Ano novo: hora de fazer o balanço da carreira e ajustar rotas

24 de janeiro de 2024 às 5h10

img

O início do ano é um momento propício para reflexões: tanto para avaliar os aprendizados e conquistas dos meses que se passaram quanto para programar a nova jornada que vem por aí. Tradicionalmente, os profissionais se empenham em fazer esse exercício nas empresas em que atuam, o que se reflete na divulgação de resultados. No entanto, não vamos pensar só nos números das organizações. É fundamental promover o balanço pessoal para alcançar aquela sensação tão desejada de bem-estar e felicidade – que não é uma vida perfeita, mas aquela com emoções positivas, equilíbrio pessoal e profissional, significado e propósito consciente. Trabalhar com o que gosta e gostar do que faz. Assim, o planejamento sério e coerente dos objetivos e dos próximos passos para conquistá-los é fundamental para quem quer aproveitar essa época e entrar no mercado de trabalho, realizar uma transição de carreira, na certeza de que pessoas e empresas que estão continuamente se educando são as que tem o diferencial competitivo para se manterem vivas.

Apesar da velocidade com que as mudanças acontecem no mundo, a hora é de agir com protagonismo e serenidade, mas sem “romantismo”, porque o percurso é mesmo desafiador. Por isso, esse projeto da carreira deve levar em conta os aspectos físicos, emocionais, espirituais, sociais e, claro, profissionais, incluindo a independência financeira que também é importante para que o indivíduo consiga fazer as melhores escolhas. É essencial ter em mente que todos esses fatores se inter-relacionam, ao mesmo tempo em que o estresse afeta a saúde, a performance e a qualidade das relações no mercado de trabalho.

Além disso, faz parte desse balanço individual, independentemente da finalidade do profissional, entender quais são as profissões que estão em alta em 2024 e nos próximos anos e o que tem feito para fortalecer suas competências. Com certeza, envolvem funções ligadas à tecnologia da informação, da saúde, à inteligência artificial, à sustentabilidade, à educação, entre outras. Algumas previsões do Fórum Econômico Mundial 2023 indicam que mais ou menos 70 milhões de empregos serão criados e cerca de 83 milhões serão eliminados. Acompanhar essas tendências fornece informações mais precisas para que a pessoa possa desenvolver habilidades mais compatíveis com a evolução do mercado.

Do ponto de vista das competências comportamentais dos trabalhadores, as mais desejadas e que não saem de moda são: pensamento analítico, pensamento criativo, resiliência, flexibilidade, agilidade, empatia. Hoje elas têm mais peso para as empresas que a parte técnica, e as pessoas que buscam se inserir no mercado ou realizar a transição de carreira precisam desenvolvê-las. Adaptabilidade é outra qualidade relevante, pois o mundo está cada vez mais instável e imprevisível.

Por fim, as dicas para quem é jovem e ainda não conseguiu definir a profissão são explorar interesses, capacitações, paixões e trabalhar o autoconhecimento. Embora seja útil considerar profissões com tendência de crescimento, é importante escolher a carreira significativa para a própria vida e alinhada com os valores e objetivos pessoais, com o propósito. Já para quem quer dar a “guinada” na carreira, é válido pesquisar sobre a área desejada e aperfeiçoar habilidades primordiais para a nova meta, sem falar em se preparar para os desafios e frustrações, inerentes a processos de mudança. Nos dois casos, o profissional tem que ter coragem, nunca parar de estudar e aprender, além de cultivar, de forma genuína, a rede de relacionamentos, que é um dos pilares da carreira.

Com 2024 só começando, a principal sugestão que tenho é: sonhe, mas sonhe alto e com muita certeza. Tudo se inicia com uma visão positiva do futuro e de onde queremos chegar. Deixe para trás o que pesa e desgasta e se concentre realmente naquilo que importa. Reflita: o sucesso vem antes da felicidade ou a felicidade vem antes do sucesso? É claro que apenas a pessoa que se sente bem vai alcançar o sucesso. A tendência nas empresas é criar uma diretoria dedicada ao tema: o CHO, sigla para ChiefHappiness Officer ou Chefe da Felicidade Corporativa, impactando diretamente na sustentabilidade empresarial.

Busque o caminho da liderança humanizada para integrar consciência e inteligência intra e interpessoal.

Pessoas saudáveis e empresas sustentáveis andam de mãos dadas. O Capitalismo Consciente reforça a importância do que buscamos: significado, propósito e impacto nas nossas carreiras. Então, foque nisso!

*Conselheira da Filial Regional do CapitalismoConsciente em BH, Presidente do Conselho Deliberativo da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH Brasil), Presidente do Conselho Empresarial de RH da AC Minas e Diretora Regional Predicitve Index- PI - eliane@elianeramos.com Redes sociais: Instagram: @elianeramos13/ LinkedIn: Eliane Ramos Vasconcellos Paes

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail