O gargalo rodoviário

19 de janeiro de 2024 às 5h00

img
No País, CNT aponta que há densidade de 2,5 pontos críticos por 100 quilômetros rodados em Minas, acima da média nacional | Crédito: Divulgação/Agência CNT

O sistema rodoviário brasileiro envelheceu e caducou. Os principais troncos rodoviários, projetados e construídos a partir da metade do século passado, sofreram, durante todos estes anos, não mais que remendos, passando distante das correções que, para muito além da mera manutenção, deveriam ter em conta o aumento da frota circulante, assim como as características dos próprios veículos que evoluíram ganhando desempenho e velocidade, condições incompatíveis com o espaço a eles destinados. Assim, o aumento do número de acidentes e, sobretudo, a letalidade dessas ocorrências resultam, em larga medida, desse descompasso estrutural. Algo da maior relevância se considerado que a malha rodoviária responde, hoje, pela movimentação de aproximadamente 70% das cargas transportadas no País. Pior ainda, absorve 90% do transporte de passageiros, conforme dados divulgados pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).

Além de inadequada do ponto de vista técnico, a malha rodoviária padece também da falta de manutenção minimamente satisfatória, problema já percebido e apontado nos anos 80 e 90 do século passado. Caracteriza-se literalmente situação de abandono ao longo das últimas décadas, precarizando ainda mais a movimentação de veículos sobre rodas, assim elevando custos que afetam o desempenho e competitividade da indústria nacional. Tudo sem ser preciso apontar que a insegurança foi elevada a proporções epidêmicas, com perdas humanas que não têm preço e custos socioeconômicos de monta.
Uma realidade que está bem retratada nas condições da malha rodoviária mineira, a mais importante do País na medida em que o Estado, por conta de sua posição geográfica, abriga o maior entroncamento rodoviário brasileiro. Dados colhidos pela CNT e agora divulgados mostram que nos pouco mais de 15 mil quilômetros levantados foram encontrados 383 pontos críticos, o que significa que ao percorrer 44 quilômetros o usuário encontrará um ponto crítico e de alto risco. Na comparação, são as piores condições encontradas no País.

Essa verdadeira radiografia que a CNT realiza e divulga anualmente mostra um processo continuado de deterioração, portanto também de agravamento de riscos e condições de circulação. Na mesma medida exibe a inércia do setor público que não foi capaz sequer de colocar de pé um programa de privatizações e concessões à altura das necessidades daquilo que seria a espinha dorsal do sistema de transportes no País.

O tempo perdido, a ilusão de que investimentos privados poderiam ser a chave para a solução da questão, só fazem ressaltar que a questão é crucial para o País, que continua esperando as respostas que não vêm.

Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail