VPA planeja faturar 120% a mais em 2022

23 de abril de 2022 às 0h30

img
Crescemos trazendo novas tecnologias para o Brasil, afirmou o CEO da VPA, Bruno Andrade | Crédito: Divulgação/Grupo VPA

Pronta para dar um salto de qualidade na relação com os clientes e mudar a marca de VPA Equipamentos para VPA Infra, a indústria de equipamentos para contenção de solos, sediada em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), tem no Marco Civil do Saneamento Básico, que entrou em vigor em 2020, sua principal mola propulsora.

Atendendo desde as maiores empreiteiras e construtoras do País até pequenas empresas locais, seu faturamento cresceu 50% no ano passado e projeta expandir 120% até o final de 2022.

Braço do Grupo VPA, começou importando equipamentos que eram locados para obras públicas. Hoje, segundo o CEO da empresa, Bruno Andrade, a VPA continua importando e também fabrica os próprios equipamentos que são locados, assim como disponibiliza mão de obra especializada.

“Começamos com uma solução de contenção e crescemos trazendo novas tecnologias para o Brasil. Com o tempo, vimos que por conta da burocracia e da distância valia a pena desenvolvermos e fabricarmos parte desses produtos aqui. Por isso, hoje somos uma indústria. Durante a pandemia essa decisão se mostrou ainda mais acertada porque a cadeia de suprimentos foi paralisada e segue bastante fragilizada. A partir do Marco do Saneamento Básico, abriu-se um novo e grande campo de atuação para nós. O País, até pela pandemia, ficou com um gargalo de equipamentos para novas obras. Agora, com a entrada de capital estrangeiro, isso vai ficar ainda mais forte, o que é uma boa notícia para nós que trabalhamos com uma solução mais técnica do que só os equipamentos”, explica Andrade.

A meta do governo federal, com o novo marco, é alcançar a universalização dos serviços de saneamento básico até 2033, garantindo que 99% da população brasileira tenha acesso à água potável e, 90%, ao tratamento e à coleta de esgoto. Foram definidas, também, regras voltadas para drenagem urbana e manejo de resíduos sólidos urbanos.

Entre as soluções mais procuradas na VPA estão as blindagens de vala – que são equipamentos que atendem escoramentos mais rasos – e as estacas pranchas metálicas, mais utilizadas em projetos com escoramentos mais profundos e específicos.

Inovação e automação são pilares da estratégia da VPA. Dentro das ações ESG está a fabricação de equipamentos que permitam uma utilização com menor impacto ambiental e social. Um exemplo é a substituição do bate-estaca pelo martelo vibratório.

“O ESG está no nosso sangue. Nosso principal negócio é melhorar a vida das pessoas. Hoje somos sustentáveis em energia a partir da nossa usina solar”, destaca o gerente Comercial e de Marketing da VPA Infra, Eduardo Ferreira.

A meta é a partir de 2025 começar o processo de internacionalização da empresa a partir da América Latina. Para isso a linha de produção na Grande BH está sendo ampliada.

“Já atendemos alguns clientes fora do Brasil e fizemos uma visita comercial ao Peru, mas o nosso foco ainda é o Brasil. Nosso País é grande e complexo e queremos ampliar nossa distribuição antes de partir para uma ação efetiva de internacionalização. Ainda este ano vamos lançar um produto para toda a América Latina com o objetivo de já começar a abrir esse mercado”, anuncia o CEO da VPA Infra sem entrar em detalhes.

Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail