Você conhece a felicidade eudaimônica?

25 de abril de 2023 às 0h18

img

Laydyane Ferreira*

Toda vez que falo os tipos de felicidade que existem, percebo o interesse das pessoas pelo assunto, afinal, não é comum estudarmos o tema.

Basicamente, podemos falar que a felicidade se divide na felicidade hedônica e na eudaimônica. Na hedônica, há uma otimização do prazer e minimização da dor, como o cultivo de sentimentos positivos, por exemplo. Na eudaimônica, há uma conexão com o Daemon de cada um, que representa o divino de cada um de nós e é baseada nas virtudes dos seres humanos.

Obviamente que o estudo sobre o caráter do ser humano é algo que surgiu antes de Cristo, com Aristóteles, que enfatizava que a virtude poderia ser adquirida pela prática. Ele falava também que somente os bons poderiam ser felizes e que quem é feliz tinha uma vida baseada em virtudes.

Mas falando da aplicação prática nos negócios, podemos dizer que a eudaimônica tem relação direta com uma pesquisa realizada por renomados cientistas ao redor do mundo sobre os traços de personalidade das pessoas e mapearam 24 forças de caráter estabelecendo uma linguagem comum para descrever o que há de melhor nos seres humanos. Foram mais de três anos de pesquisas e colaboração entre 55 cientistas liderados pelos renomados Martin Seligman e Chris Peterson que pesquisaram sobre revisão histórica e análise profunda no âmbito da filosofia, ética das virtudes, educação moral, psicologia e teologia dos últimos 2.500 anos.

Como resultado desta pesquisa nasce um grupo de seis virtudes (sabedoria, coragem, humanidade, justiça, temperança e transcendência) que se desdobram em 24 forças de caráter. Essa pesquisa gerou um book de nome Character Strengths and Virtues: A Handbook and Classification.

Estudar as forças de caráter e aplicá-la nos negócios é trazer a consciência do mais alto grau de espiritualidade, pois um líder que vive suas forças de caráter vive sua verdade mais profunda. Imagine um líder trabalhado na integridade, com viés de comportamento corrupto? Diria que ele não praticaria sua força somente se apresentasse traços de psicopatia ou similar para não viver sua força.

As forças de caráter também são as queridinhas da produtividade. Uma pesquisa realizada em 2015 por Michelle Mc Quaid e o Instituto Via de Caráter constatou que 60% dos funcionários de 65 países tornaram-se melhores em traçar metas semanais baseadas nas forças de caráter e 41% melhoraram seus sentimentos de ter a oportunidade de fazer o que faziam melhor a cada dia.

Ainda temos muito que evoluir na aplicação das forças de caráter, principalmente pelo que efeito Dunnig-Kruger (1) gerado por elas, mas com a paciência de desenvolvê-las iremos muito, muito longe.

E eu encerro a nossa coluna te apresentando as forças de caráter e fazendo um convite para ver se você se identifica com algumas delas:

Criatividade, curiosidade, julgamento, amor pela aprendizagem, perspectiva, bravura, perseverança, honestidade, entusiasmo, amor, bondade, inteligência social, trabalho em equipe, justiça, liderança, perdão, humildade, prudência, autorregulação, apreciação da beleza e excelência, gratidão, esperança, humor e espiritualidade.

Lembrando que as forças de caráter são dinâmicas e podem ser mudadas pela vontade do indivíduo, ou seja, você pode estar mais voltado para algumas forças em função do seu trabalho e momento de vida, mas o mais importante é que qualquer que seja sua força, ela opera em estados elevados de consciência: a da prática das virtudes humanas.

(1) O efeito Dunning-Kruger é o viés cognitivo pelo qual pessoas com baixa habilidade em uma tarefa superestimam sua habilidade.

* Diretora-executiva do Instituto Gaki, organização especializada em consultoria e treinamentos com foco em Educação Corporativa, Serviços de Gestão, RH e Projetos de Impacto ESG. É também podcaster do Propósito na Prática, palestrante, trainer, professora e consultora organizacional

* Diretora-executiva do Instituto Gaki, organização especializada em consultoria e treinamentos com foco em Educação Corporativa, Serviços de Gestão, RH e Projetos de Impacto ESG. É também podcaster do Propósito na Prática, palestrante, trainer, professora e consultora organizacional.

Conteúdos publicados no espaço Opinião não refletem necessariamente o pensamento e linha editorial do Jornal DIÁRIO DO COMÉRCIO, sendo de total responsabilidade dos/das autores/as as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.
Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail