Tecnologia permite controlar fazenda a 2.000 km de distância e rastrear algodão

Além do controle de desempenho de tratores, a agricultura de precisão já permite que produtores, consigam rastrear o algodão do campo à camiseta

30 de janeiro de 2024 às 15h17

img
Crédito: Adobe Stock

Las Vegas (Estados Unidos) – “Mesmo a mais de 2.000 km de distância, conseguimos controlar as máquinas na nossa fazenda. Podemos comparar o desempenho delas, ver o tempo que levam para fazer determinada atividade, medir tudo”, conta o produtor Andrew Miller, dono de uma propriedade em Odem, no Texas.

Ele diz como a rotina em seu campo de algodão mudou, desde que, a partir de mapas de dados, passou a ajustar a operação das máquinas via software. “A tecnologia ajudou a aumentar a eficiência da propriedade e evitar perdas. Ainda precisamos ter um empregado em cada trator, mas no futuro vamos ter máquinas autônomas.”

Além do controle de desempenho de tratores e outros equipamentos por meio de smartphones, a agricultura de precisão já permite que produtores, assim como Miller, consigam rastrear o algodão do campo à camiseta.

Em seu estande na edição deste ano da CES (megaevento de tecnologia para o consumidor que aconteceu no início de janeiro em Las Vegas), a John Deere apresentou seu sistema de colheitadeiras que faz esse rastreio por meio de computadores e imagens de satélite.

O sistema usa RFID (etiquetas de identificação de radiofrequência) integradas na lona do fardo cilíndrico de algodão. Por meio dele, o equipamento lê o número de série do fardo e o compila em um arquivo.

Depois, o número de série é enviado para uma controladora e combinado com os códigos de identificação do produtor, da fazenda e do campo. Também registra os dados de hora e data da colheita. Dessa forma, é possível rastrear a origem do algodão, do campo até o produto final.

Segundo os executivos Jahmy Hindman, diretor de Tecnologia, e Aaron Wetzel, vice-presidente de Sistemas de Produção e Agricultura de Precisão, o sistema dá maior segurança para o produtor, que tem mais controle de sua propriedade, e também para as confecções, que podem se certificar de que seu produto é feito com matéria-prima certificada.

“O consumidor está cada vez mais preocupado com outras questões além do preço, ele quer ter certeza de que está consumindo algo que foi produzido de forma responsável”, diz Hindman.

No evento, a marca também mostrou com mais detalhes seu trator autônomo com tecnologia composta por seis câmeras que fornecem visibilidade de 360° ao redor do equipamento. O veículo funciona sem um operador na cabine e para de operar caso perceba um objeto desconhecido na rota que foi programada.

A direção autônoma permite que o agricultor planeje o caminho que o trator irá fazer no campo. Para treinar o equipamento, a empresa coletou mais de 200 milhões de imagens que são armazenadas em nuvem. O trator pode funcionar durante todo o dia, inclusive durante a noite.

A marca também apresentou um modelo de pulverizador de herbicidas para eliminar ervas daninhas antes do plantio e durante o período de crescimento da planta.

O equipamento, chamado de See & Spray, usa visão mecânica para detectar ervas daninhas por meio de um banco de dados para reconhecimento que é atualizado com frequência e ativa bicos para pulverizar apenas os locais onde elas são identificadas.

Com a tecnologia, os fabricantes prometem reduzir o uso dos produtos agressivos e diminuir seu impacto negativo no meio ambiente. As novas versões do equipamento trabalham com um conjunto de 36 câmeras. Ao detectar a erva daninha, o sistema emite um comando para o bico pulverizá-la.

“A tecnologia é parte tão importante do cotidiano do produtor, que hoje nos vemos igualmente como uma empresa de tecnologia e de equipamentos agrícolas. No futuro, isso vai estar cada vez mais misturado”, diz Hindman.

A meta da empresa é conectar 1,5 milhão de máquinas até 2026, considerando desde tratores da própria marca até veículos de suporte agrícola e caminhões de outros fabricantes. Atualmente, são cerca de 500 mil equipamentos conectados, sobretudo nos Estados Unidos.

No Brasil, já há equipamentos assim operando, como a colheitadeira da série S700. Ela tem duas câmeras inteligentes que fazem imagens a cada dois segundos para a leitura da passagem do grão com ajustes automáticos na máquina a cada três minutos.

De acordo com a diretora de Inovação da empresa para a América Latina, Heather Van Nest, o Brasil é um dos principais mercados da marca, que é líder na cultura do algodão nos Estados Unidos.

“Um dos maiores desafios para nós é melhorar a conectividade no campo brasileiro. Sem isso, o produtor não irá conseguir contar com os avanços disponíveis e nem com os que irão chegar.”

Para tentar contornar isso, a empresa e a Starlink, serviço de internet via satélite da SpaceX, de Elon Musk, anunciaram um acordo para equipar tratores e outras máquinas agrícolas com internet de alta velocidade no Brasil e nos Estados Unidos. A parceria deve ser implementada ao longo de 2024.

A Starlink é ideal para localidades rurais. Ainda este ano, a JohnDeere começará a equipar máquinas novas e existentes nos Estados Unidos e no Brasil com a Starlink para ajudar a conectar os agricultores com internet de alta velocidade, para que possam aproveitar totalmente as tecnologias de agricultura de precisão”, disse a empresa de tecnologia, por meio de sua conta no X (ex-Twitter).

Segundo a empresa de agro, isso possibilitará o uso de tecnologias, como autonomia, compartilhamento de dados em tempo real e diagnósticos remotos.

O repórter viajou a convite da John Deere (Por Douglas Gavras)

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail