em qualquer situação, é preciso união e participação de todos para manter a produtividade e enfrentar a crise hídrica. Com uma redução compulsória no consumo de energia e a instabilidade no fornecimento, a tendência inicial é a indústria repassar esse custo extra de energia, que já está nas alturas, ao restante da cadeia, encarecendo ainda mais a produção”, disse Tânia.

A assessora da Fiemg explica que, numa situação mais severa de escassez hídrica, a indústria pode ser obrigada a paralisar suas atividades, consequentemente reduzindo a arrecadação, fechando postos de trabalho da cadeia produtiva, causando a falta de produtos para o consumo interno. Uma crise socioeconômica sem precedentes e nem perspectivas para a retomada da economia.

“O uso consciente da energia e da água, a adoção de medidas de economia por meio da eficiência energética e a adesão ao programa de Redução Voluntária da Demanda de Energia, criado pelo Ministério de Minas e Energia, e também a mudança dos turnos de produção para horários em que o sistema está menos sobrecarregado são medidas eficientes nesse momento. Além disso, o programa prevê bonificações para o industrial que aderir ao programa”, afirma.

Para a especialista, muito mais do que um insumo essencial, a energia passou a ser estratégica para o crescimento econômico, ambiental e estrutural de qualquer país. Ela diz que o primeiro passo para que o Brasil use o seu potencial energético para um crescimento sustentável é a desoneração do insumo energia.

“A indústria brasileira poderia estar em outro patamar, caso a energia fosse tratada da maneira correta. O crescimento econômico e competitivo nos âmbitos interno e externo do Brasil, e de qualquer país, passa pela mudança do modelo energético”, afirma.

Redução voluntária – O Ministério de Minas e Energia espera reduzir em 1,41% a demanda por energia elétrica no País, a um custo médio de R$ 339 milhões por mês e R$ 1,3 bilhão no período de quatro meses. As empresas que optarem por participar do programa de redução voluntária da demanda deverão propor períodos nos quais se dispõem a economizar um mínimo de 5 MW de energia a cada hora, por intervalos de quatro a sete horas por dia. Em troca, essas empresas receberão compensação financeira pelo racionamento voluntário.

A ideia é deslocar o consumo de grandes consumidores, aliviando os horários de pico e colaborando, assim, para o barateamento da energia, sem a necessidade de ampliar ainda mais a eletricidade gerada por térmicas.

O programa também estende a bonificação pela redução voluntária do consumo para pequenos consumidores, como os residenciais. O bônus será de R$ 50 por 100 kWh reduzidos no consumo (ou R$ 0,50 por kWh), limitado à faixa de economia entre 10% e 20%.

Com isso, como o programa vai até dezembro deste ano, podendo ser prorrogado, a redução no consumo será conferida a partir da comparação da média de consumo do último quadrimestre de 2020, com mesmo período de 2021. O bônus será pago ao consumidor em janeiro de 2022.

Disponibilidade de energia é fator estratégico para o crescimento econômico do País | Crédito: Ueslei Marcelino/Reuters

Governo aposta em bandeira tarifária

A bandeira tarifária criada em razão da escassez hídrica elevou ainda mais o preço da energia, deixando ainda mais salgada a conta das medidas adotadas pelo governo federal para evitar desabastecimentos para as empresas e consumidores domiciliares, pelo menos até abril de 2022.

Com a redução drástica do volume de água dos reservatórios, o atendimento à demanda precisou ser coberto por usinas térmicas, que têm um custo muito mais alto, o que vem fazendo a conta de luz do brasileiro subir a patamares inéditos.

Entre dezembro de 2020 e agosto de 2021, a bandeira tarifária saiu do verde, em que não há cobrança adicional, e avançou até a cor vermelha no patamar dois, a mais cara do sistema.

E agora, em setembro, o consumidor foi condenado a subir mais um degrau nesta escalada de preços. Com validade até abril do próximo ano, a nova bandeira adotada no mês adiciona R$ 14,20 à conta de energia a cada 100 kWh consumidos.

A quantia é 49,6% maior do que a cobrada anteriormente, de R$ 9,49, quando era aplicada a bandeira vermelha patamar dois, que já tinha sido reajustada com o objetivo de arcar com os custos da geração termelétrica, mas cuja arrecadação seguia insuficiente para bancar a energia produzida a partir da queima de combustíveis como gás, diesel e outros.

Apesar de provocar aumento substancial na conta de luz, o uso das usinas termelétricas não pode ser evitado, uma vez que é o modelo adotado pelo setor elétrico brasileiro para suprir disparidades entre oferta e demanda no País. Essas termoelétricas são contratadas para ficar de prontidão e permanecem desligadas até que o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) as acione para dar conta do consumo.

Gerir crise não compete à Arsae

A Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e Esgoto Sanitário de Minas Gerais (Arsae) não é responsável pelo volume de água disponível para captação no Estado. À agência não compete essa função. A atuação do órgão se restringe a criar as regras e as normas para essa captação. A agência ainda fiscaliza os serviços prestados à população pela Copasa e pela Copanor, braço da estatal responsável pelo saneamento de municípios das regiões Norte e Nordeste de Minas Gerais.

Segundo o diretor-geral da agência, Antônio Claret de Oliveira Júnior, nas áreas de atuação da Arsae, a demanda pela água deve ser descrita nos planos de saneamento local, que são feitos pelos próprios municípios. São os municípios os responsáveis por pesquisar e levantar a disponibilidade de seus recursos hídricos e planejar as metas de investimentos necessários para manter o abastecimento e evitar racionamentos.

“A agência regula e fiscaliza a prestação dos serviços. Não é sua responsabilidade os estudos sobre disponibilidade dos recursos hídricos e os diversos usos da água nos municípios”, afirma o executivo.

Claret lembra também que, além da normatização do abastecimento de água e de serviço de esgoto, a agência fiscaliza os serviços prestados pela Copasa e Copanor “de maneira plena e efetiva, para minimizar os impactos que podem ser causados pela escassez hídrica”.

Racionamento – Segundo o diretor-geral, a agência mantém ainda “resoluções específicas” visando a garantir a prestação dos serviços, além de regulamentações para evitar os problemas que surgem por causa da crise hídrica. Ele diz que a Arsae “acompanha diariamente” o racionamento de água nos municípios mineiros que tomaram a iniciativa.

“À medida que se consome mais água, maior é o preço do litro do produto para o consumidor. Essa regra incentiva o consumo racional, uma vez que a fatura se torna cada vez mais alta, quando se consome mais”, afirma o diretor-geral da Arsae.

Segundo Claret, uma das principais iniciativas da agência para minimizar a gravidade da questão hídrica é garantir que 0,5% das receitas obtidas nas faturas da Copasa e Copanor sejam investidas no programa que financia ações de proteção de mananciais em 238 municípios do Estado.

 “O programa de mananciais busca melhorar a quantidade e a qualidade da água ofertada pela Copasa e Copanor. Em 2020, foram gastos R$ 11 milhões no programa”, diz.

*Especial para o DC
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!