Tecnogera prevê receita de R$ 300 milhões até dezembro

Energia temporária é a principal vertical pelo crescimento da carteira, que deve registrar 40% de aumento frente 2022

5 de outubro de 2023 às 0h30

img
Empresa especialista em soluções de energia, projeta para encerrar 2023 com uma receita na ordem de R$ 300 milhões | Crédito: Tecnogera/Luiz Eduardo Magalhães

Tamanha é a procura por energia temporária no mercado interno que a Tecnogera, empresa especialista em soluções de energia, projeta encerrar 2023 com uma receita na ordem de R$ 300 milhões. O montante, aliás, pode representar um crescimento de 40% na carteira da companhia frente ao total registrado no ano passado.

De acordo com o head de Marketing e Inteligência de Mercado da Tecnogera, Giuliano Fernandes, o otimismo vem de um movimento crescente de contratações de equipamentos de energia temporária e de outras soluções como as plataformas elevatórias, que envolvem tecnologia, segurança e inovação. A empresa é uma das pioneiras em participação ativa na expansão de matriz de energia renovável no País.

“Hoje, a principal vertente do negócio é a energia temporária, do qual a empresa atua no setor com o aluguel de geradores, climatizadores, plataformas elevatórias e torres elétricas”, cita Fernandes. Ele pontua que atualmente a companhia está com uma taxa de ocupação atingindo os 70%, resultado que tem por fator o interesse de empresas por soluções sustentáveis.

“O que ofertamos no setor de energia é algo recente e, portanto, trata-se de um mercado disruptivo. Desta forma, a sustentabilidade do ângulo de negócio e inovação que trouxemos ao Brasil, dentro da ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), faz com que tenhamos essa taxa de ocupação bastante elevada para o setor. Tanto é que para 2024, esperamos ter dois dígitos bem expressivos com relação ao crescimento de nossa receita”, diz.

Energia temporária é a principal vertical pelo crescimento da carteira, que deve registrar 40% de aumento frente 2022
Head de Marketing e Inteligência de Mercado da Tecnogera, Giuliano Fernandes concedeu entrevista ao Diário do Comércio | Crédito: Tecnogera/Divulgação

Empresa pode chegar a 30 operações no País até 2024

A empresa é sediada em São Bernardo do Campo/SP, mas conta com uma operação em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). A expectativa da empresa que atende demandas principalmente do setor de mineração, construção civil e industrial é de expandir as suas operações em 2024 no Estado, conforme avalia o executivo.

“Com as nossas taxas de crescimento bastante interessantes, estamos avaliando a expansão da presença em Minas e pode ser que seja na Região Metropolitana de Belo Horizonte ou até mesmo no interior. Estamos analisando isso. Afinal, o Estado é um dos três principais mercados em geração de receita para a gente”, afirma.

De acordo com a cúpula da empresa, a Tecnogera até neste ano, foram abertas 16 filiais, tendo como destaques uma operação recém-instalada no Pará para acompanhar as demandas do setor mineral, além de praças como Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Santa Catarina. Já para 2024, a meta é expandir para chegar ao volume de 30 filiais, sendo Minas Gerais um dos estados incluídos no plano estratégico. “O estudo de capilaridade é certamente o principal motivo para chegarmos a essas 30 novas filiais até o final do ano que vem”, acrescenta Giuliano Fernandes.

Em Contagem, a unidade foi fundada em 2021 e tem hoje 54 funcionários, sendo uma parte da base nacional de equipamentos, totalizando uma frota própria de 2 mil máquinas. “A nossa filial em Minas conta com equipes técnicas para a manutenção e a locação do maquinário. Mas temos também uma equipe que vai a campo para as aplicações personalizadas onde a energia temporária necessitará de operações especializadas, assim como da montagem e depois a desmontagem”, explica.

Frota é 100% elétrica e movida a bateria de lítio | Crédito: Tecnogera/Divulgação

Segundo a empresa, toda a sua frota de plataformas elevatórias é 100% elétrica e é movida a bateria de lítio. Essas características permitem segurança e agilidade nos trabalhos em altura, apresentando maior duração das baterias, menor tempo de recarga e zero emissão de gases poluentes.

“Nossas máquinas são silenciosas, não causam disrupção para os locais onde não permitem barulhos. Portanto, são máquinas adequadas para atender projetos que demandam, inclusive, 24 horas de trabalhos. Outro exemplo é que contamos com geradores de alto desempenho, que operam em sistema híbrido gerando energia ou backups que buscam melhorar os resultados. O diesel sempre foi a grande fonte de energia para os geradores, mas tem a opção de gás também como alternativa, pois a melhor solução técnica é combinar a geração renovável com uma fonte térmica”, sugere o especialista.

Estratégia foi criar um atendimento de chamadas emergenciais

Além da sustentabilidade e eficiência dos geradores, banco de cargas, climatizadores e demais equipamentos da empresa, outro importante diferencial competitivo, segundo Fernandes, é a força especializada em atendimento. “Nós criamos um DNA de chamadas emergenciais do qual os nossos clientes podem contar com um atendimento rápido, ou seja, em poucos minutos”.

Para o atendimento ágil, 730 prestadores de serviços foram homologados, treinados e qualificados pela Tecnogera em várias regiões do País formando uma rede de atendimento especializado. Do volume de empresas certificadas, 13,56%, ou seja, 99 delas estão em Minas Gerais. “Criamos essa necessidade para situações onde requer uma velocidade no suporte, replicando, aliás, esse serviço para as plataformas em todo o Brasil. Ao contar com um modelo de atendimento eficiente, rápido e próximo, o cliente fica bastante feliz”, conclui.

Sustentabilidade no setor energético

As premissas da Tecnogera também estão alinhadas com o Movimento Minas 2032 (MM 2032) – pela transformação global. Liderado pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO, a iniciativa propõe uma discussão sobre um modelo de produção duradouro e inclusivo, capaz de ser sustentável, e o estabelecimento de um padrão de consumo igualmente responsável, com base nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), promovidos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Para saber mais sobre o Movimento Minas 2032, confira um conteúdo especial sobre o tema e suas verticais, clicando aqui.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail