DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2090

VENDA: R$5,2100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1800

VENDA: R$5,3600

EURO

COMPRA: R$6,0756

VENDA: R$6,0768

OURO NY

U$1.813,62

OURO BM&F (g)

R$300,00 (g)

BOVESPA

-3,08

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | Fundos abutres atuam na Samarco

COMPARTILHE

Crédito: REUTERS/Ricardo Moraes

Avançam de forma promissora as tratativas entre os diversos segmentos da sociedade e a Samarco visando reparar perdas decorrentes do rompimento da barragem de Mariana. Com mediação do Ministério Público e do Poder Judiciário, empresa e vítimas, pessoas físicas e jurídicas, esperam chegar em breve a um bom entendimento. Há, no entanto, riscos e ameaças no caminho, em razão da atuação dos chamados fundos abutres, que passaram a atuar fortemente na renegociação de dívidas financeiras no Brasil.

Predadores por natureza, estes fundos compram dívidas de empresas em dificuldades com descontos expressivos, aproveitando-se do desejo dos credores originais, principalmente bancos, de tirá-las de seus balanços. A única preocupação dos fundos abutres é o lucro exorbitante, fácil e rápido. Exemplo hipotético: se pagarem 10% sobre o valor da dívida, o que não é incomum, e venderem por 20%, embolsam 100% de ganho.

PUBLICIDADE

No Brasil, a imprensa noticiou a participação de fundos abutres na renegociação das dívidas da Oi, no contexto da sua recuperação judicial que envolvia R$ 65 bilhões. No caso da Odebrecht, que envolvia dívidas de R$ 83 bilhões e 11 companhias, as reclamações do grupo na Justiça não foram suficientes para evitar a presença de fundos predadores. Na recuperação judicial da Samarco, os fundos abutres estão presentes como os maiores credores financeiros, com R$ 26,4 bilhões.

Especialistas advertem que a atuação destes fundos mudou o foco da recuperação judicial nos EUA e pode fazê-lo também no Brasil. Antes focados na reabilitação de empresas em dificuldades, hoje contaminados pelos fundos abutres, processos de recuperação judicial acabam por se tornar oportunidade para a realização de lucros exorbitantes. Isso pode levar a “recidivas”, ou seja, ao reaparecimento de problemas nessas companhias mesmo após a reestruturação das dívidas, como se busca agora na Samarco. Pode ser fatal!

Na verdade, esse tipo de credor não tem interesse algum em operações empresariais – produção, geração de emprego e renda – ou, ainda, no bem-estar das comunidades onde as empresas se localizam. Visam, sempre, o lucro – e, se não conseguirem, podem empurrar a empresa para a liquidação.

Na verdade, há um abismo entre os deveres e objetivos da companhia insolvente, dos bancos e dos fundos abutres. Os bancos e as companhias têm obrigações para com seus stakeholders, tais como pagamento de salários, impostos e dividendos, contratação de empregados e fornecedores, realização de investimentos e projetos de expansão. Os fundos abutres não têm qualquer compromisso com a empresa endividada, seus empregados, fornecedores, clientes. Visam, apenas e sempre, lucros fáceis, vultosos e rápidos.

No mundo inteiro, governos e empresas buscam soluções para frear a atitude predatória deste tipo de investidor. É hora, também no Brasil e em Minas Gerais, de começarmos a nos preocupar.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!