Passagem de ônibus puxa alta do IPCA-15 na Grande Belo Horizonte

Resultado da RMBH foi o maior das onze áreas pesquisadas pelo IBGE

26 de janeiro de 2024 às 16h35
Atualizada em 27 de janeiro de 2024 às 12h27

img
Crédito: Alessandro Carvalho

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) iniciou 2024 com aceleração na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH). Considerado a prévia da inflação oficial, o indicador subiu 0,88% em janeiro, ante 0,35% no mês anterior. O resultado foi puxado pelo item ônibus urbano, com alta de 9,33%, e pelo grupo alimentação e bebidas, com aumento de 2,47%. 

A variação do IPCA-15 para a Grande BH foi a maior entre as onze áreas pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nos últimos 12 meses, o indicador cresceu 4,97%, percentual também superior ao dos demais locais. No Brasil, a prévia da inflação caiu de 0,40% em dezembro para 0,31% neste mês, acumulando uma alta de 4,47% em um ano. 

No caso da RMBH, o que impactou foi o aumento mensal do ônibus urbano, que exerceu a maior pressão individual sobre o índice geral, com reajuste médio de 16,67% na tarifa do transporte público da Capital. No dia 29 de dezembro de 2023, o preço da passagem saltou de R$ 4,50 para R$ 5,25. As linhas metropolitanas também passaram por correções. 

Especificamente no grupo alimentício e de bebidas, que teve a maior alta percentual em janeiro, o resultado decorreu de um encarecimento da alimentação no domicílio, com destaque para a batata-inglesa (34,3%), segundo o economista e colunista do DIÁRIO DO COMÉRCIO Guilherme Almeida. Ele explica que os preços dos alimentos estão sofrendo uma pressão em razão das mudanças climáticas desde novembro, além de uma sazonalidade natural de fim de ano. 

“Nós temos um efeito do El Niño que está comprometendo as safras em geral. Isso acaba refletindo em um maior custo para o consumidor final. A pressão da batata-inglesa advém, principalmente, das questões climáticas, mas temos também o efeito de demanda, que costuma subir no fim de ano, principalmente em dezembro, com as comemorações de Natal e Ano Novo. O mesmo ocorre para os demais itens dentro do grupo que apresentaram um aumento”, disse. 

Demais resultados do IPCA-15 na Grande BH

Outros sete grupos exerceram pressões altistas sobre a prévia da inflação na Grande BH. Foram eles: artigos de residência (0,97%), com ênfase para os itens mobiliário (1,31%) e aparelhos eletroeletrônicos (1,11%); vestuário (0,90%); saúde e cuidados pessoais (0,74%); habitação (0,71%), com a taxa de água e esgoto (2,79%) e aluguel residencial (0,91%); despesas pessoais (0,55%); educação (0,52%), com realce para livros didáticos (4,36%); e comunicação (0,09%).

Em janeiro, somente um grupo apresentou deflação, o de Transportes, com baixa de 0,18%. Diante disso, nota-se que o encarecimento do ônibus urbano não foi suficiente para que o segmento apresentasse inflação no período. A queda, portanto, teve como principais motivações os recuos de 18,03% nos preços das passagens aéreas, e de 8,72%, no transporte por aplicativo.

Almeida esclarece que a queda das tarifas aéreas tem a ver com o barateamento do querosene de aviação, principal custo das companhias do setor. No fim de dezembro, a Petrobras reduziu o QAV vendido às distribuidoras em 9,8%. Ele supõe que algo parecido possa estar associado ao recuo dos valores dos serviços digitais de transporte de passageiros, já que os combustíveis, um dos principais insumos do segmento, sofreram recentes baixas de preços, especialmente, o etanol.

Perspectivas para a inflação no ano

Segundo o economista, até fevereiro deste ano, deve haver uma pressão inflacionária, por efeito sazonal. A partir daí, essa força tende a ser reduzida, devido a uma demanda mais contida. Porém, é preciso se atentar ao grupo de alimentos e bebidas, que ainda podem sofrer novas influências climáticas, e aos reajustes salariais. Na perspectiva de Almeida, haverá compressões pontuais, mas a inflação ficará dentro da meta – de 3%, com tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail