O que o Brasil tem a ver com o conflito Rússia e Ucrânia?

25 de fevereiro de 2022 às 0h26

img
Crédito: REUTERS/Gleb Garanich

A Rússia continua movimentando recursos militares na Ucrânia e, ontem (24), houve uma movimentação de mais de 100 mil soldados russos que adentraram a fronteira da Ucrânia.

Há relatos de tropas cruzando diversos pontos da fronteira e explosões perto das principais cidades ao redor do país. Já há registro de pelo menos sete mortos e 19 desaparecidos até agora, segundo autoridades ucranianas.

A principal exigência do governo russo é que o Ocidente garanta que a Ucrânia não vá aderir à Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), uma aliança defensiva de 30 países liderada pelos Estados Unidos.

Em um pronunciamento televisionado, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou que a Rússia não planeja ocupar a Ucrânia, mas alertou que a resposta será “imediata” contra qualquer um que tente parar a operação.

Ao longo da última semana, os dois países tomaram boa parte do noticiário do mundial. A presença de tropas russas em território ucraniano vem desestabilizando o Leste europeu e impactando o mundo todo. Além das oscilações do mercado, o Brasil teve uma participação de destaque, que marcou um posicionamento de Estado complexo perante o mundo.

O presidente Jair Bolsonaro esteve na Rússia neste período inicial de tensão. Para além da discussão sobre a necessidade desta agenda diplomática, seus gastos e a possibilidade de cancelamento, tal episódio internacional é uma oportunidade para levantarmos um debate sobre a política externa brasileira.

Como especialista da área, reconheço alguma obscuridade no debate. Porém, garanto ao leitor que o cerne do meu argumento será muito fácil de ser entendido. O fato é que as relações internacionais muito têm a ver com nosso dia a dia. Penso que ainda precisamos aprender muito sobre as implicações da política em nossas vidas. Pouco se trata disso. Uso o imbróglio em questão para provocar.

Então, o que temos a ver com o conflito entre Ucrânia e Rússia? Quando o Brasil realiza uma agenda na Rússia durante o conflito, ele indiretamente se posiciona solidário ao país. Contudo, nossa leitura como cidadãos precisa ser mais cuidadosa e menos imediatista. É fundamental que seja claro, para nós, brasileiros, quais são os interesses de se relacionar com um país independentemente de quem o governa. As potencialidades de cada país ultrapassam as limitações dos seus efêmeros estadistas.

Existem complementaridades em diversas agendas muito além da comercial, por isso o  Brasil não deve escolher um lado e sim todos os lados. O diálogo globalista é uma característica histórica da nossa diplomacia, que nos credencia como exímios negociadores internacionais. Então, geralmente, conviver bem com o país não se restringe a ter exclusiva afinidade com aquele representante político que temporariamente o governa. Somos uma nação capaz de visitar a Ucrânia e a Rússia em um período de desajuste entre os dois Estados, sobretudo porque possuímos imigrantes das duas regiões vivendo em harmonia em nosso solo. E por que não o fizemos?

Acredito que uma de nossas fragilidades é enxergar os posicionamentos descontinuados, como se o Brasil mudasse de ideia a cada 4 anos. Um país deve portar-se como Estado ao se relacionar com o mundo. É muito simplista e contraproducente utilizar agendas de política externa para fins de reeleição nacional. O impacto no eleitorado brasileiro, historicamente, costuma ser inexpressivo, porém o arranhão nas relações internacionais com outros Estados pode demorar muitas eleições e muitos estadistas para cicatrizar.

É com tristeza que vejo se perder um dos maiores diferenciais do Brasil como sociedade, que é a pluralidade. Neste ano, celebramos o centenário da Semana de Arte Moderna, que mostrou para o mundo a nossa capacidade de conviver com o outro, de reinventar a arte mundial com a nossa ótica. Assim moldou-se também a nossa diplomacia, verdadeiramente global. Em um país onde judeus e árabes ocupam o mesmo complexo comercial, colônias de descendentes europeus estabelecidas no sul do País, viajam de férias dentro do nosso território e se encantam com culinárias e músicas tradicionais africanas. Este País nunca deveria perder a sua credencial de pluralidade e lançar-se sempre ao mundo com o sucesso dessa harmonia cultural em sua bagagem, pois isso é o que de melhor podemos oferecer a um mundo intolerante.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail