Dólar sobe mais de 1% no Brasil após governo lançar plano para indústria

Na B3, às 17:25 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,09%, a R$ 4,9925

22 de janeiro de 2024 às 18h40

img
Crédito: REUTERS/Sukree Sukplang

São Paulo – O plano de desenvolvimento do governo Lula para a indústria brasileira, que prevê R$ 300 bilhões em financiamentos até 2026, foi visto pelo mercado como um fator de risco para o equilíbrio fiscal, fazendo o dólar à vista subir mais de 1% ante o real nesta segunda-feira, em movimento sustentado ainda pela recuperação da divisa dos EUA no exterior durante a tarde.

O dólar à vista fechou o dia cotado a R$ 4,9878 na venda, em alta de 1,23%. Em janeiro, a moeda acumula elevação de 2,81%. Na B3, às 17:25 (de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 1,09%, a R$ 4,9925.

Pela manhã, o dólar já sustentava ganhos ante o real, a despeito de no exterior a divisa estar recuando ante uma cesta de moedas fortes e ante boa parte das divisas de exportadores de commodities.

Investidores demonstravam cautela nos negócios à espera do restante da semana, quando saem dados importantes no Brasil e no exterior, além de decisões de política monetária em economias centrais.

No início da tarde, porém, as cotações no Brasil aceleraram, após o governo anunciar o plano “Nova Indústria Brasil”, que prevê linhas de crédito para empresas, subsídios e conteúdo local nos produtos.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), dos 300 bilhões de reais previstos para financiamentos até 2026, sendo que R$ 106 bilhões já haviam sido anunciados em julho do ano passo.

Pela proposta, serão priorizados instrumentos financeiros sustentáveis e crédito para inovação, infraestrutura e exportações, além de subsídios, como os incentivos fiscais. Parte deles, segundo o MDIC, já começou a ser adotada por instituições como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

No mercado, a percepção mais geral foi de que os R$ 300 bilhões anunciados – ainda que possam estar ligados a operações do BNDES, o que não necessariamente trará impacto fiscal – eleva o risco em relação às contas do governo. Em reação, o dólar se reaproximou dos 5,00 reais.

“Há uma recomposição de posições defensivas”, pontuou o diretor da Correparti Corretora, Jefferson Rugik, ao justificar a alta firme do dólar ante o real. “O programa pode trazer despesas para o governo e o mercado se ajusta, vai para a proteção do dólar.”

A aceleração das cotações no Brasil também foi favorecida pelo fato de que, no início da tarde, o dólar Index – que compara a moeda ante uma cesta de divisas fortes – recuperou fôlego no exterior, passando a registrar leves altas.

Assim, após oscilar pontualmente no negativo no início da sessão, marcando a cotação mínima de R$ 4,9240 (-0,07%) às 9h02, o dólar à vista registrou a máxima de R$ 4,9940 (+1,35%) às 16h23.

Porém, a divisa não teve força para superar os R$ 5,00 – um importante nível de resistência técnica, cuja proximidade atrai vendedores de moeda ao mercado.

Às 17:25 (de Brasília), o índice do dólar – que mede o desempenho da moeda norte-americana frente a uma cesta de seis divisas – subia 0,09%, a 103,360.

O BC vendeu na sessão desta segunda-feira todos os 16.000 contratos de swap cambial tradicional ofertados na rolagem dos vencimentos de março.

Ao longo desta semana, os investidores vão monitorar a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira, a divulgação de uma série de dados norte-americanos e o Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) no Brasil, na próxima sexta-feira.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail