Propostas do governo de Minas para a COP 28

Estado pretende investir na preservação das atividades econômicas, mas com responsabilidade sustentável

29 de novembro de 2023 às 20h49

img
Para conter efeitos, Estado intensifica ações para auxiliar os municípios na construção de estratégias locais | Crédito: Adobe Stock

O Governo de Minas Gerais quer acelerar a implementação de planos municipais de ação climática. Desde 2011, a administração pública estadual discute as mudanças que vem ocorrendo em todo o planeta com vários setores e técnicos da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), fazendo projeções sobre os potenciais impactos decorrentes dos efeitos dessas alterações e agora, pretende intensificar as ferramentas de auxílio aos municípios para o desenvolvimento de ações locais.

Devido à importância e a urgência do tema, o Executivo estadual vai abordar a articulação dos planos municipais de conformidade climática na Conferência das Nações Unidas Sobre as Mudanças Climáticas (COP 28), que tem início nesta quinta-feira (29), nos Emirados Árabes.

Para o encontro, que reunirá autoridades do cenário políticos-social global, as pautas do Governo de Minas Gerais estão voltadas aos esforços de um interesse em combater às mudanças climáticas sob à ótica do desenvolvimento.

Viajarão para a COP 28, o vice-governador de Minas Gerais, Mateus Simões (Novo), e a secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Marília Melo. A delegação de Minas participará de painéis, workshops e de reuniões técnicas até o dia 12 de dezembro, quando se encerra a conferência.

Na programação, a comitiva participará do lançamento do primeiro portfólio de casos de sucesso do Brasil, destacando, entre elas, as iniciativas recentes desenvolvidas pelo atual governo mineiro. “Minas tem estado entre os grandes líderes globais nessa discussão para o enfrentamento das mudanças climáticas. O nosso trabalho de desenvolvimento de políticas públicas voltadas para a redução de Gases de Efeito Estufa (GEE) tem se tornado referência para outros lugares, principalmente por estar sendo desenvolvido em conjunto com a sociedade e setor produtivo”, enfatiza Marília Melo.

Segundo ela, para que o Estado possa fazer mais ações efetivas, é necessário o engajamento da população com o poder público. “Precisamos que esse engajamento seja coletivo dentro do nosso Estado, envolvendo os municípios”, comenta a secretária.

Políticas climáticas estaduais

Para evitar projeções de risco ambiental, o poder Executivo estadual implementa uma série de medidas para lidar com as alterações climáticas, que vão desde o Plano de Ação Climática (Plac), até as políticas de saneamento básico, transição energética, economia sustentável e combate ao desmatamento.

Estudo revela que metade dos municípios mineiros estão vulneráveis aos efeitos climáticos | Crédito: | Crédito: Semad/Divulgação.

Em 2021, por exemplo, o Estado se tornou o pioneiro na América Latina e Caribe ao se juntar oficialmente à campanha global Race to Zero e assumir compromissos de neutralidade de emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2050, juntamente com o setor produtivo mineiro.

Também aderiram ao acordo a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) e a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), que se comprometeram com uma economia de baixo teor de carbono.

Essa postura pioneira e comprometida do Governo de Minas tem sido reconhecida internacionalmente, inclusive pela Organização das Nações Unidas (ONU), que convidou Minas a ser o único representante da América do Sul na Cúpula de Ambição Climática da ONU, realizada em setembro, em Nova Iorque. Além disso, o trabalho de Minas tem se destacado nas Conferências das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP), com participação anual nos últimos três anos.

Governo reforça o Acordo de Paris

Com a reestruturação administrativa do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), implementada em outubro, foi estabelecida na Semad a Superintendência de Qualidade Ambiental e Mudanças Climáticas, que tem como foco as medidas de adaptação para enfrentar os impactos climáticos, contribuindo para o compromisso do Brasil com o Acordo de Paris.

A superintendente Renata Araújo destaca que, em 2016, o país ratificou o Acordo de Paris, por meio da Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC em inglês), assumindo o compromisso de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 37% até 2025 e 43% até 2030, em relação aos níveis de 2005.

Pautas foram elaboradas por comitiva do Governo de Minas Gerais | Crédito: Semad/Divulgação

“Nosso objetivo é conter o aquecimento global, que já resultou em um aumento de 1°C na temperatura do planeta em comparação aos níveis pré-industriais, podendo exceder 1,5°C até 2052 se as taxas anuais se mantiverem. Embora as emissões sejam globais, os impactos das mudanças climáticas são locais, o que ressalta a importância de cada indivíduo fazer sua parte para reverter essa situação”, reflete Renata Araújo.

Políticas públicas de Minas para as mudanças climáticas que serão levadas a COP 28

  • Plano de Ação Climática
  • Inventário de emissões de gases de efeitos estufa do setor industrial
  • Plataforma Selo Verde
  • Minas Contra o Desmatamento
  • Coleta seletiva
  • Vale do Lítio
  • Energia solar
  • Sol de Minas
  • Etanol
  • Biomassa

Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail