Não tenha verdades absolutas

30 de janeiro de 2024 às 5h06

Em um mundo em constante transformação e disrupção, tudo tem mudado de forma exponencial dentro e fora das organizações, por isso àqueles que querem se manter relevantes, com uma carreira de destaque, é preciso estarem atentos a essas mudanças e, sempre que possível, se anteverem às mesmas, pois como dizia a minha saudosa avó: “Quem chega cedo no rio, bebe água limpa”.

O ser humano tende a gostar de verdades absolutas. Adoramos um dogma, ou seja, um princípio que se convenciona não discutir. Isso vale para a política, futebol, religião, relacionamentos, negócios e, é claro, finanças pessoais. Crescemos escutando que poupança era um investimento seguro, que devemos ter a casa própria, que pagar aluguel é jogar dinheiro fora ou que o sucesso profissional não é para todos. Para muitos, essas e outras afirmações são ditas como verdades absolutas. Todos temos as nossas próprias convicções. O problema é que acreditamos que o que é verdadeiro para nós é verdadeiro para todos e, é claro, isso está longe de ser verdade.

Com a aplicação cada vez maior da diversidade, o mais importante é a variedade de pensamentos, afinal é dessa forma que se obtém respostas consistentes e complementares. O conflito entre duas ideias, quando bem mediado e gerenciado, é o que leva à tão famosa inovação buscada por toda empresa, independentemente do seu porte.

Diante desse cenário, é importante que você cultive a curiosidade e a disposição de ouvir perspectivas diferentes das suas. Nunca foi tão urgente e necessário ter escuta ativa. Estamos usualmente prontos para dar respostas para tudo enquanto deveríamos escutar mais. Se a riqueza das relações é exatamente aproveitar o que cada um tem a ofertar, devemos atentar a ter abertura mental para o novo, mesmo quando acreditamos que já conhecemos determinado caminho ou resposta para algum tema. Cada um tem o seu repertório, suas ideias e sua vivência. Se gostamos de ser ouvidos, devemos praticar a empatia de forma mais consistente. Lembrando que empatia nada mais é do que respeitar a história do outro, especialmente em um mundo cada vez mais diverso.

Da mesma forma é vital que você permita-se compartilhar e trocar ideias. Crie possibilidades de aprender com os outros e cuidado com suas verdades absolutas, pois elas podem ser limitadoras e prejudicar a capacidade de compreender perspectivas diferentes, especialmente hoje em dia, onde a resposta para a resolução de determinado problema pode vir do estagiário ao presidente.

Ao formar opiniões, procure evidências sólidas e informações confiáveis. Essa atitude ajuda a fundamentar seus pontos de vista em fatos e argumentos lógicos, sem a dependência limitada a suposições pessoais. Essa conduta colabora, inclusive, para aumentar a sua credibilidade, dentro e fora das empresas. Lembre-se que as opiniões são baseadas em experiências pessoais, valores e crenças individuais. Reconhecer que elas variam de pessoa para pessoa é uma forma de evitar a armadilha de pensar que apenas uma perspectiva é absolutamente verdadeira.

Evidentemente, quanto mais você lê, mais expande seus horizontes e perspectivas. Hoje em dia temos acesso sobre qualquer tema que queiramos nos aprofundar. O dilema é exatamente saber tirar a enxurrada de informações que recebemos ao longo do dia. Viajar para lugares variados também é uma boa forma para que você perceba que sempre há diferentes maneiras de se fazer as mesmas coisas.

Assim vai entender que não é porque fez algo da mesma forma e deu certo, que seja a única maneira.

Atuando como headhunter percebo claramente a diferença de abertura mental entre profissionais que leem e viajam (pelo Brasil ou exterior) e os que não têm esta prática. Usualmente são os mesmos que dizem: “sempre foi assim” ou “é dessa forma que funciona”.

Como aprender e reaprender é a máxima do momento, questione suas próprias opiniões e crenças, bem como as dos outros. Estar aberto a reconsiderar e reavaliar suas próprias ideias é uma parte importante do crescimento pessoal e da busca pela compreensão mais completa. Ao passo que você adquire novos conhecimentos e experiências, é natural que suas opiniões evoluam. Por isso é importante que você esteja disposto a adaptar suas visões à medida que aprende mais e se aprofunda em um assunto.

Ao reconhecer a relatividade das opiniões e evitar a ideia de verdades absolutas, você estará aberto a um diálogo mais rico, compreensivo e inclusivo com os outros. Isso promove o aprendizado mútuo e a construção de relacionamentos baseados na consideração das perspectivas diversas que existem no mundo. Como diria o filósofo alemão, Friedrich Nietzsche, “Não há fatos eternos, como não há verdades absolutas”.

* CEO, board advisor e headhunter da Prime Talent, empresa de busca e seleção de executivos, presente em 30 países pela Agilium Group. É conselheiro de Administração e professor convidado pela Fundação Dom Cabral; conselheiro da ABRH MG, ­ACMinas e ChildFund Brasil.

Redes Sociais

Instagram: @davidbraga
Conteúdos publicados no espaço Opinião não refletem necessariamente o pensamento e linha editorial do Jornal DIÁRIO DO COMÉRCIO, sendo de total responsabilidade dos/das autores/as as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.
Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail