Minha Casa, Minha Vida impulsiona otimismo do setor de construção em 2024

Maioria dos empresários (53,7%) do setor têm expectativas positivas para o ano

29 de janeiro de 2024 às 11h40

img
Crédito: Adobe Stock

São Paulo- O programa governamental Minha Casa, Minha Vida (MCMV) embala o otimismo do setor de construção em 2024, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas(FGV Ibre).

Dos empresários do setor entrevistados, 53,7% têm expectativas positivas para 2024.

De acordo com o estudo Sondagem da Construção de dezembro, o Minha Casa, Minha Vida “já começou a movimentar o mercado, impulsionando lançamentos e vendas nos últimos meses do ano, apontando uma retomada do ciclo que começava a enfraquecer. Entre as empresas de infraestrutura, há toda uma programação de investimentos que deve contribuir para que a atividade continue a crescer ao longo de 2024″.

O programa do governo federal subsidia compra de casa ou apartamento para famílias com renda até R$ 8.000 mensais, com taxas de juros mais baixas que a do mercado.

O Minha Casa, Minha Vida já foi um dos três motivos do crescimento dos lançamentos imobiliários no país no segundo semestre do ano passado, ao lado dos descontos oferecidos pelas construtoras e da evolução no segmento de alta renda. Na parte da infraestrutura, o aumento da demanda aconteceu por causa de investimentos privados e públicos, diz o FGV Ibre.

A pesquisa mostra que, entre os otimistas, 71% veem uma paisagem positiva para o setor, enquanto 30% acreditam em aumento de receitas em 2024 e 24,3% creem na melhoria do cenário macroeconômico.

A Sondagem da Construção é realizada mensalmente pelo FGV Ibre para reunir um conjunto de informações usados no monitoramento e antecipação de tendências econômicas do setor.

O otimismo na construção é, porém, inferior ao da média registrada entre os empresários da indústria, comércio e serviços (59,4%). É menor que o da indústria (66,9%) e serviços (58,5%), mas maior que o do comércio (50,6%).

Se 53,7% têm expectativas positivas, há 14,7% com visão pessimista de 2024 e 31,6% que não souberam responder.

Entre os que não acreditam em um bom ano, 85% atribuíram à descrença à incerteza ou à falta de confiança na política econômica do governo federal.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail