Mineiridade: Livraria Leitura tem maior número de lojas no País

E-commerce da livraria e papelaria Leitura lançou empresa na vanguarda das vendas on-lines e digitais em Minas Gerais

19 de janeiro de 2023 às 0h30

img
As lojas da Leitura, perto da 100ª unidade, são mais do que pontos de vendas, são centros de cultura e entretenimento | Crédito: Divulgação/Leitura

Com mais de 55 anos de história, a Livraria Leitura, mineira de Belo Horizonte, é hoje a maior rede de livrarias do País em número de lojas. Uma empresa familiar que perdura por décadas no turbulento mercado editorial brasileiro, talvez um dos primeiros a sentir os efeitos da transformação digital, mesmo quando ela ainda não significava uma revolução. No início dos anos 2010, período em que poucas atividades comerciais se rendiam à internet, o e-commerce já rondava o setor, e a companhia estava na vanguarda.

O negócio teve início em 1967 na Galeria Ouvidor, tradicional ponto do hipercentro da Capital, e tinha o foco na venda de livros usados. Era a “Livraria Lê” que, aos poucos foi tomando corpo e ganhou sua primeira filial em 1980, ainda em Belo Horizonte. A diferença para a matriz era que essa vendia também artigos de papelaria. Em 2000, a empresa inaugurou a primeira filial fora do Estado, chegando a Brasília.

Os anos foram passando e a Leitura tornou-se nacional. Também deixou de ser “apenas” uma livraria ou papelaria, ao comercializar materiais escolares, de escritório, itens de papelaria, de informática, presentes e muito mais. A empresa foi uma das primeiras do Brasil a adotar o conceito megastore, que consiste em lojas acima de mil metros quadrados e grande variedade de produtos de cultura e entretenimento.

A rede tem atualmente 99 lojas distribuídas em 22 estados e conta ainda com a Leitura Distribuidora de Livros, o atacado de papelaria PLM, quatro lojas de departamento D+ Casa e Presentes e o site de vendas leitura.com.

As lojas são mais do que pontos de vendas. São centros de cultura e entretenimento e contam com uma enorme variedade de produtos, passando os 60 mil itens entre livros, revistas, filmes, música, games, informática, papelaria, jogos e presentes. Há ainda espaços de entretenimento como cafés, ambientes para leitura, sessões de autógrafos e eventos culturais.

“Leitura é muito mais que uma livraria” – é o slogan da empresa e também o motivo que a traz à edição desta semana da série Mineiridade. A série do DIÁRIO DO COMÉRCIO conta histórias e apresenta negócios originalmente mineiros que, além de terem dado certo, geram emprego, renda e movimentam a economia do Estado e do País.

Longevidade da livraria tem a ver com a gestão

O gerente-geral da rede, Oberdan Braz, atribui a longevidade da Leitura à gestão, que alia capacidade de transformar informação em tomada de decisão, resiliência e multidisciplinaridade. Segundo ele, o presidente Marcus Teles está na empresa desde os 13 anos, acompanhou todas as transformações, desafios e oportunidades do negócio e se tornou um excepcional empreendedor.

A estratégia, conforme Braz, também diz respeito a não negligenciar o lucro. “A Leitura é uma empresa que sabe que para ter perenidade não se pode perder dinheiro. Por isso atravessou diferentes cenários políticos, econômicos, sociais e a recente pandemia. É ganhar dinheiro hoje e fazer melhor amanhã. Não dá para manter loja aberta sem resultado”, diz.

Prova disso é que, se no período recente a empresa abriu dezenas de lojas, ao mesmo tempo, fechou 10 – sempre por falta de números satisfatórios. “É importante saber recalcular a rota”, completa o executivo.

A Leitura, com mais de 55 anos de história, foi uma das primeiras do Brasil a adotar o conceito megastore | Crédito: Alisson J. Silva

Funcionários que se tornam sócios e expansão territorial

Outra estratégia da Leitura diz respeito à descentralização, tanto territorial, com lojas fora do eixo Rio-São Paulo, quanto de administração. Entre os mais de 70 sócios da empresa, muitos ingressaram como funcionários. O clima organizacional também é outro diferencial. “A motivação ocorre pelo exemplo e não apenas pelas palavras”, revela Braz.

Também por esses diferenciais de planejamento e gestão, enquanto gigantes do mercado editorial brasileiro, como a Saraiva e a Cultura, enfrentaram grandes dificuldades financeiras nos últimos anos, fechando diversos pontos de vendas, a mineira abocanhou o espaço e tornou-se a maior rede do País.

Apenas em 2022, foram quatro lojas abertas. Em 2021, haviam sido 15. E para este exercício estão previstas pelo menos cinco – mas, possivelmente, alguma poderá ser fechada. O gerente-geral revela que essa estratégia depende muito de a Saraiva entregar loja ou não. Segundo ele, os shoppings bons já estão bem limitados e a loja de rua já deixou de ser interessante para o negócio de livrarias.

“No shopping a compra é por impulso. Há muitos anos, o forte eram as lojas de rua. Mas isso se inverteu, inclusive, pela questão da segurança e da disponibilidade de vagas de estacionamento”, comenta.

Enfim, sobre o comércio digital, Braz recorda que a Leitura também foi uma das primeiras livrarias do Brasil a lançar e-commerce. Em 2013, a empresa já tinha um canal de vendas virtual, mas identificou que, naquele momento, seguir com a plataforma não era a melhor estratégia, até porque, entre os concorrentes, estavam operações muito maiores. Foi então que a rede suspendeu o canal e trabalhou para aprimorá-lo nos anos seguintes, chegando a um novo modelo ideal em 2019. O que foi muito positivo, conforme o gerente geral, já que no ano seguinte, em função da pandemia de Covid-19, a livraria precisou concentrar as vendas no ambiente virtual.

Hoje, o site e o marketplace são a maior loja da Leitura, considerando cada operação isoladamente. Mas em termos de representatividade, o e-commerce ainda responde apenas por 5,5% dos negócios e o gestor não acredita que esse número vá crescer muito além, em virtude da concorrência com as grandes plataformas do setor, como Amazon, Mercado Livre e outros que trabalham com vendas genéricas.

“A gente sabe que o e-commerce chegou para ficar, mas não adianta pensar em superar os gigantes da área. O que podemos fazer é oferecer capilaridade ao nosso cliente. Se ele quiser comprar virtualmente e ir na loja retirar, é possível; se prefere comprar pessoalmente, também; e se quiser fazer a compra à distância e receber em casa, a Leitura também tem a opção”, conclui.

Icone whatsapp

O Diário do Comércio está no WhatsApp.
Clique aqui e receba os principais conteúdos!

Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail