Mineira Metha Energia cresce 100% em 2020

31 de dezembro de 2020 às 0h17

img
Fechamos uma série de contratos para 2021, disse Soares | Crédito: Metha Energia / Divulgação

O ano que chega ao fim não trouxe apenas resultados ruins sob o ponto de vista econômico. Alguns setores e serviços encontraram oportunidades nas limitações impostas pela pandemia de Covid-19, que assolou o mundo inteiro, e vão encerrar 2020 com crescimento sobre 2019. Este é o caso, por exemplo, da startup mineira Metha Energia, comercializadora de créditos de energia sediada em Belo Horizonte, que dobrou de tamanho neste exercício.

De acordo com o sócio-fundador da Metha, Victor Soares, os últimos meses do ano foram intensos para a empresa, que, para 2021, prevê mais crescimento e expansão na área de atuação.

“Conseguimos fazer com que o ano terminasse de maneira positiva. Além disso, fechamos uma série de contratos para o ano que vem, que vão pautar a continuidade do crescimento observado em 2020”, afirmou.

Fundada em 2017, a startup está presente atualmente em 253 cidades mineiras e possui cerca de 30 mil clientes ativos. A perspectiva é atender mais de 100 mil clientes e atuar em pelo menos quatro estados até o fim do ano que vem. Apenas em Minas Gerais, a expectativa é triplicar o volume de clientes.

“Ainda não temos os estados definidos, mas com certeza estaremos nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. Além disso, estamos avaliando uma possível entrada no Nordeste também”, revelou.

Tamanho otimismo, conforme Soares, se deve às perspectivas de melhoria no cenário no decorrer de 2021. “Grandes quedas precedem recuperações iguais ou até maiores. Nossa expectativa e o que planejamos para o próximo exercício envolvem uma economia forte, com índices próximos ou até superiores aos do período pré-pandemia”, completou.

Na prática, a Metha Energia possibilita a economia de até 15% na conta de energia elétrica e acesso à energia sustentável, por meio de uma plataforma totalmente digital de geração distribuída, método de comercialização regulamentado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Para obter o benefício, o cliente não precisa comprar equipamentos extras nem alterar nada em sua instalação elétrica. Basta realizar o cadastro no site da Metha Energia e seguir o passo a passo para a adesão.

“Os clientes estão cada vez mais interessados em entender melhor o que consomem. Além de pagar mais barato, as pessoas querem saber porque estão pagando aquele valor, como é produzido aquele produto ou serviço e qual o impacto para o planeta. A Metha, assim como os serviços inovadores de hospedagem, transporte e bancos, oferece transparência, experiência 100% digital e poder de escolha aos clientes. Pela primeira vez no setor energético, o cliente tem oportunidade de pagar menos, entender como é composto o preço da energia e contribuir para a sustentabilidade do setor”, ressaltou.

A solução foi premiada em 2018 pelo Seed, programa de aceleração de startups do governo de Minas Gerais.

Na prática, a Metha Energia possibilita a economia de até 15% na conta de energia elétrica | Crédito: Metha Energia/Divulgação

EDP fará investimento na Blue Sol

A EDP, por meio da EDP Ventures Brasil, assinou acordo de investimento na Blue Sol Participações, detentora da Blue Sol Energia Solar, Blue Sol Franquia e Blue Sol Educacional, com o objetivo de adquirir participação de até 40% na empresa.

Criada em 2008, a Blue Sol opera no segmento de geração solar fotovoltaica destinado ao mercado B2C, através de um modelo de negócios que inclui franquias, e oferece soluções completas desde a concepção do projeto, fornecimento de equipamentos, instalação e trâmites documentais para viabilizar a conexão com a concessionária de energia local. A empresa conta com uma rede de 34 franquias distribuídas por 16 estados, atende todo o território nacional, e promove a capacitação de profissionais da área solar, já tendo treinado mais de 18 mil pessoas.

Outro foco da Blue Sol é a experiência do consumidor de energia solar e dos parceiros de negócios. Para simplificá-la, a empresa tem se dedicado estrategicamente à digitalização das informações e desenvolveu uma plataforma proprietária que auxilia no design de novos sistemas, desenvolvimento de propostas comerciais e acompanhamento dos projetos comercializados de forma autônoma.

Como resultado dessas iniciativas, em 2020, a Blue Sol vendeu projetos com mais de 17,5 MWp de potência. Com isso, totalizou 50 MWp em projetos comercializados nos segmentos empresarial, residencial e no agronegócio entre 2015 e 2020. A empresa busca, no curto prazo, aumentar expressivamente sua rede de parceiros e aproximar a energia solar fotovoltaica das tecnologias de monitoramento energético, armazenamento através de baterias de íon-lítio e carregamento de veículos elétricos, que atuam de forma complementar.

Com a concretização do negócio, a EDP busca obter maior capilaridade de vendas no segmento de energia solar B2C. “A energia solar tem um papel central na estratégia da EDP de liderar a transição energética no Brasil. Por esta razão, após consolidarmos a nossa posição como um fornecedor de referência entre os grandes clientes empresariais, esta nova aquisição marca o nosso claro objetivo de aumentar significativamente a presença no mercado B2C, levando a excelência pela qual somos reconhecidos também aos clientes residenciais e empresas de pequeno e médio portes e criando uma sólida plataforma de crescimento capaz de servir o cliente nas diferentes regiões do país”, afirma o vice-presidente de Estratégia e Novos Negócios da EDP Brasil, Carlos Andrade.

Para a Blue Sol, por sua vez, o investimento da EDP na empresa deve acelerar as projeções de crescimento e alavancar o processo de digitalização do negócio. “Temos convicção de que a entrada da EDP na Blue Sol trará um importante salto de crescimento para o nosso negócio. Alçaremos nossa expansão a um novo patamar e, com a aplicação de mais recursos nos processos de digitalização e logística, será possível potencializar a experiência do consumidor. Consequentemente, a cultura da geração de energia solar no ponto de consumo ganhará ainda mais relevância”, afirma o presidente da Blue Sol, Nelson Colaferro.

Mercado – A EDP encerra 2020 com 58,9 MWp em projetos de energia solar – 30,8 MWp em desenvolvimento e 28,1 MWp já instalados para clientes como Banco do Brasil, TIM, Claro, Globo, Johnson & Johnson, entre outros.  Nos próximos anos, a empresa seguirá ampliando investimentos na área por meio da EDP Smart, divisão que reúne o portfólio de soluções em energia do grupo.

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), em 2020 o Brasil ultrapassou a marca de 7,2 gigawatts (GW) de potência instalada na fonte solar fotovoltaica. Desde 2012, já foram investidos mais de R$ 36,5 bilhões no setor, que gerou mais de 219 mil novos empregos e arrecadação de R$ 10,4 bilhões em tributos. Desde então, a utilização desta fonte energética já evitou a emissão de mais de 1,1 milhão de toneladas de CO2 na atmosfera.

Na geração distribuída, o País possui 4,2 gigawatts de capacidade instalada, o que representa mais de R$ 15 bilhões em investimentos desde 2012, espalhados pelas cinco regiões nacionais. Já em geração solar centralizada, são quase 3,0 GW de potência instalada, o equivalente a 1,7% da matriz elétrica brasileira. Os investimentos totais previstos até 2025, referentes aos projetos já contratados em leilões de energia, ultrapassam R$ 25,8 bilhões.

Educação ambiental ganha força

A Aliança Geração de Energia, empresa brasileira com atuação no mercado de geração e comercialização de energia elétrica, desde o início do distanciamento social (adotado preventivamente contra o novo coronavírus) tem se empenhado em dar continuidade ao seu projeto de disseminar a cultura da educação ambiental para crianças e adolescentes.

Uma vez que as aulas presenciais foram paralisadas e, consequentemente, as visitas no Parque Botânico, em Aimorés, e ao Centro de Educação Ambiental na usina de Funil, em Perdões, a empresa encontrou na produção de vídeos, postados em suas redes sociais, a solução para que as escolas continuassem tendo este apoio na educação formal.

A ideia de gravar vídeos para as redes sociais, em uma resposta rápida ao novo cenário, surgiu com o intuito de continuar colaborando com o calendário nacional das escolas. Antes da pandemia, o Parque Botânico e o CEA Funil recebiam em média 7 mil visitas por ano de escolas da região de Aimorés, Resplendor, Baixo Guandu, Itueta, Colatina, entre outras. Já a usina de Funil, localizada no Sul de Minas, entre os municípios de Lavras e Perdões, recebia escolas de diversos municípios próximos como Lavras, Perdões, Bom Sucesso, Ijaci, Itumirim e Ibituruna. Em seis meses de trabalho remoto, os vídeos publicados nas redes já passam de 30 mil visualizações.

Produção – De acordo com a pedagoga Renata Oliveira, da equipe social da Aliança Energia, os vídeos têm o objetivo de educar mas também atrair atenção do público através do lúdico. “Foi a forma que encontramos para engajar nosso público neste trabalho. Produzimos dois vídeos por mês, um da Tia Rê e um da Tia Tati com temas do calendário ecológico como dia da água, dia do meio ambiente, dia da árvore e dia do rio.

Além deles, também falamos sobre combate à poluição, biodiversidade, ciência e cultura. Já foram ao ar 17 vídeos e até o final do ano chegaremos em 20 vídeos divididos em duas temporadas. Está sendo um grande desafio já que nosso trabalho era offline. Mas, ao mesmo tempo tem sido muito gratificante, uma vez que através desta oportunidade estamos levando a educação ambiental para muito mais pessoas”, afirma RenataOliveira.

A professora de Bioética e Ética dos cursos de graduação da Unilavras, Luciana Aparecida Oliveira, conta que achou a ideia dos vídeos incrível e que foram essenciais para a continuidade no ensino do tema, mesmo que remoto.

“Os vídeos possibilitaram, neste momento de pandemia, a continuidade de forma dinâmica, aliando informações e parte lúdica extremamente atraente ao público em geral. Um ponto fundamental foram os pais poderem interagir com seus filhos, uma vez que são educativos, criativos e de conteúdo apropriado às crianças, adolescentes e adultos também. Além disso, as atividades propostas nos vídeos fizeram com que a consciência e o comportamento ambiental viessem para dentro das casas. É um apoio para nós que tivemos que nos adaptar à esta nova realidade de ensino”, aponta a professora.

Consciência ambiental – A bióloga da Aliança Energia, Tatiana Teixeira, que também atua diretamente na produção dos vídeos, conta que um outro ponto positivo dos vídeos é que a empresa conseguiu ampliar sua abrangência e ultrapassar fronteiras. “Tem sido interessante alcançar outras pessoas com nossos vídeos. Com isto, estamos cumprindo nosso objetivo de ampliar a consciência ambiental das pessoas. A pandemia não nos impediu de trabalhar conceitos relevantes de conscientização ambiental nem de colaborar na construção do ser humano, trazendo isso nos vídeos, mostrando a importância da sustentabilidade e de como o desenvolvimento de pessoas sustentáveis é fundamental para o planeta”, avalia.

Para o gerente da Aliança Energia, Marcelo Werly, sair do offline para o on-line foi uma estratégia importante para a continuidade deste trabalho. “Acreditamos que a educação ambiental é uma ferramenta de transformação da visão e do comportamento das pessoas. Durante este ano, investimos mais de R$ 500 mil em ações de conscientização, como vídeos e na produção de mudas nativas que reflorestam os municípios em que atuamos”, ressalta.

As produções são publicadas no canal do Youtube da Aliança Energia e no Instagram do Parque Botânico (@parquebotanicoalianca).

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail