COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus livre Negócios
A venda dos itens relacionados à saúde, como o álcool gel, mostra a preocupação dos brasileiros nesse período | Crédito: Divulgação

O medo do coronavírus tem provocado impacto financeiro significativo: a queda expressiva nos níveis da bolsa brasileira e a redução da projeção para o PIB deste ano são apenas alguns dos fatores divulgados recentemente.

A epidemia global é apontada como uma das razões para a queda significativa do e-commerce durante o mês de fevereiro, mostra um levantamento do Compre&Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce.

PUBLICIDADE

De acordo com as informações levantadas pela companhia, no período de 1º a 19 de fevereiro foram realizados 10,1 milhões de pedidos no varejo on-line, valor que representa queda de 7,7% em relação ao período anterior à divulgação da doença (de 4 a 22 de janeiro, de acordo com o levantamento).

Nos dias analisados de fevereiro, o faturamento do setor foi de R$ 4,1 bilhões, queda de 5,2% em relação ao mesmo período de janeiro.

“O coronavírus tem influenciado diferentes setores e, no e-commerce, o anúncio da doença colabora para traçar o panorama de queda nas vendas no período. Com consumidores mais cautelosos durante o mês, houve redução significativa em pedidos e faturamento”, destaca o diretor executivo do Compre&Confie, André Dias.

Apesar da redução, o prazo de entrega praticamente não sofreu alteração durante o período analisado: passou de 8,9 dias em janeiro para 8,2 em fevereiro.

Por outro lado, a preocupação dos brasileiros com a saúde puxou para cima as vendas de itens desse setor. De acordo com o levantamento do Compre &Confie, nebulizadores e inaladores registraram aumento de 177,5% nas vendas em relação a janeiro e as vendas de gel antisséptico tiveram incremento de 165% no período.

“A venda dos itens relacionados à saúde mostra a preocupação dos brasileiros nesse período. A importância da prevenção e de manter a saúde em dia especialmente com as variações de temperatura pelas quais o Sudeste vem passando reforçam essa tendência”, destaca André Dias.

Os segmentos que apresentaram queda mais significativa em número de pedidos durante o mês de fevereiro foram: Câmeras, Filmadoras e Drones (redução de 42,3% em relação a janeiro), Papelaria (-30,5%) e Games (-30%). Outras categorias que apresentaram considerável queda foram: Eletrônicos (-19,4%), Suplementos e Vitaminas (-14,7%) e Brinquedos (-13,1%).

A categoria de Moda e Acessórios, carro-chefe de volume de vendas pela internet, apresentou queda de 10,9% no período. “Registramos uma queda menos representativa para itens que possuem maior influência da produção nacional.

Já categorias que dependem de componentes da China e outros países como, por exemplo, eletrônicos, podem estar relacionadas com o receio em consumir em adquirir produtos de países com maior incidência de casos do vírus”, afirma André Dias. (Da Redação)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!