COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios zCapa

Vale investirá R$ 250 milhões em Minas para compensar tragédia

COMPARTILHE

As multas aplicadas pelo rompimento da barragem de Brumadinho serão revertidas em aportes | Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Um ano e meio após o rompimento da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (RMBH), Minas Gerais vai receber R$ 250 milhões das multas aplicadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) à Vale.

Os recursos serão investidos nos sete parques nacionais localizados no Estado e em obras de saneamento básico de alguns municípios.

PUBLICIDADE

O anúncio foi feito pelo governador Romeu Zema (Novo), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, em coletiva de imprensa virtual nesta segunda-feira (6).

Eles explicaram que o acordo entre governo federal e a mineradora prevê que a companhia execute as obras escolhidas pelo poder público em até três anos. E que as intervenções serão divididas em dois montantes: R$ 150 milhões para o turismo (parques) e R$ 100 milhões para infraestrutura (saneamento básico).

“Nós vamos escolher os projetos e a Vale vai executar. Isso facilita muito, pois você tem as escolhas dos projetos de acordo com o interesse público, mas com a agilidade inerente ao setor privado”, ressaltou Salles.

Sete unidades de conservação no território mineiro serão contempladas: Serra do Cipó, Caparaó, Sertão Veredas, Serra da Canastra, Cavernas do Peruaçu, Sempre Vivas e Gandarela.

Todas receberão investimentos na melhoria da estrutura, visando o fomento da atração de turistas. Vale lembrar, porém que, mesmo com o dinheiro da mineradora, os parques passarão por processo de concessão para a iniciativa privada futuramente.

“Nosso desafio foi em destinar na integralidade toda a multa para o benefício do povo mineiro, em vez de esse dinheiro ficar com a União. (A maior parte) R$ 150 milhões será destinada à melhoria desses sete parques, uma vez que o governo entende a importância do turismo como fonte geradora de emprego, e também a importância de Minas Gerais para o setor”, justificou o ministro.

Álvaro Antônio, por sua vez, completou sobre a importância do Estado para o fortalecimento do turismo no País. “Os parques serão preparados para se ter um efetivo de recebimentos de turismo. O Estado tem muito potencial de atividade turística e muitos desses parques, por falta de infraestrutura, acabam afastando turistas”, afirmou.

O representante da Pasta ainda detalhou que os recursos serão aplicados na estruturação de trilhas, sinalizações, planos de manejo e projetos de combate ao incêndio, e que o Ministério complementará com ações de promoção dos destinos.

“Fazendo esse trabalho conjunto de estruturação e promoção, conseguiremos levar um novo tempo a estes parques nacionais. Ainda tem a variante importante que é a geração de emprego e renda para a população de Minas Gerais. Além disso, estudos já mostram que na retomada pós-Covid-19, o turismo ambiental certamente será um dos mais procurados”, apostou.

Os demais R$ 100 milhões serão destinados a programas de saneamento gerenciados pelo Ministério do Meio Ambiente. Segundo Zema, os municípios serão definidos entre o governo do estado e o governo federal, mas serão priorizados municípios carentes.

“É lógico que esse valor está longe de ser suficiente para corrigir o problema de saneamento no Estado, mas vai ajudar e muito esses municípios”, afirmou o governador.

Zema falou ainda que além dos R$ 250 milhões referentes à multa da Vale, Minas Gerais também planeja um acordo para compensar as perdas econômicas e sociais provocadas pela mineradora.

Conforme ele, “não há data nem valor previsto, mas o Ministério Público e a Advocacia Geral do Estado estão à frente (do processo)”.

Por fim, em nota, o diretor executivo de Relações Institucionais, Comunicação e Sustentabilidade da Vale, Luiz Eduardo Osório, declarou que o acordo é um marco importante no processo de reparação do desastre que matou 270 pessoas no ano passado. Destas, onze continuam desaparecidas.

“O acordo para a autocomposição da multa do Ibama é um marco importante do nosso compromisso de reparar e compensar os impactos do rompimento da Barragem I do Córrego do Feijão”, disse no documento.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!