Violência psicológica e o X da questão

3 de agosto de 2021 às 0h10

img
Crédito: Pixabay

28 de julho de 2021 – mais um marco na conquista dos direitos das mulheres!

Foi sancionada, nesta data, a Lei 14.188/21 que tipifica, no artigo 147, “B” do Código Penal, o crime de violência psicológica contra a mulher, deixando de ser naturalizada a “violência de alma”.

As mulheres que sofrem violência psicológica recorrente, perpetrada por seu parceiro íntimo, costumam apresentar expressivo sofrimento psíquico e inúmeros distúrbios psicopatológicos, desde o comprometimento de sua autoestima até transtornos psiquiátricos, agravados por várias comorbidades.

O novo tipo penal prevê como crime, desta forma, a ação que causa dano emocional à mulher, ao prejudicar e perturbar seu pleno desenvolvimento ou que objetivar degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, via ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, chantagem, ridicularização, limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que cause prejuízo à sua saúde psicológica e autodeterminação, prevendo pena de reclusão de 06 (seis) meses a 2 (dois) anos e pagamento de multa, caso a conduta não configure crime mais grave.

A lei, ademais, altera a modalidade da pena da lesão corporal simples cometida contra a mulher, por razões da condição do sexo feminino e dispõe, ainda, sobre o “Programa de Cooperação Sinal Vermelho contra a Violência Doméstica”, que consiste em mais um mecanismo de ações emergenciais no enfrentamento à violência contra a mulher, ao viabilizar assistência e segurança à vítima.

A denúncia realizada por meio do código “sinal em formato de X”, preferencialmente na mão e na cor vermelha, corresponderá a uma forma de pedido de ajuda / socorro da vítima, ao ser apresentado em farmácias, hotéis, mercados, repartições públicas e/ou estabelecimento similares que firmarem os termos de cooperação do programa.

Os poderes Executivo e Judiciário, o Ministério Público, a Defensoria Pública e Órgãos de Segurança Pública estão, além disso, autorizados por esta lei a atuar junto a entidades privadas para a promoção do programa – permitindo, portanto, o convênio de outras empresas além das farmácias.

Vale aqui registrar, pois, o grande avanço legislativo que representa a promulgação da Lei 14.188/21, visto que a violência contra as mulheres constitui um fenômeno complexo, de raízes sociais profundas e de saúde pública global, que acompanha a história da humanidade, presentes em diferentes sociedades, culturas, classes sociais, etnias e religiões.

Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail