Temer avalia positivamente atuação do ministro Fernando Haddad

"Ele faz o possível para manter a integridade das contas públicas”, comentou o ex-presidente sobre o trabalho na Fazenda

31 de janeiro de 2024 às 5h13

img
Ex-presidente diz que Haddad busca manter a integridade das contas públicas do País | Crédito: César Itiberê/PR

São Paulo – O ex-presidente Michel Temer (MDB), que instituiu o teto de gastos, afirmou que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, faz o que está ao seu alcance no controle das despesas federais.

“Haddad é uma agradável surpresa. Ele faz o possível para manter a integridade das contas públicas”, disse Temer em evento do UBS BB, ontem, em São Paulo.

Em 2023, o mecanismo de congelamento de gastos criado pelo governo Temer foi substituído pelo arcabouço fiscal, menos engessado. O atual regime fiscal demanda o aumento de investimentos quando o Produto Interno Bruto (PIB) cresce, de acordo com o resultado fiscal, e trava despesas quando os resultados da economia são negativos.

“Se o novo teto vai dar certo ou não, só o tempo vai dizer. Mas, de qualquer forma, continua intacta a ideia de um teto para as despesas públicas”, afirmou o ex-presidente.

Sobre o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como um todo, Temer disse que é preciso “ter um certo otimismo”.

“O primeiro ano do governo Lula foi de muitos embates, mas agora ele começa a tomar rumo”, afirmou. De acordo como o emedebista, o atual presidente estaria com uma postura distinta dos seus primeiros mandatos. “O que é compreensível. Ele sofreu angústias com sua detenção de 580 dias e saiu muito magoado”, observou.

Para Temer, Lula deveria adotar uma postura mais pacifista, sugerindo que ele siga o exemplo de Nelson Mandela e Mahatma Gandhi. “Vejo um embate agressivo, não só dele, de todas as partes, o que não é bom. Quando se vai para o embate todo o tempo, causa mal estar no povo brasileiro”, afirmou o político.

Temer afirmou ainda que deu conselhos semelhantes a Jair Bolsonaro (PL), quando ele era presidente. “Bolsonaro me ligou e lhe aconselhei a não fazer aquele cercadinho, pois dava margem a provocações”, disse.

No seu governo, Bolsonaro costumava se dirigir a apoiadores e à imprensa, que ficavam cercados por grades, na porta do Palácio do Planalto. Na opinião de Temer, o ex-presidente foi o responsável por não conseguir a própria reeleição. “O governo Bolsonaro se autoderrotou”, analisou.

Segundo ele, a postura antivacina e o atraso na importação dos imunizantes foram determinantes para a derrota do então presidente. “Seria uma oportunidade extraordinária para o governo federal importar vacinas. Ninguém nega que Bolsonaro é populista, mas ele perdeu a capacidade do diálogo e da liturgia, que é essencial para o presidente”, observou.

Sobre o Supremo Tribunal Federal (STF), Temer defendeu a manutenção do diálogo entre os três poderes e rechaçou as críticas ao órgão. “O Judiciário só se manifesta quando provocado. O Supremo vai avançando sobre certos temas porque é provocado. A provocação tem que parar”, disse. (Julia Moura)

Tags:
Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail