Etapa de discussão é encerrada na FFO

O presidente da Comissão, deputado Zé Guilherme (PP) determinou a publicação das propostas de emendas, como forma de dar transparência ao conteúdo

1 de dezembro de 2023 às 0h15

img
Foram recebidas 1.633 propostas de emenda na comissão que analisa o projeto de adesão ao RRF | Crédito: Luiz Santana/ALMG

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (FFO) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) encerrou, ontem, a discussão do Projeto de Lei (PL) 1.202/19, do governador, que autoriza o Estado a aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF).

Foram recebidas 1.633 propostas de emendas ao projeto. O presidente da FFO, deputado Zé Guilherme (PP), que também é relator do projeto, determinou a publicação das mesmas, como forma de dar transparência ao conteúdo. Nova reunião da FFO deve ser agendada na próxima semana para a apreciação da matéria.

Durante a reunião, deputados que se posicionam contra a matéria se valeram do Regimento Interno da ALMG para obstruir a apreciação da mesma. Nesse sentido, apresentaram diversos requerimentos como o de retirada de pauta do projeto, o qual foi rejeitado pela maior parte dos deputados da comissão.

Ao discutir a matéria, de modo geral, os deputados contrários ao RRF enfatizaram que é preciso esperar um posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre pedido para extensão do prazo para a adesão ao regime, o que teria que ser feito até o dia 20 de dezembro, pelas regras atuais.

Outro assunto que, conforme destacaram, continua pendente é o retorno do governo federal sobre proposta alternativa de negociação da dívida apresentada pelos presidentes da Assembleia de Minas, Tadeu Martins Leite (MDB), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), com intuito de solucionar de forma definitiva a questão.

Críticas

A deputada Beatriz Cerqueira (PT) disse que o governo de Romeu Zema não está se movimentando no sentido de oferecer uma alternativa ao RRF.

zema governo má vontade minas
Crédito: Rafa Neddermeyer/ Agência Brasil

O deputado Luizinho (PT) concordou com a parlamentar. Ele também defendeu que se espere a decisão do STF quanto à prorrogação do prazo para adesão ao RRF ou uma outra solução, que pode ser obtida a partir de acordo com o governo federal que está sendo negociado pela ALMG e pelo Senado.

O deputado Sargento Rodrigues (PL) criticou a falta de agilidade do governador em resolver a questão da dívida do Estado com a União. Ele defendeu o acordo que vem sendo construído pelos presidentes da ALMG e do Senado.

Leleco Pimentel (PT) também defendeu essa alternativa. “É uma proposta que não coloca nos ombros dos servidores e do serviço público o pagamento da dívida de Minas”, disse.

Recomposição salarial

O parecer do relator, deputado Zé Guilherme, já havia sido distribuído em avulso (cópias) aos parlamentares no dia 21 de novembro. Ele sugeriu a aprovação de um novo texto (substitutivo nº 5) para assegurar expressamente a revisão geral anual da remuneração dos servidores públicos, mesmo durante a vigência do RRF.

De autoria do governador, o projeto visa à renegociação de dívidas com a União, calculadas em aproximadamente R$ 156 bilhões. De acordo com a proposta, o RRF terá vigência de nove anos, período durante o qual o governo terá que implementar uma série de medidas para alcançar o equilíbrio fiscal e financeiro. (Com informações da ALMG)

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail