COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Política

Câmara analisa o fim da BHTrans

COMPARTILHE

Projeto que cria a superitendência de trânsito da Capital já pode receber emendas por parte dos vereadores | Crédito: Charles Silva Duarte/Arquivo DC

Com o objetivo de promover uma ampla mudança no sistema de transporte e trânsito de Belo Horizonte e incorporar aspectos modernos, próprios do conceito de mobilidade urbana, começou a tramitar na Câmara o Projeto de Lei 160/2021, que cria a Superintendência de Mobilidade do Município de Belo Horizonte – Sumob.

Criada como autarquia vinculada à Secretaria Municipal de Política Urbana — SMPU, a nova superintendência municipal seria dotada de autonomia orçamentária, financeira, técnica, funcional, administrativa e poder de polícia. O texto, de autoria do Executivo, também autoriza a extinção da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte S/A — BHTrans.

PUBLICIDADE

O PL 160/2021 será apreciado pelas Comissões de Legislação e Justiça, de Administração Pública, de Desenvolvimento Econômico, Transporte e Sistema Viário; e de Orçamento e Finanças Públicas. Sujeito a votação em Plenário em dois turnos, precisa de 28 votos favoráveis para ser aprovado. Vereadores já podem apresentar emendas para readequação da proposta.

Competências da Sumob – Entre as 25 competências constantes do projeto de lei, a Sumob deve planejar, organizar, fiscalizar e gerenciar o trânsito e os serviços de transporte regulamentados; contribuir com as atividades de planejamento de transportes, trânsito e sistema viário municipal e metropolitano, além de executar os serviços de transporte público individual e coletivo, suplementar, de táxi, escolar e fretado. Também seria atribuição da Sumob estabelecer e administrar a política tarifária dos transportes públicos; implantar e manter a sinalização de trânsito e aplicar sanções aos atos ilícitos de trânsito e de transporte, entre outros.

A ideia foi apresentada ao prefeito Alexandre Kalil (PSD) pelo vereador Gabriel (sem partido), que é presidente da Comissão Especial de Estudo que trata da reformulação da BHTrans e da CPI que investiga a empresa. Segundo o vereador, com a Sumob, a cidade teria avanços fundamentais na gestão da mobilidade urbana. “A cidade contará com melhor planejamento e mais investimentos, que culminarão em mais tecnologia, melhor serviço ao usuário e uma cidade mais dinâmica. Por exemplo, mais tecnologia com sinais de trânsito inteligentes e aplicativos de transporte mais amigáveis aos usuários”, explica Gabriel.

O vereador destaca, ainda, que a mudança mira ações também para o futuro da cidade e que parte da proposta vem dos trabalhos desempenhados pela Comissão Especial de Estudo.

Contribuição – “A Comissão Especial iniciou seu trabalho com três eixos: revisão dos contratos de concessão de transporte coletivo, reorganização da mobilidade na cidade e melhoria da integração metropolitana. O PL aborda o primeiro eixo, mas amplia as opções para os demais eixos propostos pela Comissão. Mais opções de financiamento permitirão mais infraestrutura e mais investimentos no setor, afetando toda a região metropolitana”, completa o vereador.

Em mensagem aos parlamentares, Kalil também destaca a modernização das ações e iniciativas como aspecto fundamental da proposta. “A inovação trazida pelo projeto vai muito além da alteração da denominação e da natureza jurídica da entidade executiva de trânsito do município. A criação da Sumob irá contribuir para modernizar o planejamento e a gestão da mobilidade urbana e do serviço de transporte, viabilizando a adoção de soluções eficientes e adequadas ao atendimento das demandas dos cidadãos”, afirma o prefeito.

Ainda segundo Kalil, a vinculação da autarquia à SMPU facilitaria o planejamento e a execução das intervenções de trânsito e das ações de fiscalização do cumprimento dos contratos de concessão, “sem prejuízo da autonomia da entidade”. (Com informações da CMBH)

PL que determina repasses de recursos do governo federal é vetado

Brasília – O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente o Projeto de Lei 4113/20, que determina o repasse de pelo menos 70% dos recursos previstos para parcerias com o terceiro setor durante a pandemia de Covid-19. O texto vetado busca evitar que as verbas para essas organizações sejam congeladas ou interrompidas.

Segundo o Ministério da Economia, a proposta cria despesas obrigatórias sem apresentar a estimativa dos impactos orçamentário e financeiro, infringindo assim o teto de gastos (Emenda Constitucional 95), a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) atualmente em vigor.

Para além das questões fiscais, o Ministério da Economia alegou que a iniciativa contraria o interesse público, em parte por “ter incidência bastante ampla, de forma a alcançar, indistintamente, ajustes, prazos e metas que, em princípio, não possuem indícios de que teriam sido impactados pela pandemia”.

Publicado no Diário Oficial da União de sexta-feira (23), o veto será analisado pelo Congresso Nacional. Para derrubar um veto presidencial são necessários, no mínimo, 257 votos na Câmara dos Deputados e 41 no Senado. Um veto mantido pela casa legislativa de origem não precisa ser analisado pela outra.

A proposta, do deputado Afonso Florence (PT-BA) e mais 53 parlamentares, foi apresentada durante a vigência do estado de calamidade pública reconhecido pelo Congresso. Aprovado pela Câmara em dezembro de 2020, o texto passou por ajustes no Senado em junho e foi encaminhado para sanção.

O terceiro setor engloba organizações da sociedade civil (ONGs). O texto vetado trata daquelas especificadas na Lei 13.019/14, com diversas áreas de atuação, e permite ainda a prorrogação de ofício dos convênios, desde que limitada ao período de vigência de medidas restritivas para combate ao novo coronavírus. (Agência Câmara)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!