COTAÇÃO DE 07/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2280

VENDA: R$5,2290

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2070

VENDA: R$5,3830

EURO

COMPRA: R$6,3509

VENDA: R$6,3522

OURO NY

U$1.831,42

OURO BM&F (g)

R$307,84 (g)

BOVESPA

+1,77

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
Crédito: Pxhere

Fábio Astrauskas *

As análises sobre a economia brasileira têm se centrado no que é considerado o crescimento irrisório do PIB nos últimos dois anos. Há também os que lembram que os índices de aumento do PIB têm sido compatíveis com o crescimento da população. São constatações corretas quando se leva em conta apenas os números, mas merecem uma reflexão mais profunda para que se dê a verdadeira dimensão da preocupante situação do País.

PUBLICIDADE

O mercado, por exemplo, diminuiu a expectativa do PIB pela 7ª vez consecutiva para os anos de 2019 e 2020. O PIB deste ano, após mais uma queda, atinge o patamar de 1,45%, perdendo mais décimos em relação à última projeção. Para 2020, chegamos à marca de 2,2%. Claro, estamos falando de projeções e, dentro de um possível, tudo pode mudar. Aprovações de reformas estruturais modificarão positivamente o cenário. A rejeição delas e uma nova crise política podem acabar por matar o nosso PIB de vez.

Aliás, temos que lembrar que o Produto Interno Bruto, como o próprio nome revela, nos dá um quadro “bruto” da economia, ou seja, não leva em conta fatores de perda e depreciação que, quando incorporados, nos levam a um quadro bem mais preocupante para 2019, principalmente pelo desestímulo que representam para os investimentos.

Também é importante ressaltar a concentração de riqueza, que nos mostra de maneira clara quanto o “crescimento irrisório” tem beneficiado de maneira cada vez mais desigual a população. Quando falamos que o PIB cresceu 1,1% em 2018 é preciso sempre ter em vista que a ínfima parcela da população que detém a maior parte da renda convive com um crescimento bem maior, entre 3% e 5%, enquanto a imensa maioria vê sua renda cair (quando não desaparecer, com o aumento do desemprego). Quando a análise vai para esse lado, a constatação é que o País tem regredido, e não crescido (nem de maneira irrisória).

Ao ampliar a visão, portanto, temos um país que piora a cada ano, sem perspectivas de retomada de investimento privado nem público. E para que esse investimento volte é obrigatório que se faça a reforma da Previdência. É evidente que o governo gasta mais do que arrecada e não tem mais condições de aumentar os tributos. Portanto, reduzir gastos é a única saída para estancar a sangria das contas públicas e como a Previdência é a principal fonte de despesas governamentais, a reforma é mandatória e vai criar um cenário de confiança para os investidores.

Sem a reforma da Previdência não haverá recursos para os investimentos do Estado nem confiança para que os investidores privados voltem a colocar dinheiro no Brasil. Resultado: não se criam empregos, o PIB continuará a recuar para a maior parte da população e o governo não conseguirá pagar a dívida pública.

A reforma da Previdência, no entanto, não mais fará todo o milagre da volta do crescimento do PIB. Pois o PIB é composto por pelo menos 4 grandes variáveis: (a) consumo, (b) gastos do governo, (c) investimentos e (d) balança comercial. Nenhum deles atualmente com expectativas positivas.

Os primeiros meses de governo mostram o quanto a equipe econômica perdeu capacidade de estimular o consumo, maior responsável pelo PIB. Isto porque, não há ações coordenadas para crescimento do emprego, que é o gerador de consumo. Em vez de ações, o governo prefere questionar metodologias.

Os gastos do governo permanecerão congelados até que a reforma traga dinheiro. Mas enquanto isso, o pouco recurso é gasto em salários de servidores, muito acima da média nacional. Salários que não geram tanto consumo como se fossem destinados a novos empregos. Obras paradas e contratações de serviços suspensas quase zeram o estímulo para o crescimento.

O investimento é outro fator de desalento. Não importa o debate rançoso e desgastado entre direita e esquerda: o investidor quer regras seguras e liberdade para investir. A esquerda não oferecia regras seguras. A direita não parece se importar com a voz das minorias. Mas o investidor da quarta geração quer respeito e inclusão ativa das minorias. Discutir um mundo dicotômico, rosa/azul, esquerda/direita, Lula/Bolsonaro, não traz luz aos investidores. E não traz o dinheiro deles.

Para completar, a balança comercial também não irá contribuir consistentemente para o crescimento do PIB. Nossa pauta de exportações é de baixo valor agregado e a pouca manufatura que exportamos é destinada à Argentina. E ainda estamos em meio a batalhas tarifárias pelo mundo. Muito pouco para dar ânimo aos economistas.

Que o governo se apresse na aprovação da reforma previdenciária, mas que não se deixe enganar ou que não nos engane que isto será suficiente.

*Economista, CEO da consultoria Siegen e professor e coordenador do Insper para o curso Turnaround de Empresas: da reestruturação à recuperação

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!