Dívida pública bruta do Brasil sobe a 74,3% do PIB em dezembro

Pagamento de R$ 92,4 bilhões de precatórios impactou o resultado

7 de fevereiro de 2024 às 10h38

img
Crédito: REUTERS/Bruno Domingos

São Paulo- A dívida bruta do Brasil encerrou 2023 com alta em dezembro, quando o setor público consolidado brasileiro apresentou déficit primário maior do que o esperado, de acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (7) pelo Banco Central.

A dívida pública bruta do país como proporção do PIB fechou dezembro em 74,3% contra 73,8% no mês anterior, e 71,7% no último mês de 2022.

A alta na base anual deveu-se, segundo o BC, à incorporação de juros nominais (+7,5 ponto percentual), emissões líquidas (+0,6 p.p.), efeito da valorização cambial acumulada no ano (-0,3 p.p.) e crescimento do PIB nominal (-5,2 p.p.).

Já a dívida líquida foi a 60,8%, de 59,5% em novembro e 56,1% em dezembro de 2022.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de 75,0% para a dívida bruta e de 60,0% para a líquida.

Em dezembro, o setor público consolidado registrou um déficit primário de R$ 129,573 bilhões, contra saldo negativo de R$ 11,813 bilhões em dezembro de 2022. O BC ressaltou para esse resultado o impacto do pagamento de precatórios, de R$ 92,4 bilhões.

O déficit no último mês do ano foi maior do que a expectativa de economistas consultados em pesquisa da Reuters de um saldo negativo de R$ 124,35 bilhões.

Assim, o setor público consolidado registrou em 2023 déficit primário de R$ 249,124 bilhões (2,29% do PIB), ante superávit de R$ 125,994 bilhões (1,25% do PIB) em 2022, de acordo com o BC.

O desempenho do último mês do ano mostra que o governo central teve saldo negativo de R$ 127,574 bilhões, enquanto estados e municípios registraram déficit primário de R$ 2,940 bilhões e as estatais tiveram superávit de R$ 942 milhões, segundo os dados do Banco Central.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail